Gostou do artigo? Compartilhe!

Celsentri®, nova opção de tratamento para pacientes com HIV, é aprovado pela Comissão Européia e pelo FDA

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia
A Comissão Européia e o FDA (Food and Drug Administration) já aprovaram o Celsentri®, a mais nova arma para o tratamento do HIV1 em pacientes adultos.

A substância ativa do Celsentri® é o Maraviroc, um inibidor CCR5. O Celsentri® (Selzentry®), nome comercial do Maraviroc, do laboratório Pfizer, inaugura uma nova classe de drogas usadas no combate ao HIV1. Trata-se do primeiro medicamento inibidor do CCR5 de uso oral introduzido no mercado em mais de uma década.

Medicamentos que bloqueiam o receptor CCR5 podem interromper a infecção2 das células3 pelo HIV1. Esses medicamentos são chamados antagonistas da quimiocina ou inibidores do CCR5.

O Maraviroc será comercializado em cápsulas. O novo medicamento não deverá ser utilizado por pacientes recém-diagnosticados com o HIV1, mas naqueles que estão adquirindo resistência a outros tipos de tratamento.

Fonte: European Medicines Agency e FDA
NEWS.MED.BR, 2007. Celsentri®, nova opção de tratamento para pacientes com HIV, é aprovado pela Comissão Européia e pelo FDA. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/11795/celsentri-nova-opcao-de-tratamento-para-pacientes-com-hiv-e-aprovado-pela-comissao-europeia-e-pelo-fda.htm>. Acesso em: 18 nov. 2019.

Complementos

1 HIV: Abreviatura em inglês do vírus da imunodeficiência humana. É o agente causador da AIDS.
2 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
3 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
Gostou do artigo? Compartilhe!