Atalho: 6HGN3YH
Gostou do artigo? Compartilhe!

The Lancet: zinco pode auxiliar na redução de falhas em tratamento de lactentes com infecção grave

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Estudo randomizado1, duplo-cego, controlado com placebo2, publicado pelo periódico The Lancet, revela que o zinco pode ser usado como tratamento adjuvante em lactentes3 com idade entre 7 e 120 dias, com infecção4 grave provavelmente bacteriana, com o intuito de reduzir o risco de falhas terapêuticas em regime com antibióticos.

Infecções5 bacterianas graves são a principal causa de morte na primeira infância nos países em desenvolvimento. Intervenções de baixo custo, acessíveis, que possam potencializar o efeito do tratamento antibiótico padrão, podem reduzir a mortalidade infantil6.

Mediu-se o efeito do zinco como um adjuvante de antibióticos em lactentes3 com infecção4 grave de etiologia7 provavelmente bacteriana.

Neste estudo, foram incluídos lactentes3 com idade entre 7 e 120 dias, com infecção4 grave provavelmente bacteriana, realizado em três hospitais em Nova Deli, Índia, entre julho de 2005 e dezembro de 2008. Aleatoriamente as crianças receberam 10 mg de zinco ou placebo2, por via oral, a cada dia, além do tratamento antibiótico padrão. O desfecho primário foi falha do tratamento, que foi definida como a necessidade de mudar os antibióticos até sete dias após a randomização ou a necessidade de cuidados intensivos ou morte a qualquer momento no prazo de 21 dias.

Dos participantes, 352 crianças foram aleatoriamente designadas para receber zinco e 348 para receber placebo2. No grupo do zinco houve um número significativamente menor de falhas do tratamento. Dez crianças que receberam zinco morreram em comparação com 17 que receberam placebo2.

Concluiu-se que o zinco pode ser administrado como tratamento auxiliar para reduzir o risco de falha do tratamento antibiótico em lactentes3 de 7 a 120 dias com infecção4 grave de etiologia7 provavelmente bacteriana.

Fonte: The Lancet, volume 379, de 2 de junho de 2012

NEWS.MED.BR, 2012. The Lancet: zinco pode auxiliar na redução de falhas em tratamento de lactentes com infecção grave. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/302590/the-lancet-zinco-pode-auxiliar-na-reducao-de-falhas-em-tratamento-de-lactentes-com-infeccao-grave.htm>. Acesso em: 6 dez. 2019.

Complementos

1 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
2 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
3 Lactentes: Que ou aqueles que mamam, bebês. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
4 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
5 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
6 Mortalidade Infantil: A taxa de mortalidade infantil é o quociente entre os óbitos de menores de um ano ocorridos em uma determinada unidade geográfica e período de tempo, e os nascidos vivos da mesma unidade nesse período, segundo a fórmula: Taxa de Mortalidade Infantil = (Óbitos de Menores de 1 ano / Nascidos Vivos) x 1.000
7 Etiologia: 1. Ramo do conhecimento cujo objeto é a pesquisa e a determinação das causas e origens de um determinado fenômeno. 2. Estudo das causas das doenças.
Gostou do artigo? Compartilhe!