Gostou do artigo? Compartilhe!

Mudança no padrão de mortalidade em jovens: condições maternas representam 15% das mortes entre as mulheres e acidentes de trânsito são a principal causa em homens (14%), segundo artigo do The Lancet

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Estudo de revisão publicado no The Lancet avalia mudança no padrão de mortalidade1 em adolescentes e adultos jovens, concluindo que condições maternas e acidentes de trânsito são as principais causas de morte entre mulheres e homens, respectivamente.

Mudanças significativas na saúde2 dos adolescentes e adultos jovens foram observadas nos últimos anos, mas seus efeitos na mortalidade1 ainda não haviam sido relatados. O estudo de revisão publicado no periódico The Lancet avaliou os índices e padrões de mortalidade1 mundiais nesta faixa etária.

Foram obtidos dados do 2004 Global Burden of Disease Study e usadas as estimativas de mortalidade1 do 2006 World Health Report, com ajustes para mortes por HIV3/AIDS, guerras e desastres naturais. Os índices e os padrões de mortalidade1 foram investigados por regiões da World Health Organization (WHO), status social, causas por grupos etários de 10-14 anos, 15-19 anos e 20-24 anos.

Dois milhões e seiscentas mil mortes ocorreram em pessoas de 10 a 14 anos em 2004. Dois milhões quinhentos e sessenta (97%) mortes foram de pessoas com rendas baixa e média, e quase dois terços (1,67 milhões) foram observadas na África e sudeste da Ásia. Aumentos pronunciados nos índices de mortalidade1 foram relatados em adolescentes jovens (10 a 14 anos) e adultos jovens (20 a 24 anos), mas as razões variam por região e sexo.

Condições maternas representam 15% das mortes entre as mulheres. HIV3/AIDS e tuberculose4 contribuíram para 11% das mortes. Acidentes de trânsito são a principal causa em homens (14%) e 5% das mortes em mulheres. Outras causas importantes foram violência (12% de mortes no sexo masculino) e suicídio (6% de todas as mortes).

O estudo concluiu que as prioridades globais políticas para a saúde2 dos adolescentes, com foco em HIV3/AIDS e mortalidade1 materna, são importantes, mas insuficientes para prevenir a mortalidade1 nesta faixa etária, na qual duas em cada cinco mortes ocorrem por danos intencionais ou não intencionais.

Fonte: The Lancet de 12 de setembro de 2009

NEWS.MED.BR, 2009. Mudança no padrão de mortalidade em jovens: condições maternas representam 15% das mortes entre as mulheres e acidentes de trânsito são a principal causa em homens (14%), segundo artigo do The Lancet. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/42203/mudanca-no-padrao-de-mortalidade-em-jovens-condicoes-maternas-representam-15-das-mortes-entre-as-mulheres-e-acidentes-de-transito-sao-a-principal-causa-em-homens-14-segundo-artigo-do-the-lancet.htm>. Acesso em: 18 set. 2020.

Complementos

1 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
3 HIV: Abreviatura em inglês do vírus da imunodeficiência humana. É o agente causador da AIDS.
4 Tuberculose: Doença infecciosa crônica produzida pelo bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis). Produz doença pulmonar, podendo disseminar-se para qualquer outro órgão. Os sintomas de tuberculose pulmonar consistem em febre, tosse, expectoração, hemoptise, acompanhada de perda de peso e queda do estado geral. Em países em desenvolvimento (como o Brasil) aconselha-se a vacinação com uma cepa atenuada desta bactéria (vacina BCG).
Gostou do artigo? Compartilhe!