Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo sobre fumantes cujo vício desapareceu após um AVC aponta para um circuito cerebral que pode alimentar o vício

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pacientes cuja lesão1 cerebral coincidentemente aliviou seus desejos por nicotina podem ajudar a desvendar as bases neurais do vício, sugere um novo estudo publicado na revista Nature Medicine.

Os fumantes perderam seus desejos depois de sofrerem danos em partes específicas do cérebro2, sugerindo que essas áreas formam uma rede que de alguma forma alimenta o hábito.

O estudo apoia uma ideia que ganhou força recentemente: que o vício não vive em uma região do cérebro2 ou outra, mas em um circuito de regiões ligadas por fibras nervosas semelhantes a fios.

Os resultados podem fornecer um conjunto mais claro de alvos para tratamentos de dependência que fornecem pulsos elétricos ao cérebro2, novas técnicas que se mostraram promissoras em ajudar as pessoas a parar de fumar.

“Um dos maiores problemas do vício é que não sabemos realmente onde no cérebro2 está o principal problema que devemos direcionar com o tratamento”, disse o Dr. Juho Joutsa, um dos principais autores do estudo e neurologista3 da Universidade de Turku na Finlândia. “Esperamos que, depois disso, tenhamos uma ideia muito boa dessas regiões e redes.”

Para entender melhor as áreas do cérebro2 envolvidas no vício, a equipe de Joutsa avaliou os exames cerebrais de 34 pessoas que de repente perderam o desejo de fumar após um AVC, que envolve danos a uma pequena parte do cérebro2, ou que sofreram danos cerebrais a partir de uma lesão1 física. “É uma mudança impressionante de comportamento”, diz Joutsa. “Eles perderam completamente a vontade de fumar.”

Os pesquisadores compararam esses exames cerebrais com os de 69 fumantes que continuaram seu hábito após uma lesão1 cerebral.

Leia sobre "Tabagismo - como as pessoas se viciam" e "Quinze sinais4 que apontam para a dependência às drogas".

Aqueles que perderam a vontade de fumar tiveram danos em uma de três áreas – o cingulado dorsal, o córtex pré-frontal lateral ou a ínsula – ou em outras regiões do cérebro2 com fortes conexões com essas três áreas. Isso deve ser visto como um circuito do vício, diz Joutsa.

Mas aqueles que pararam de fumar não tiveram danos no córtex pré-frontal medial, que já era conhecido por inibir a atividade nas outras três áreas do cérebro2. Localizado no centro da testa, acredita-se que o córtex pré-frontal medial seja uma quarta área-chave desse circuito. Usá-lo como alvo na terapia de Estimulação Magnética Transcraniana (EMT) pode ajudar as pessoas a superar o vício, segundo Joutsa.

Olhando para um grupo separado de 186 pessoas com lesões5 cerebrais, a equipe descobriu que danos neste circuito também estavam ligados a uma menor probabilidade de dependência de álcool. Outros médicos relataram anteriormente como três indivíduos com danos cerebrais neste circuito perderam repentinamente o vício em opioides e álcool, ou em várias drogas ilegais ou em álcool e nicotina.

Embora a EMT já seja usada para ajudar algumas pessoas a parar de fumar, as novas descobertas podem sugerir maneiras de aumentar o efeito, diz Nick Davis, da Manchester Metropolitan University, no Reino Unido. “Isso é muito poderoso, pois significa que podemos encontrar áreas onde podemos aumentar ou diminuir a atividade cerebral usando técnicas como estimulação magnética ou elétrica”.

No artigo publicado, os pesquisadores relatam como lesões5 cerebrais que interrompem o vício formam um mapa para um circuito cerebral humano comum.

A toxicodependência é uma crise de saúde6 pública para a qual são urgentemente necessários novos tratamentos. Em casos raros, danos cerebrais regionais podem levar à remissão do vício. Esses casos podem ser usados para identificar alvos terapêuticos para neuromodulação.

Foram analisadas duas coortes de pacientes viciados em fumar no momento da lesão1 cerebral focal (coorte7 1 n = 67; coorte7 2 n = 62). As localizações das lesões5 foram mapeadas para um atlas8 cerebral e a rede cerebral funcionalmente conectada a cada localização da lesão1 foi computada usando dados de conectomas humanos (n = 1.000).

Associações com remissão da dependência foram identificadas. A generalização foi avaliada usando uma coorte7 independente de pacientes com lesão1 cerebral focal e escores de risco de dependência de álcool (n = 186). A especificidade foi avaliada por comparação com 37 outras variáveis neuropsicológicas.

Lesões5 que interrompem o vício em fumar ocorreram em muitos locais diferentes do cérebro2, mas foram caracterizadas por um padrão específico de conectividade cerebral. Esse padrão envolveu conectividade positiva com o cingulado dorsal, o córtex pré-frontal lateral e a ínsula e conectividade negativa com o córtex pré-frontal medial e temporal.

Esse circuito foi reprodutível em coortes de lesões5 independentes, associado ao risco reduzido de dependência de álcool e específico para métricas de dependência.

Os eixos que melhor corresponderam ao perfil de conectividade para a remissão do vício foram o giro paracingulado, o opérculo frontal esquerdo e o córtex frontopolar medial.

O estudo concluiu que as lesões5 cerebrais que interrompem o vício formam um mapa para um circuito cerebral humano específico e que os eixos nesse circuito fornecem alvos testáveis para neuromodulação terapêutica9.

Veja também sobre "Acidente Vascular Cerebral10", "Traumatismos cranianos" e "Alcoolismo".

 

Fontes:
Nature Medicine, publicação em 13 de junho de 2022.
New Scientist, notícia publicada em 13 de junho de 2022.
The New York Times, notícia publicada em 13 de junho de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Estudo sobre fumantes cujo vício desapareceu após um AVC aponta para um circuito cerebral que pode alimentar o vício. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1419465/estudo-sobre-fumantes-cujo-vicio-desapareceu-apos-um-avc-aponta-para-um-circuito-cerebral-que-pode-alimentar-o-vicio.htm>. Acesso em: 7 dez. 2022.

Complementos

1 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
2 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
3 Neurologista: Médico especializado em problemas do sistema nervoso.
4 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
5 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
6 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
7 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
8 Atlas:
9 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
10 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
Gostou do artigo? Compartilhe!