Gostou do artigo? Compartilhe!

Intensidade do tratamento com hormônio tireoidiano foi associada à mortalidade cardiovascular

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A intensidade do tratamento com hormônio1 tireoidiano foi associada à mortalidade2 cardiovascular (CV), de acordo com um estudo observacional publicado no JAMA Network Open.

Em mais de 700.000 pacientes que receberam tratamento com hormônio1 tireoidiano e foram acompanhados por uma mediana de 4 anos, aqueles com hipertireoidismo3 exógeno (tireotrofina <0,1 mUI/L) tiveram um aumento de 39% no risco de mortalidade2 CV após ajuste para fatores de risco conhecidos, relataram Maria Papaleontiou, MD, da Universidade de Michigan em Ann Arbor, e colegas.

O aumento do risco foi semelhante em uma avaliação de hipertireoidismo3 com medidas de tiroxina livre (T4 livre); pacientes com níveis >1,9 ng/dL tiveram um aumento de 29% no risco.

O hipotireoidismo4 foi ainda mais fortemente associado à mortalidade2 CV, especificamente níveis de tireotrofina >20 mUI/L foram associados a um aumento de risco de mais de duas vezes. E níveis de T4 livre <0,7 ng/dL também foram associados a maior risco.

Hipertireoidismo3 e hipotireoidismo4 exógenos de longo prazo foram associados ao risco CV e mortalidade2 por todas as causas em pesquisas anteriores, mas o estudo atual é um dos primeiros a examinar o impacto da intensidade do tratamento, observaram os pesquisadores. Um estudo de 2021 dos autores atuais indicou que a intensidade do tratamento com hormônio1 tireoidiano era um fator de risco5 modificável para fibrilação atrial e acidente vascular cerebral6 incidente7, mas sua associação com mortalidade2 CV não é clara.

“Os resultados do nosso estudo têm o potencial de afetar a forma como pensamos sobre os riscos e benefícios associados ao tratamento com hormônio1 tireoidiano, particularmente para populações vulneráveis, como idosos ou pessoas com doenças cardiovasculares8 subjacentes”, afirmaram os autores. “Essas descobertas enfatizam a importância de manter o eutireoidismo para diminuir o risco cardiovascular e a morte entre os pacientes que recebem tratamento com hormônio1 da tireoide”.

No entanto, eles alertaram que o estudo retrospectivo9 e observacional não estabeleceu causalidade.

Saiba mais sobre "O que é TSH", "Hipotireoidismo4" e "Hipertireoidismo3".

No artigo publicado, eles relatam como a doença cardiovascular é a principal causa de morte nos Estados Unidos e os hormônios tireoidianos sintéticos estão entre os 3 medicamentos mais prescritos. Porém, são escassos os estudos que avaliam a associação entre a intensidade do tratamento com hormônio1 tireoidiano e a mortalidade2 cardiovascular. O objetivo do atual estudo, portanto, foi avaliar essa associação.

Este estudo de coorte10 retrospectivo9 usou dados de 705.307 adultos que receberam tratamento com hormônio1 tireoidiano do Veterans Health Administration Corporate Data Warehouse entre 1º de janeiro de 2004 e 31 de dezembro de 2017, com um acompanhamento médio de 4 anos (IQR, 2-9 anos).

Duas coortes foram estudadas: 701.929 adultos com 18 anos ou mais que iniciaram o tratamento com hormônio1 tireoidiano com pelo menos 2 medições de tireotrofina entre o início do tratamento e a morte ou o final do período de estudo e, separadamente, 373.981 pacientes com pelo menos 2 medições de tiroxina livre (T4 livre). Os dados foram mesclados com o Índice Nacional de Óbitos para apuração de mortalidade2 e causa da morte, e a análise foi realizada de 25 de março a 2 de setembro de 2020.

A exposição do estudo foi os níveis séricos de tireotrofina e T4 livre variantes no tempo (eutireoidismo: nível de tireotrofina, 0,5-5,5 mUI/L; nível de T4 livre, 0,7-1,9 ng/dL; hipertireoidismo3 exógeno: nível de tireotrofina, <0,5 mUI/L; nível de T4 livre, >1,9 ng/ dL; hipotireoidismo4 exógeno: nível de tireotrofina, >5,5 mUI/L; nível de T4 livre, <0,7 ng/dL).

O principal desfecho foi a mortalidade2 cardiovascular (ou seja, morte por causas cardiovasculares, incluindo infarto do miocárdio11, insuficiência cardíaca12 ou acidente vascular cerebral6). As análises de sobrevivência13 foram realizadas usando modelos de regressão de riscos proporcionais de Cox usando tireotrofina sérica e níveis de T4 livre como co-variáveis de variação no tempo.

Dos 705.307 pacientes do estudo, 625.444 (88,7%) eram homens, e a idade mediana foi de 67 anos (IQR, 57-78 anos; intervalo, 18-110 anos). No geral, 75.963 pacientes (10,8%) morreram de causas cardiovasculares.

Após ajuste para idade, sexo, fatores de risco cardiovascular tradicionais (por exemplo, hipertensão14, tabagismo e doença cardiovascular ou arritmia15 prévias), pacientes com hipertireoidismo3 exógeno (por exemplo, níveis de tireotrofina, <0,1 mUI/L: taxa de risco ajustada [AHR], 1,39; IC 95%, 1,32-1,47; níveis de T4 livre, >1,9 ng/dL: AHR, 1,29; IC 95%, 1,20-1,40) e pacientes com hipotireoidismo4 exógeno (por exemplo, níveis de tireotrofina, >20 mUI/L: AHR, 2,67; IC 95%, 2,55-2,80; níveis de T4 livre, <0,7 ng/dL: AHR, 1,56; IC 95%, 1,50-1,63) apresentaram risco aumentado de mortalidade2 cardiovascular em comparação com indivíduos com eutireoidismo.

Este estudo sugere que tanto o hipertireoidismo3 exógeno quanto o hipotireoidismo4 exógeno foram associados ao aumento do risco de mortalidade2 cardiovascular. Esses achados enfatizam a importância de manter o eutireoidismo para diminuir o risco cardiovascular e a morte entre os pacientes que recebem tratamento com hormônio1 tireoidiano.

Leia sobre "Doenças cardiovasculares8" e "Avaliação da tireoide16".

 

Fontes:
JAMA Network Open, publicação em 12 de maio de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 12 de maio de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Intensidade do tratamento com hormônio tireoidiano foi associada à mortalidade cardiovascular. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1417525/intensidade-do-tratamento-com-hormonio-tireoidiano-foi-associada-a-mortalidade-cardiovascular.htm>. Acesso em: 1 dez. 2022.

Complementos

1 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
2 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
3 Hipertireoidismo: Doença caracterizada por um aumento anormal da atividade dos hormônios tireoidianos. Pode ser produzido pela administração externa de hormônios tireoidianos (hipertireoidismo iatrogênico) ou pelo aumento de uma produção destes nas glândulas tireóideas. Seus sintomas, entre outros, são taquicardia, tremores finos, perda de peso, hiperatividade, exoftalmia.
4 Hipotireoidismo: Distúrbio caracterizado por uma diminuição da atividade ou concentração dos hormônios tireoidianos. Manifesta-se por engrossamento da voz, aumento de peso, diminuição da atividade, depressão.
5 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
6 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
7 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
8 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
9 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
10 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
11 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
12 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
13 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
14 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
15 Arritmia: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
16 Tireoide: Glândula endócrina altamente vascularizada, constituída por dois lobos (um em cada lado da TRAQUÉIA) unidos por um feixe de tecido delgado. Secreta os HORMÔNIOS TIREOIDIANOS (produzidos pelas células foliculares) e CALCITONINA (produzida pelas células para-foliculares), que regulam o metabolismo e o nível de CÁLCIO no sangue, respectivamente.
Gostou do artigo? Compartilhe!