Gostou do artigo? Compartilhe!

NEJM: Icatibant para tratamento do angioedema induzido pelo uso de IECA

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O angioedema1 induzido pelo tratamento com inibidores da enzima2 de conversão da angiotensina (IECA) é responsável por um terço dos casos de angioedema1 em salas de emergência3, manifestando-se geralmente nas vias aéreas superiores e na região da cabeça4 e pescoço5. Ainda não existe um tratamento aprovado para esta condição potencialmente fatal.

Neste estudo multicêntrico, randomizado6, na fase 2, duplo-cego, duplo placebo7, publicado pelo The New England Journal of Medicine (NEJM), foram avaliados pacientes que tiveram angioedema1 do trato aerodigestivo superior induzido pelo tratamento com inibidor da ECA e que receberam ou 30 mg de icatibant subcutâneo8, um antagonista9 seletivo do receptor B2 da bradicinina10, ou a terapia padrão atual ainda não autorizada que consiste de prednisolona intravenosa (500 mg) mais clemastina (2 mg). O desfecho primário de eficácia foi o tempo médio para a resolução completa do edema11.

Todos os 27 pacientes na população do protocolo tiveram resolução total do edema11. O tempo médio para a resolução completa foi de 8,0 horas (intervalo interquartil, 3,0-16,0) com icatibant, em comparação com 27,1 horas (intervalo interquartil, 20,3-48,0) com a terapia padrão (P=0,002). Três pacientes que receberam a terapia padrão necessitaram de intervenções de emergência3 com icatibant e prednisolona; um paciente precisou de traqueostomia12. Um número maior de doentes no grupo do icatibant, em relação ao grupo da terapia padrão, teve completa resolução do edema11 nas primeiras quatro horas após o tratamento (5 de 13 vs 0 de 14, P=0,02). O tempo médio para o início do alívio dos sintomas13 (de acordo com uma pontuação composta da avaliação do sintoma14 pelo investigador) foi significativamente menor com o icatibant do que com a terapia padrão (2,0 horas contra 11,7 horas, P=0,03). Os resultados foram similares quando se usou escores de sintomas13 avaliados pelos pacientes.

Entre os pacientes com angioedema1 induzido pelo uso de IECA, o tempo para completar a resolução do edema11 foi significativamente menor com o icatibant do que com a terapia de combinação de um glucocorticoide (prednisolona) com um anti-histamínico (clemastina). A pesquisa foi financiada pelo Shire and the Federal Ministry of Education and Research of Germany.

Fonte: The New England Journal of Medicine (NEJM), de 29 de janeiro de 2015

NEWS.MED.BR, 2015. NEJM: Icatibant para tratamento do angioedema induzido pelo uso de IECA. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/741612/nejm-icatibant-para-tratamento-do-angioedema-induzido-pelo-uso-de-ieca.htm>. Acesso em: 14 out. 2019.

Complementos

1 Angioedema: Caracteriza-se por áreas circunscritas de edema indolor e não-pruriginoso decorrente de aumento da permeabilidade vascular. Os locais mais acometidos são a cabeça e o pescoço, incluindo os lábios, assoalho da boca, língua e laringe, mas o edema pode acometer qualquer parte do corpo. Nos casos mais avançados, o angioedema pode causar obstrução das vias aéreas. A complicação mais grave é o inchaço na garganta (edema de glote).
2 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
3 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
4 Cabeça:
5 Pescoço:
6 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
7 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
8 Subcutâneo: Feito ou situado sob a pele. Hipodérmico.
9 Antagonista: 1. Opositor. 2. Adversário. 3. Em anatomia geral, que ou o que, numa mesma região anatômica ou função fisiológica, trabalha em sentido contrário (diz-se de músculo). 4. Em medicina, que realiza movimento contrário ou oposto a outro (diz-se de músculo). 5. Em farmácia, que ou o que tende a anular a ação de outro agente (diz-se de agente, medicamento etc.). Agem como bloqueadores de receptores. 6. Em odontologia, que se articula em oposição (diz-se de ou qualquer dente em relação ao da maxila oposta).
10 Bradicinina: É um polipeptídio plasmático que tem função vasodilatadora e que se forma em resposta à presença de toxinas ou ferimentos no organismo.
11 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
12 Traqueostomia: Procedimento cirúrgico mediante o qual se produz um orifício na região anterior do pescoço, para permitir a entrada de ar na traquéia quando existe uma obstrução ao fluxo aéreo acima desta. Pode ser temporária (necessária apenas durante uma doença aguda e revertida posteriormente) ou permanente (como em caso de ablação da laringe devido a câncer laríngeo, no qual a traqueostomia passa a ser a via aérea definitiva).
13 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
14 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
Gostou do artigo? Compartilhe!