Gostou do artigo? Compartilhe!

Apoio aos pacientes: a maioria das dores de cabeça não é necessariamente sinal de doenças graves

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Dor de cabeça” é a expressão popular para o termo técnico “cefaléia”. Existem vários tipos de dor de cabeça1. A classificação da Sociedade Internacional de Cefaléia2 reconhece mais de 150 tipos diferentes.

Se você sente dores de cabeça1, isso não significa necessariamente que você é portador de uma doença neurológica grave. Oitenta por cento dos adultos vão ter, pelo menos uma vez na vida, um tipo de dor de cabeça1 conhecida como cefaléia2 tensional, a mais comum de todos os tipos de cefaléias3. Outras razões podem levar a dores de cabeça1: estresse, insônia, cansaço, exageros alimentares, etc. Por outro lado, a dor de cabeça1 também pode acompanhar doenças graves como infecções4 do sistema nervoso5, tumores, hemorragias6 intracranianas, isquemias7, trombose8 venosa, dentre outras. No entanto, as dores de cabeça1 decorrentes de problemas graves são a minoria.

Ela pode ser o principal sintoma9 de uma condição na qual não são identificadas alterações estruturais, metabólicas, tóxicas ou infecciosas como causa. Sua origem reside em alterações bioquímicas cerebrais, podendo ser determinadas geneticamente. Essas são as chamadas cefaléias3 primárias, que costumam se repetir com regularidade. São exemplos de cefaléias3 primárias a enxaqueca10, a cefaléia2 do tipo tensional, a cefaléia2 em salvas, dentre outras. Quando a dor de cabeça1 é conseqüência de lesões11 ou outras alterações, elas são classificadas como cefaléias3 secundárias. Entre as causas de cefaléias3 secundárias estão sinusites agudas, infecções4 do sistema nervoso5 ou sistêmicas, tumores, problemas cervicais e muitas outras.

Isso não quer dizer que as cefaléias3 primárias não tragam incômodos para o indivíduo. No entanto, elas não ocasionam seqüelas e podem ser prevenidas ou tratadas de maneira adequada com a orientação de médicos.

Existem alguns sinais12 que orientam para a possibilidade de uma cefaléia2 secundária:

  • Cefaléia2 de início recente. Quanto mais recente é o início de uma dor de cabeça1, maior a chance de se tratar de uma cefaléia2 secundária.

  • Cefaléia2 pré-existente que apresenta modificação nas suas características habituais. Pode-se estar diante de uma nova forma de cefaléia2.

  • Cefaléia2 com intensidade progressivamente maior ao longo dos dias ou semanas. Essa é uma característica da cefaléia2 por hipertensão13 intracraniana e deve ser investigada. Mas não obrigatoriamente trata-se deste tipo de cefaléia2.

  • A primeira ou a “pior dor de cabeça1 da vida”.

  • Associação da dor de cabeça1 com febre14, vômito15 (exceto se já ocorrem há muito tempo, de forma repetida, junto com as dores de cabeça1, sem deixarem conseqüências, como ocorre na enxaqueca10), rigidez do pescoço16, visão17 dupla, estrabismo18, paralisia19 facial, queda da pálpebra, diferença no tamanho das pupilas, crises epilépticas, confusão, alterações cognitivas e comportamentais ou qualquer outro sintoma9 neurológico.

  • Cefaléia2 de início após os 50 anos. A maioria das cefaléias3 primárias tem início antes dessa idade.

  • Cefaléia2 que ocorre durante esforço físico, atividade sexual ou tosse. Existem formas benignas de cefaléias3 que ocorrem com o esforço, atividade sexual e tosse, mas essa é uma queixa que deve ser investigada.

Se você apresenta algum desses sinais12 de alerta, é aconselhável que você procure um médico. É possível reduzir a freqüência e a intensidade das crises de dor de cabeça1 e torná-las mais responsivas aos medicamentos, através de um tratamento preventivo20. A maioria dos pacientes obtém melhora significativa em poucos meses com um tratamento preventivo20. Com ele, é possível reduzir a freqüência do uso de medicações sintomáticas, tornando menos provável a cronificação da dor pelo abuso de medicamentos.

NEWS.MED.BR, 2008. Apoio aos pacientes: a maioria das dores de cabeça não é necessariamente sinal de doenças graves. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/para-pacientes/13056/apoio-aos-pacientes-a-maioria-das-dores-de-cabeca-nao-e-necessariamente-sinal-de-doencas-graves.htm>. Acesso em: 21 fev. 2020.

Complementos

1 Cabeça:
2 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
3 Cefaléias: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaléia ou dor de cabeça tensional, cefaléia cervicogênica, cefaléia em pontada, cefaléia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaléias ou dores de cabeça. A cefaléia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
4 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
5 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
6 Hemorragias: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
7 Isquemias: Insuficiência absoluta ou relativa de aporte sanguíneo a um ou vários tecidos. Suas manifestações dependem do tecido comprometido, sendo a mais frequente a isquemia cardíaca, capaz de produzir infartos, isquemia cerebral, produtora de acidentes vasculares cerebrais, etc.
8 Trombose: Formação de trombos no interior de um vaso sanguíneo. Pode ser venosa ou arterial e produz diferentes sintomas segundo os territórios afetados. A trombose de uma artéria coronariana pode produzir um infarto do miocárdio.
9 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
10 Enxaqueca: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
11 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
12 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
13 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
14 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
15 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
16 Pescoço:
17 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
18 Estrabismo: Desvio da posição de um ou ambos os globos oculares, secundária a uma alteração no sistema de músculos, tendões e nervos encarregados de dar aos olhos o movimento normal.
19 Paralisia: Perda total da força muscular que produz incapacidade para realizar movimentos nos setores afetados. Pode ser produzida por doença neurológica, muscular, tóxica, metabólica ou ser uma combinação das mesmas.
20 Preventivo: 1. Aquilo que previne ou que é executado por medida de segurança; profilático. 2. Na medicina, é qualquer exame ou grupo de exames que têm por objetivo descobrir precocemente lesão suscetível de evolução ameaçadora da vida, como as lesões malignas. 3. Em ginecologia, é o exame ou conjunto de exames que visa surpreender a presença de lesão potencialmente maligna, ou maligna em estágio inicial, especialmente do colo do útero.
Gostou do artigo? Compartilhe!