Atalho: 5RC9XWF
Gostou do artigo? Compartilhe!

Transplante Recupera Função Motora em Ratos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O transplante de células-tronco1 embriogênicas humanas derivadas de oligodendrócitos de progenitores restaurou a locomoção de ratos com lesão2 aguda na medula espinhal3.

A desmielinização contribui para a perda de função motora após dano na medula espinhal3. Uma estratégia terapêutica4 potencial envolve a reposição de células5 formadoras de mielina6. O transplante de células5 tronco embriogênicas humanas - derivadas de oligodendrócitos de progenitores (OPCs) em ratos adultos com lesão2 espinhal aumentaram a remielinização e promoveram melhora da função motora.

OPCs foram injetadas em um grupo de ratos 7 dias após o dano espinhal e, em outro grupo, após 10 meses do dano. Em ambos os casos, as células5 transplantadas sobreviveram, se redistribuíram em pequenas distâncias e se diferenciaram em oligodendrócitos.

Em contraste, quando transplantadas após 10 meses do dano, não houve aumento da remielinização ou melhora na locomoção. Estes estudos documentam a possibilidade de pré-diferenciação de células-tronco1 embriogênicas humanas em células5 funcionais derivadas de oligodendrócitos de progenitores e demonstraram seu potencial terapêutico em lesões7 espinhais recentes.

Hans Keirstead, professor assistente de anatomia e neurobiologia do Centro de Pesquisa do Reeve-Irvine Research Center, relatou também que os ratos recuperaram as funções vesical8 e intestinal. Os cientistas esperam começar os estudos em humanos em 2006.

Fonte: The Journal of Neuroscience

Equipe Médica Centralx9

NEWS.MED.BR, 2005. Transplante Recupera Função Motora em Ratos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/898/transplante-recupera-funcao-motora-em-ratos.htm>. Acesso em: 15 nov. 2019.

Complementos

1 Células-tronco: São células primárias encontradas em todos os organismos multicelulares que retêm a habilidade de se renovar por meio da divisão celular mitótica e podem se diferenciar em uma vasta gama de tipos de células especializadas.
2 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
3 Medula Espinhal:
4 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
5 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
6 Mielina: Bainha, rica em lipídeos e proteínas, que reveste os AXÔNIOS, tanto no sistema nervoso central como no periférico. É um isolante elétrico que permite a condução dos impulsos nervosos de modo mais rápido e energeticamente mais eficiente. É formada pelas membranas de células da glia (CÉLULAS DE SCHWANN no sistema nervoso periférico e OLIGODENDROGLIA no sistema nervoso central). A deterioração desta bainha nas DOENÇAS DESMIELINIZANTES é um sério problema clínico.
7 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
8 Vesical: Relativo à ou próprio da bexiga.
9 Centralx: Empresa fornecedora de produtos e serviços na área de medicina. Fundada em 1989 a Centralx é líder no mercado de softwares e sistemas de informação médicos no Brasil.
Gostou do artigo? Compartilhe!