Gostou do artigo? Compartilhe!

INCA publica as incidências de câncer para 2006 no Brasil

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

No dia 23 de novembro de 2005 o INCA - Instituto Nacional de Câncer1 - publicou as incidências de câncer1 para 2006 no país. Esta publicação é fundamental para o planejamento das ações nacionais voltadas para a prevenção e controle do câncer1 e depende diretamente das informações obtidas dos Registros de Câncer1 de Base Populacional (RCBP), supervisionados pelo INCA/MS, e do Sistema de Informação sobre Mortalidade2 (SIM), do Ministério da Saúde3, centralizado nacionalmente pela Secretaria de Vigilância à Saúde3 - SVS/MS.

A qualidade destes dados é fundamental no processo de vigilância de doenças crônicas e no aprimoramento permanente das informações em saúde3 no país. As informações seguiram rigorosamente critérios científicos para assegurar uma aproximação da real ocorrência de câncer1 em cada estado.

No Brasil, as estimativas para o ano de 2006 apontam que ocorrerão 472.050 casos novos de câncer1. Os tipos mais incidentes4, à exceção do câncer1 de pele5 não-melanoma6, serão os de próstata7 e pulmão8, no sexo masculino, e de mama9 e colo do útero10, no sexo feminino, acompanhando o mesmo perfil da magnitude observada no mundo.

Em 2006 são esperados 234.570 casos novos para o sexo masculino e 237.480 para o feminino. Estima-se que o câncer1 de pele5 não-melanoma6 (116 mil casos novos) será o mais incidente11 na população brasileira, seguido pelos tumores de mama9 feminina (49 mil), próstata7 (47 mil), pulmão8 (27 mil), cólon12 e reto13 (25 mil), estômago14 (23 mil) e colo do útero10 (19 mil).

Os tumores mais incidentes4 para o sexo masculino, serão devidos ao câncer1 de pele5 não-melanoma6 (55 mil casos novos), próstata7 (47 mil), pulmão8 (18 mil), estômago14 (15 mil) e cólon12 e reto13 (11 mil). Para o sexo feminino, destacam-se os tumores de pele5 não-melanoma6 (61 mil casos novos), mama9 (49 mil), colo do útero10 (19 mil), cólon12 e reto13 (14 mil) e pulmão8 (9 mil).

A distribuição dos casos novos de câncer1 segundo localização primária é bem heterogênea entre estados e capitais do país; o que fica evidenciado ao se observar a representação espacial das diferentes taxas brutas de incidência15. As regiões Sul e Sudeste apresentam as maiores taxas, enquanto que as regiões Norte e Nordeste mostram taxas mais baixas. As taxas da região Centro-Oeste apresentam um padrão intermediário.

As informações completas sobre as estatísticas apresentadas podem ser obtidas em http://www.inca.gov.br/estimativa/2006/versaofinal.pdf.

Fonte: INCA - Instituto Nacional de Câncer1

NEWS.MED.BR, 2005. INCA publica as incidências de câncer para 2006 no Brasil. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/859/inca-publica-as-incidencias-de-cancer-para-2006-no-brasil.htm>. Acesso em: 25 nov. 2020.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
5 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
6 Melanoma: Neoplasia maligna que deriva dos melanócitos (as células responsáveis pela produção do principal pigmento cutâneo). Mais freqüente em pessoas de pele clara e exposta ao sol.Podem derivar de manchas prévias que mudam de cor ou sangram por traumatismos mínimos, ou instalar-se em pele previamente sã.
7 Próstata: Glândula masculina, responsável por produzir o líquido e as proteínas que acompanham os espermatozóides no sêmen. Tem forma de amêndoa e localiza-se na base da bexiga, circundando a saída da uretra.
8 Pulmão: Órgão do sistema respiratório situado na cavidade torácica e responsável pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
9 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
10 Colo do útero: Porção compreendendo o pescoço do ÚTERO (entre o ístmo inferior e a VAGINA), que forma o canal cervical.
11 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
12 Cólon:
13 Reto: Segmento distal do INTESTINO GROSSO, entre o COLO SIGMÓIDE e o CANAL ANAL.
14 Estômago: O estômago é o órgão situado logo abaixo do diafragma, mais precisamente entre o esôfago e o duodeno. Ele tem a função de armazenar por pequeno período os alimentos, para que possam ser misturados ao suco gástrico e digeridos.
15 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
Gostou do artigo? Compartilhe!