Gostou do artigo? Compartilhe!

Portadores de rosácea podem ter risco aumentado para demência

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A rosácea é uma doença inflamatória crônica comum da pele1, na qual é observada sobrerregulação de metaloproteinases de matriz (MMP) e peptídeos antimicrobianos (PAMs). Notavelmente, a inflamação2, as MMPs e os PAMs também estão envolvidos na etiopatogenia de certas perturbações neurodegenerativas incluindo formas de demência3, como a doença de Alzheimer4 (DA). Com base em diversas observações clínicas, foi investigada a associação entre rosácea e demência3, incluindo a doença de Alzheimer4, em registros dinamarqueses.

Todos os cidadãos dinamarqueses com idade maior ou igual a 18 anos, entre 1° de janeiro de 1997 e 31 de dezembro de 2012, foram ligados a nível individual através de registros administrativos. A regressão de Cox foi utilizada para calcular as razões de risco não ajustados e ajustados (HR).

O estudo envolveu um total de 5.591.718 pessoas, incluindo 82.439 pacientes com rosácea. Um total de 99.040 pessoas desenvolveu demência3 (qualquer forma) no período do estudo, das quais 29.193 foram diagnosticados com DA. Os HRs ajustados de demência3 e de DA foram 1,07 (intervalo de confiança [IC] de 95% = 1,01-1,14) e 1,25 (IC 95% = 1,14-1,37), respectivamente, em pacientes com rosácea. Estratificada por sexo, os HRs de DA foram 1,28 (IC 95% = 1,15-1,45) e 1,16 (IC 95% = 1,00-1,35) em mulheres e homens, respectivamente. Quando os resultados foram estratificados por idade no início do estudo, o risco de DA só foi significativamente aumentado em indivíduos ≥60 anos de idade (HR ajustado = 1,20; IC 95% = 1,08-1,32). Quando as análises foram limitadas a pacientes com diagnóstico5 de rosácea constatado por dermatologista em hospital, os HRs ajustados de demência3 e DA foram de 1,42 (IC 95% = 1,17-1,72) e 1,92 (IC 95% = 1,44-2,58), respectivamente.

Concluiu-se que a rosácea é significativamente associada com demência3, particularmente com a doença de Alzheimer4. Maior foco nos sintomas6 de disfunção cognitiva7 em pacientes idosos com rosácea pode ser relevante.

Fonte: Annals of Neurology, publicação online de 28 de abril de 2016

NEWS.MED.BR, 2016. Portadores de rosácea podem ter risco aumentado para demência. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/828214/portadores-de-rosacea-podem-ter-risco-aumentado-para-demencia.htm>. Acesso em: 22 out. 2020.

Complementos

1 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
2 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
3 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
4 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
5 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
6 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
7 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
Gostou do artigo? Compartilhe!