Gostou do artigo? Compartilhe!

NEJM: Empagliflozina protege diabéticos tipo 2 com doença cardiovascular da morte em comparação ao uso de placebo

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Ainda não são conhecidos os efeitos do empagliflozina, um inibidor de cotransportador-2 de sódio e glicose1, em adição ao tratamento padrão do diabetes mellitus2 tipo 2, sobre a morbidade3 e a mortalidade4 cardiovasculares em diabéticos do tipo 2 com alto risco cardiovascular.

O coordenador do estudo EMPA-REG OUTCOME, Silvio E. Inzucchi, da Yale University School of Medicine, em Connecticut, e colaboradores distribuíram aleatoriamente pacientes para receber 10 mg ou 25 mg de empagliflozina ou placebo5 uma vez ao dia. O desfecho composto primário foi a morte por causas cardiovasculares, infarto do miocárdio6 não fatal ou AVC não fatal analisados no grupo reunindo pacientes em uso de empagliflozina versus o grupo placebo5. O desfecho composto secundário foi o resultado primário positivo com hospitalização por angina7 instável.

Um total de 7.020 doentes foi tratado com um tempo mediano de observação de 3,1 anos. O desfecho primário ocorreu em 490 dos 4.687 pacientes (10,5%) no grupo empagliflozina e em 282 de 2.333 pacientes (12,1%) no grupo do placebo5. Não houve significativas diferenças entre os grupos nas taxas de infarto do miocárdio6 ou acidente vascular cerebral8, mas no grupo empagliflozina houve taxas significativamente mais baixas de morte por causas cardiovasculares (3,7%, contra 5,9% no grupo placebo5; 38% de redução do risco relativo), hospitalização por insuficiência cardíaca9 (2,7% e 4,1%, respectivamente, 35% de redução do risco relativo) e morte por qualquer causa (5,7% e 8,3%, respectivamente, 32% de redução do risco relativo). Não houve diferença significativa entre os grupos no desfecho secundário (P=0,08 para superioridade). Entre os pacientes que receberam empagliflozina, houve um aumento na taxa de infecção10 genital, mas nenhum aumento em outros eventos adversos.

Concluiu-se que os doentes com diabetes11 tipo 2 com alto risco de eventos cardiovasculares que receberam empagliflozina, em comparação com o placebo5, tiveram uma taxa mais baixa do resultado primário composto cardiovascular e de morte por qualquer causa quando o medicamento do estudo foi adicionado ao tratamento padrão.

Fonte: The New England Journal of Medicine (NEJM), de 17 de setembro de 2015

NEWS.MED.BR, 2015. NEJM: Empagliflozina protege diabéticos tipo 2 com doença cardiovascular da morte em comparação ao uso de placebo. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/804049/nejm-empagliflozina-protege-diabeticos-tipo-2-com-doenca-cardiovascular-da-morte-em-comparacao-ao-uso-de-placebo.htm>. Acesso em: 15 dez. 2019.

Complementos

1 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
2 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
3 Morbidade: Morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento.
4 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
5 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
6 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
7 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
8 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
9 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
10 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
11 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
Gostou do artigo? Compartilhe!