Gostou do artigo? Compartilhe!

Corticoides orais não são tão bons para tratar radiculopatia aguda devido a uma hérnia de disco lombar

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Os esteroides orais são comumente usados para tratar a dor ciática aguda devido a uma hérnia de disco1, mas não foram avaliados em um ensaio clínico devidamente conduzido.

Um estudo randomizado2, duplo-cego, controlado com placebo3 foi efetuado entre 2008 e 2013 em um grande sistema integrado de prestação de cuidados de saúde4 no norte da Califórnia. Adultos (n=269) com dor radícula, por três meses ou menos, com uma pontuação de 30 ou mais (variação de 0 a 100; escores mais altos indicam maior disfunção) no Oswestry Disability Index (ODI) e uma hérnia de disco1 confirmada por ressonância magnética5 eram elegíveis.

Os participantes foram divididos aleatoriamente em uma proporção de 2:1 para receber um curso de 15 dias de prednisona oral (cada 5 dias de 60 mg, 40 mg e 20 mg; dose cumulativa total=600 mg; n=181) ou placebo3 (n=88).

O resultado primário foi a mudança no ODI em três semanas; desfechos secundários foram a mudança no ODI em um ano, a mudança na dor da extremidade inferior (medido em uma escala de 0 a 10; escores mais altos indicando mais dor), cirurgia da coluna vertebral6 e mudanças nos escores Short Form 36 Health Survey (SF-36), Physical Component Summary (PCS) e Mental Component Summary (MCS), variando de 0 a 100 com escores mais altos indicando melhora.

As conclusões mostraram que entre os pacientes com radiculopatia aguda devido a uma hérnia7 discal, um curso curto de esteroides por via oral, em comparação com o placebo3, resultou em melhora modesta da função e nenhuma melhora da dor.

Fonte: The Journal of the American Medical Association (JAMA), volume 313, número 19, de 19 de maio de 2015

NEWS.MED.BR, 2015. Corticoides orais não são tão bons para tratar radiculopatia aguda devido a uma hérnia de disco lombar. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/757777/corticoides-orais-nao-sao-tao-bons-para-tratar-radiculopatia-aguda-devido-a-uma-hernia-de-disco-lombar.htm>. Acesso em: 15 out. 2019.

Complementos

1 Hérnia de disco:
2 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
3 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
6 Coluna vertebral:
7 Hérnia: É uma massa circunscrita formada por um órgão (ou parte de um órgão) que sai por um orifício, natural ou acidental, da cavidade que o contém. Por extensão de sentido, excrescência, saliência.
Gostou do artigo? Compartilhe!