Gostou do artigo? Compartilhe!

NEJM: clindamicina ou sulfa para infecções não complicadas da pele?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

As infecções1 de pele2 são comuns em ambientes ambulatoriais. No entanto, a eficácia de vários regimes de antibióticos na era da aquisição de infecções1 adquiridas na comunidade e causadas por Staphylococcus aureus resistentes à meticilina (MRSA) ainda não é clara.

Um trabalho, publicado pelo The New England Journal of Medicine (NEJM), incluiu pacientes ambulatoriais com infecções1 cutâneas3 não complicadas que tiveram celulite4, abscessos5 maiores que cinco centímetros de diâmetro (menores para as crianças mais jovens) ou ambos. Todos foram submetidos à incisão6 e drenagem7 de abscessos5. Os pacientes foram distribuídos aleatoriamente em uma proporção de 1:1 para receber clindamicina ou sulfametoxazol-trimetoprim (SMZ-TMP) por dez dias. Os doentes e os investigadores não tinham conhecimento das atribuições de tratamento e dos resultados dos testes microbiológicos8. O desfecho primário foi a cura clínica 7 a 10 dias após o final do tratamento.

Um total de 524 pacientes participaram (264 no grupo da clindamicina e 260 no grupo SMZ-TMP), incluindo 155 crianças (29,6%). 160 pacientes (30,5%) tiveram um abscesso9, 280 (53,4%) apresentaram celulite4 e 82 (15,6%) tiveram infecção10 mista, definida como pelo menos uma lesão11 com abscesso9 e uma lesão11 com celulite4. A bactéria12 S. aureus foi isolada das lesões13 de 217 doentes (41,4%); 167 (77,0%) destas eram MRSA. A proporção de pacientes curados foi semelhante nos dois grupos de tratamento. As taxas de cura não diferiram significativamente nos subgrupos de crianças, adultos e pacientes com abscesso9 versus celulite4 nos dois tratamentos usados. A proporção de pacientes com eventos adversos foi similar nos dois grupos.

Concluiu-se que não houve diferença significativa entre a clindamicina e a SMZ-TMP, com relação à eficácia ou ao perfil de efeitos colaterais14, para o tratamento de infecções1 cutâneas3 não complicadas, incluindo tanto a celulite4 quanto o abscesso9.

Fonte: The New England Journal of Medicine (NEJM), volume372, número 12, de 19 de março de 2015

NEWS.MED.BR, 2015. NEJM: clindamicina ou sulfa para infecções não complicadas da pele?. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/749032/nejm-clindamicina-ou-sulfa-para-infeccoes-nao-complicadas-da-pele.htm>. Acesso em: 15 set. 2019.

Complementos

1 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
3 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
4 Celulite: Inflamação aguda das estruturas cutâneas, incluindo o tecido adiposo subjacente, geralmente produzida por um agente infeccioso e manifestada por dor, rubor, aumento da temperatura local, febre e mal estar geral.
5 Abscessos: Acumulação de pus em uma cavidade formada acidentalmente nos tecidos orgânicos, ou mesmo em órgão cavitário, em consequência de inflamação seguida de infecção.
6 Incisão: 1. Corte ou golpe com instrumento cortante; talho. 2. Em cirurgia, intervenção cirúrgica em um tecido efetuada com instrumento cortante (bisturi ou bisturi elétrico); incisura.
7 Drenagem: Saída ou retirada de material líquido (sangue, pus, soro), de forma espontânea ou através de um tubo colocado no interior da cavidade afetada (dreno).
8 Microbiológicos: Referente à microbiologia, ou seja, à especialidade biomédica que estuda os microrganismos patogênicos, responsáveis pelas doenças infecciosas, englobando a bacteriologia (bactérias), virologia (vírus) e micologia (fungos).
9 Abscesso: Acumulação de pus em uma cavidade formada acidentalmente nos tecidos orgânicos, ou mesmo em órgão cavitário, em consequência de inflamação seguida de infecção.
10 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
11 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
12 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
13 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
14 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
Gostou do artigo? Compartilhe!