Gostou do artigo? Compartilhe!

Nitrito de sódio tópico para úlceras crônicas de perna em pacientes com anemia falciforme: ensaio clínico em fase 1 para determinação de segurança e tolerabilidade de dose

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Tratamentos eficazes e bem tolerados são necessários para úlceras1 crônicas de perna em pacientes com anemia falciforme2. O nitrito de sódio tópico3, um conhecido doador de óxido nítrico, aumenta o fluxo sanguíneo nas úlceras1 e tem conhecido efeito bacteriostático. O objetivo do presente trabalho, publicado pelo The Lancet Haematology, foi avaliar a segurança, a tolerabilidade e a farmacocinética do nitrito de sódio tópico3 em pacientes com doença falciforme e úlceras1 crônicas de perna.

O ensaio clínico incluiu pacientes falcêmicos adultos, de uma clínica ambulatorial no National Institutes of Health (Bethesda, nos EUA), com úlceras1 de perna (com uma superfície de 2,5-100 cm²) que persistiam por pelo menos quatro semanas. O aumento das concentrações de nitrito de sódio em creme foi aplicado duas vezes por semana, durante quatro semanas, em uma úlcera4 por paciente em cinco níveis diferentes de doses (0,5%, 1%, 1,5%, 1,8% e 2%). Os desfechos primários foram a segurança e a tolerabilidade, com desfechos secundários de farmacocinética, fluxo sanguíneo e cicatrização de feridas. O alívio da dor foi avaliado posteriormente e os desfechos foram analisados ao longo do tempo da pesquisa para toda a população estudada e de acordo com o nível de dose aplicado.

Entre 4 de abril de 2011 e 19 de março de 2013, foram matriculados 18 pacientes com anemia falciforme2 e úlceras1 de perna no estudo. Três pacientes foram atribuídos para cada grupo e cada grupo foi tratado com uma concentração diferente de nitrito de sódio em creme (grupo 1: 0,5%; grupo 2: 1,0%; grupo 3: 1,5% e grupo 4: 2,0%). Os pacientes não eram inscritos para o grupo da próxima dose até que fosse estabelecida a ausência de toxicidades limitantes ao uso da dose seguinte. Um adicional de seis pacientes foi inscrito para o grupo 3a: recebendo a concentração de 1,8%, depois que dois pacientes no grupo 4 tiveram picos assintomáticos na pressão arterial diastólica5. Não houve eventos adversos graves ou efeitos secundários que limitassem o uso das doses. A análise farmacocinética mostrou que a absorção sistêmica de nitrito de sódio foi muito baixa. A aplicação tópica de nitrito de sódio foi associada a um aumento significativo do fluxo sanguíneo ao redor da ferida medido por imagens de contraste com laser (p=0,0002), corroborada pelo aumento da temperatura da pele6 em volta da ferida pela termografia com infravermelho (p=0,0119). Registrou-se uma diminuição dose-dependente do tamanho da úlcera de perna7 (p=0,0012) e da dor (p<0,0001). As úlceras1 foram completamente curadas em três pacientes que receberam as maiores concentrações de nitrito de sódio tópico3 (creme a 1,8% e 2%).

Os resultados indicam que o nitrito de sódio tópico3 em creme a 2% é adequado para ensaios clínicos8 adicionais em adultos com anemia falciforme2 para promover a cicatrização de úlceras1 de perna. O estudo foi financiado pela National Heart, Lung and Blood Institute Division of Intramural Research (National Institutes of Health).

Fonte: The Lancet Haematology, volume 1, número 3, de dezembro de 2014

NEWS.MED.BR, 2014. Nitrito de sódio tópico para úlceras crônicas de perna em pacientes com anemia falciforme: ensaio clínico em fase 1 para determinação de segurança e tolerabilidade de dose. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/599852/nitrito-de-sodio-topico-para-ulceras-cronicas-de-perna-em-pacientes-com-anemia-falciforme-ensaio-clinico-em-fase-1-para-determinacao-de-seguranca-e-tolerabilidade-de-dose.htm>. Acesso em: 14 nov. 2019.

Complementos

1 Úlceras: Feridas superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
2 Anemia falciforme: Doença hereditária que causa a má formação das hemácias, que assumem forma semelhante a foices (de onde vem o nome da doença), com maior ou menor severidade de acordo com o caso, o que causa deficiência do transporte de gases nos indivíduos que possuem a doença. É comum na África, na Europa Mediterrânea, no Oriente Médio e em certas regiões da Índia.
3 Tópico: Referente a uma área delimitada. De ação limitada à mesma. Diz-se dos medicamentos de uso local, como pomadas, loções, pós, soluções, etc.
4 Úlcera: Ferida superficial em tecido cutâneo ou mucoso que pode ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
5 Pressão arterial diastólica: É a pressão mais baixa detectada no sistema arterial sistêmico, observada durante a fase de diástole do ciclo cardíaco. É também denominada de pressão mínima.
6 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
7 Úlcera de perna: As úlceras ou feridas das extremidades inferiores são conseqüência de doenças venosas, arteriais ou neurovasculares, tais como varizes, trombose venosa, aterosclerose, diabetes e hipertensão arterial. Localizam-se geralmente nos tornozelos ou terço inferior das pernas e pés. Os sintomas do paciente com úlcera de perna por insuficiência venosa crônica são: dor, cansaço, sensação de peso nos membros inferiores, edema e prurido (coceira) nas áreas onde há inflamação da pele.
8 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
Gostou do artigo? Compartilhe!