Gostou do artigo? Compartilhe!

Lacunas de tratamento no diabetes tipo 2 de início precoce: estudo transversal de uma coorte prospectiva publicado pelo The Lancet

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A prevalência1 do diabetes2 está aumentando em jovens adultos na Ásia, mas pouco se sabe sobre o controle metabólico ou a taxa de complicações associadas à doença nesta população. Pesquisadores asiáticos avaliaram a prevalência1 do início precoce versus início tardio do diabetes tipo 23, os fatores de risco e os encargos associados às complicações desta patologia4, na coorte5 Joint Asia Diabetes2 Evaluation (JADE).

O JADE é um estudo de coorte6 prospectivo7 em andamento. Foram incluídos adultos com diabetes tipo 23 a partir de 245 ambulatórios em nove países ou regiões asiáticos. Classificamos os pacientes como portadores de diabetes2 de início precoce quando recebiam o diagnóstico8 antes da idade de 40 anos e como tendo diabetes2 de início tardio se eles fossem diagnosticados com 40 anos ou mais. Os dados para a primeira avaliação dos participantes do JADE foram extraídos para a análise transversal. Foram comparadas as características clínicas, os fatores de risco metabólicos e a prevalência1 de complicações entre os participantes com diabetes2 de início precoce e aqueles com diabetes2 de início tardio.

Entre 1° de novembro de 2007 e 21 de dezembro de 2012 foram inscritos 41.029 pacientes (15.341 de Hong Kong, 9.107 da Índia, 7.712 das Filipinas, 5.646 da China, 1.751 da Coreia do Sul, 705 do Vietnã, 385 de Singapura, 275 da Tailândia e 107 de Taiwan). 7.481 pacientes (18%) tinham diabetes2 de início precoce, com média de idade no momento do diagnóstico8 de 32,9 anos versus média de 53,9 anos para aqueles com diabetes2 de início tardio (n=33.548). Aqueles com diabetes2 de início precoce tiveram duração mais longa da doença (média de 10 anos [IQR 3-18]) do que aqueles com diabetes2 de início tardio (5 anos [2-11]). Menos pacientes com diabetes2 de início precoce atingiam concentrações de HbA1c9 inferior a 7% em comparação com aqueles com diabetes2 de início tardio (27% vs 42%, p<0,0001). Os pacientes com diabetes2 de início precoce tinham concentrações médias mais elevadas de HbA1c9 (média 8,32% vs 7,69%, p<0,0001), LDL colesterol10 (2,78 mmol/L11 vs 2,74, p=0,009) e maior prevalência1 de retinopatia (1.363 [20%] vs 5.714 (18%), p=0,011) do que aqueles com diabetes2 de início tardio, mas eram menos propensos a receber estatinas (2.347 [31%] vs 12.441 [37%], p<0,0001) e inibidores do sistema renina-angiotensina (1.868 [25%] vs 9.665 [29%], p=0,006).

Em ambientes clínicos de toda a Ásia, um em cada cinco pacientes adultos têm diabetes2 de início precoce. Em comparação com pacientes com diabetes2 de início tardio, o controle metabólico em pessoas com diabetes2 de início precoce é pobre e menos pacientes recebem medicações para a proteção dos órgãos alvo de complicações do diabetes mellitus12. Dado o risco conferido pelo longo prazo do mau controle metabólico da doença, os resultados do estudo sugerem uma epidemia iminente de complicações diabéticas em indivíduos com início precoce da doença.

O estudo publicado no The Lancet Diabetes2 & Endocrinology foi financiado pela The Asia Diabetes2 Foundation (ADF) e pelo laboratório Merck.

Fonte: The Lancet Diabetes2 & Endocrinology, publicação online, de 28 de julho de 2014

NEWS.MED.BR, 2014. Lacunas de tratamento no diabetes tipo 2 de início precoce: estudo transversal de uma coorte prospectiva publicado pelo The Lancet. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/558617/lacunas-de-tratamento-no-diabetes-tipo-2-de-inicio-precoce-estudo-transversal-de-uma-coorte-prospectiva-publicado-pelo-the-lancet.htm>. Acesso em: 15 set. 2019.

Complementos

1 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
2 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
3 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
4 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
5 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
6 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
7 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
8 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
9 HbA1C: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
10 LDL colesterol: Do inglês low-density lipoprotein cholesterol, colesterol de baixa densidade ou colesterol ruim.
11 Mmol/L: Milimols por litro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
12 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
Gostou do artigo? Compartilhe!