Gostou do artigo? Compartilhe!

JAMA: Tadalafil funciona para a prevenção da disfunção erétil após a radioterapia para o câncer de próstata?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Estudo realizado pelo grupo Radiation Therapy Oncology Group avaliou o papel do Tadalafil como agente preventivo1 da disfunção erétil após o tratamento do câncer2 de próstata3 com radioterapia4.

Os objetivos principais do ensaio clínico randomizado5, duplo-cego, com grupos paralelos, foram determinar principalmente se o Tadalafil preservou a função erétil em homens tratados com radioterapia4 para o câncer2 de próstata3, e, secundariamente, para determinar se a função sexual geral do parceiro e do participante ou a satisfação sexual e conjugal foram afetadas.

O estudo foi realizado em 76 locais médicos de cuidados terciários, de base comunitária, nos Estados Unidos e Canadá. 242 participantes com a função erétil preservada foram programados para receber radioterapia4 para o câncer2 de próstata3, recrutados entre novembro de 2009 e fevereiro de 2012, com acompanhamento até março de 2013.

121 participantes foram distribuídos para receber 5 mg de Tadalafil diariamente e 121 foram distribuídos para receber placebo6, durante 24 semanas, começando com radioterapia4 externa (63%) ou braquiterapia7 (37%). Os participantes responderam ao Index of Erectile Function (Índice Internacional de Função Erétil) antes da radioterapia4, nas semanas 2 e 4, entre as semanas 20 e 24, entre as semanas 28 e 30 e um ano depois. Os participantes e os parceiros responderam ao Sexual Adjustment Questionnaire e ao Locke Marital Adjustment Test antes da radioterapia4, entre as semanas 20 e 24, entre as semanas 28 e 30 e um ano depois.

Dos 221 participantes avaliados, 80 (79%) recebendo Tadalafil mantiveram a função erétil entre as semanas 28 e 30 em comparação com 61 (74%) designados a receber placebo6 (p=0,49); uma diferença absoluta de 5%. Uma diferença significativa também não foi observada em um ano (72% vs 71%, p=0,93). Tadalafil não foi associado à melhora significativa da função sexual total ou da satisfação sexual. Não se observou efeito significativo sobre a satisfação sexual de parceiros(as) sexuais de homens que receberam Tadalafil.

Concluiu-se que entre os homens submetidos à radioterapia4 para o câncer2 de próstata3, o uso diário de Tadalafil em comparação com placebo6 não resultou em melhora da função erétil. Estes resultados não suportam o uso diário deste medicamento para prevenir a disfunção erétil nestes pacientes.

Fonte: The Journal of the American Medical Association (JAMA), volume 311, número 13, de 2 de abril de 2014 

NEWS.MED.BR, 2014. JAMA: Tadalafil funciona para a prevenção da disfunção erétil após a radioterapia para o câncer de próstata?. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/534219/jama-tadalafil-funciona-para-a-prevencao-da-disfuncao-eretil-apos-a-radioterapia-para-o-cancer-de-prostata.htm>. Acesso em: 4 dez. 2022.

Complementos

1 Preventivo: 1. Aquilo que previne ou que é executado por medida de segurança; profilático. 2. Na medicina, é qualquer exame ou grupo de exames que têm por objetivo descobrir precocemente lesão suscetível de evolução ameaçadora da vida, como as lesões malignas. 3. Em ginecologia, é o exame ou conjunto de exames que visa surpreender a presença de lesão potencialmente maligna, ou maligna em estágio inicial, especialmente do colo do útero.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Próstata: Glândula que (nos machos) circunda o colo da BEXIGA e da URETRA. Secreta uma substância que liquefaz o sêmem coagulado. Está situada na cavidade pélvica (atrás da parte inferior da SÍNFISE PÚBICA, acima da camada profunda do ligamento triangular) e está assentada sobre o RETO.
4 Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.
5 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
6 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
7 Braquiterapia: Modalidade de Radioterapia na qual o elemento radioativo é colocado em proximidade ou dentro do órgão a ser tratado. Para isto são utilizados elementos radioativos específicos, de pequeno tamanho e formas variadas, que são colocados na posição de tratamento através de guias chamados cateteres ou sondas.
Gostou do artigo? Compartilhe!