Gostou do artigo? Compartilhe!

Mudança na saúde mental após parar de fumar: revisão sistemática e meta-análise publicada pelo BMJ

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Com o objetivo de investigar as alterações na saúde1 mental após a cessação do tabagismo em comparação com continuar a fumar, foi realizada uma revisão sistemática e meta-análise de estudos observacionais.

Fontes de dados da Web of Science, Cochrane Central Register of Controlled Trials, Medline, Embase e PsycINFO para estudos relevantes foram buscadas desde o início até abril de 2012. Listas de referências dos estudos incluídos foram manualmente pesquisadas e os autores foram contatados quando dados insuficientes eram relatados.

Foram incluídos nesta meta-análise 26 estudos que avaliaram a saúde1 mental de adultos antes da cessação do tabagismo e pelo menos seis semanas após a suspensão do cigarro. A avaliação da saúde1 mental foi feita com questionários destinados a medir ansiedade, depressão, misto de ansiedade e depressão, qualidade de vida, afeto positivo2 e estresse. Escores de acompanhamento da saúde1 mental foram medidos entre sete semanas e nove anos depois do início do estudo. Ansiedade, depressão, misto de ansiedade e depressão e estresse diminuíram significativamente entre o início do estudo e o período de acompanhamento naqueles que largaram o vício em comparação com aqueles que continuaram a fumar: as diferenças médias padronizadas foram -0,37 para ansiedade; -0,25 para depressão; -0,31 misto de ansiedade e depressão e -0,27 para estresse. Tanto a qualidade de vida quanto o afeto positivo2 melhoraram significativamente entre o início do estudo e o tempo de acompanhamento naqueles que deixaram de fumar em comparação aos que continuaram fumando. Não houve evidência de que o tamanho do efeito diferiu entre a população geral e populações com doenças físicas ou psiquiátricas (populações clínicas).

Concluiu-se que a cessação do tabagismo está associada à redução da depressão, ansiedade e estresse e melhora o afeto positivo2 e a qualidade de vida em comparação com a continuação deste vício. O tamanho do efeito parece ser o mesmo para aqueles com transtornos psiquiátricos e aqueles não portadores de doenças físicas ou psíquicas. O tamanho do efeito é igual ou maior do que os do tratamento antidepressivo para transtornos de humor e ansiedade.

Fonte: British Medical Journal (BMJ), publicado em 14 de fevereiro de 2014 

NEWS.MED.BR, 2014. Mudança na saúde mental após parar de fumar: revisão sistemática e meta-análise publicada pelo BMJ. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/524279/mudanca-na-saude-mental-apos-parar-de-fumar-revisao-sistematica-e-meta-analise-publicada-pelo-bmj.htm>. Acesso em: 21 set. 2021.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Afeto positivo: O afeto positivo reflete o quanto uma pessoa está sentindo-se entusiástica, ativa e alerta, enquanto o afeto negativo é uma dimensão geral da angústia e insatisfação, o qual inclui uma variedade de estados de humor aversivos, incluindo raiva, culpa, desgosto, medo. Os afetos positivo e negativo são os aspectos primários do afeto.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Complementos

20/02/2014 - Complemento feito por publio
Re: Mudança na saúde mental após parar de fumar: revisão sistemática e meta-análise publicada pelo BMJ
os males que o tabaco causa em uma pessoa vao muito alem, sao males psicologicos dramas que afetam o pomportamento e modificam a qualidade de vida do 'doente'. é como se o doente nao tivesse vida, ou ao menos nao vive, vegeta, nao consegue modificar sua estrutura mental, é como se o crescimento intelecto-moral ficassse inerte...

  • Entrar
  • Receber conteúdos