Gostou do artigo? Compartilhe!

Mascar chicletes pode influenciar na frequência e na gravidade da dor de cabeça em crianças e adolescentes, publicado pelo Pediatric Neurology

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O hábito de mascar chicletes em excesso é pouco citado como um precipitante da dor de cabeça1 em crianças e adolescentes. Em estudo publicado pelo Pediatric Neurology foi avaliada a influência da mastigação excessiva diária de goma de mascar em crianças mais velhas e adolescentes com dor de cabeça1 crônica, ressaltando o impacto da descontinuação do hábito e da sua reintrodução.

A pesquisa foi liderada por Nathan Watemberg, médico do Child Neurology Unit and Child Development Center, do Meir Medical Center e da Tel Aviv University, em Israel. Pacientes com dor de cabeça1 crônica e que têm o hábito de mascar chicletes em excesso foram convidados a preencher questionário referente às características da dor de cabeça1, possíveis gatilhos, história familiar de dores de cabeça1 e características de uso das gomas de mascar. Estes indivíduos foram classificados em quatro grupos em função do número de horas diárias que mascavam chicletes. Todos os participantes descontinuaram o hábito de mascar chicletes durante um mês e o reintroduziram após este período. Foi realizada nova entrevista após 2 a 4 semanas.

Os resultados mostraram que dos trinta pacientes (25 meninas) recrutados, a idade média foi de 16 anos e a maioria tinha dor de cabeça1 do tipo enxaqueca2 (60% apresentavam enxaqueca2 e 40% apresentavam cefaleia3 tensional). Após a descontinuação de uso do chiclete, 26 relataram uma melhora significativa, incluindo a resolução da dor de cabeça1 em 19 deles. Vinte pacientes dos 26 que relataram melhora dos sintomas4 inicialmente e que reinstituíram o hábito relataram recaída dos sintomas4 em poucos dias, cerca de uma semana. A duração da dor de cabeça1 antes da interrupção e o número de horas diárias mascando chicletes não tiveram influência sobre a resposta na descontinuação. Os pesquisadores acreditam que o hábito de mascar chiclete em excesso possa desencadear a dor de cabeça1, não pela ingestão de aspartame5, contido na goma de mascar, como já foi sugerido anteriormente, mas por colocar a articulação temporomandibular6 em um esforço excessivo.

Embora o estudo seja pequeno e avaliações futuras devam ser feitas, no presente trabalho verificou-se que o excesso de chiclete por dia pode estar associado à dor de cabeça1 crônica e deve receber mais atenção na literatura médica. A conscientização do paciente e do médico sobre esta associação pode ter um impacto significativo sobre a qualidade de vida de crianças e adolescentes com dor de cabeça1 crônica que mascam chiclete excessivamente. Os estudiosos ainda sugerem que se o exame neurológico das crianças e adolescentes estiver normal e o hábito de mascar chiclete em excesso estiver presente, os médicos devem sugerir a descontinuação do uso antes de solicitarem procedimentos diagnósticos e terapêuticos caros para avaliar e tratar as dores de cabeça1 nesta faixa etária.

Fonte: Pediatric Neurology, volume 50, de janeiro de 2014 

NEWS.MED.BR, 2014. Mascar chicletes pode influenciar na frequência e na gravidade da dor de cabeça em crianças e adolescentes, publicado pelo Pediatric Neurology. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/519687/mascar-chicletes-pode-influenciar-na-frequencia-e-na-gravidade-da-dor-de-cabeca-em-criancas-e-adolescentes-publicado-pelo-pediatric-neurology.htm>. Acesso em: 18 nov. 2019.

Complementos

1 Cabeça:
2 Enxaqueca: Sinônimo de migrânea. É a cefaléia cuja prevalência varia de 10 a 20% da população. Ocorre principalmente em mulheres com uma proporção homem:mulher de 1:2-3. As razões para esta preponderância feminina ainda não estão bem entendidas, mas suspeita-se de alguma relação com o hormônio feminino. Resulta da pressão exercida por vasos sangüíneos dilatados no tecido nervoso cerebral subjacente. O tratamento da enxaqueca envolve normalmente drogas vaso-constritoras para aliviar esta pressão. No entanto, esta medicamentação pode causar efeitos secundários no sistema circulatório e é desaconselhada a pessoas com problemas cardiológicos.
3 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
4 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
5 Aspartame: Adoçante com quase nenhuma caloria e sem valor nutricional.
6 Articulação Temporomandibular: Articulação entre o côndilo da mandíbula e o tubérculo articular do osso temporal. Relação Central;
Gostou do artigo? Compartilhe!