Gostou do artigo? Compartilhe!

The Lancet: novo tipo de medicamento parece promissor para reduzir o LDL colesterol

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um estudo randomizado1, duplo-cego, placebo2-controlado, na fase 1 de um ensaio clínico, foi realizado para avaliar o efeito de uma droga com interferência no RNA na síntese de pró-proteína convertase subtilisina/kexina tipo 9 (PCSK9) e a concentração de colesterol3 LDL4 sérico em adultos voluntários saudáveis com LDL colesterol5 alto.

A pró-proteína convertase subtilisina/kexina tipo 9 (PCSK9) se liga aos receptores de LDL4, levando à sua degradação. Estudos genéticos têm mostrado que mutações com perda de função da PCSK9 resultam na redução do colesterol3 LDL4 no plasma6 e uma diminuição do risco de doença cardíaca coronária. O objetivo foi investigar a segurança e a eficácia da ALN-PCS, um pequeno RNA de interferência que inibe a síntese de PCSK9, em voluntários saudáveis com colesterol3 elevado e que não estavam em tratamento com hipolipemiantes.

Um estudo randomizado1, duplo-cego, placebo2-controlado, na fase 1 de um ensaio clínico foi realizado em adultos voluntários saudáveis com LDL colesterol5 de 3,00 mmol/L7 ou superior. Os participantes foram distribuídos aleatoriamente numa proporção de 3:1 por algoritmo de computador para receber uma dose intravenosa de ALN-CS (com doses variando entre 0,015 a 0,400 mg/kg) ou placebo2. O desfecho primário foi a segurança e a tolerabilidade do ALN-PCS. Os desfechos secundários foram as características farmacocinéticas do ALN-PCS e seus efeitos farmacodinâmicos no PCSK9 e no LDL colesterol5. Os participantes do estudo foram mascarados para as atribuições de tratamento. A análise foi por protocolo e a ANCOVA foi usada para analisar os dados de desfechos farmacodinâmicos.

Dos 32 participantes, 24 foram distribuídos aleatoriamente para receber uma dose única de ALN-PCS (0,015 mg/kg [n=3]; 0,045 mg/kg [n=3]; 0,090 mg/kg [n=3]; 0,150 mg/kg [n=3]; 0,250 mg/kg [n=6] ou 0,400 mg/kg [n=6]) e 8 para o placebo2. As proporções de pacientes afetados por eventos adversos emergentes do tratamento foram semelhantes aos que receberam ALN-PCS ou placebo2 (19 [79%] vs 7 [88%]). O ALN -PCS distribuiu-se rapidamente, com a concentração de pico e a área sob a curva (0 para a última medição), aumentando de uma maneira aproximadamente proporcional à dose, entre a gama de doses testadas. No grupo que recebeu a 0,400 mg/kg de ALN-PCS, o tratamento resultou numa redução média de 70% na circulação8 de PCSK9 proteína plasmática (p<0,0001) e uma redução média de 40% no colesterol3 LDL4 da linha de base em relação ao placebo2 (p<0,0001).

Os resultados sugerem que a inibição da síntese de PCSK9 por interferência de RNA (RNAi) fornece um mecanismo potencialmente seguro para reduzir a concentração de colesterol3 LDL4 em indivíduos saudáveis com colesterol3 elevado. Estes resultados apoiam novas avaliações da ALN-PCS em pacientes com hipercolesterolemia9, incluindo aqueles que estão sendo tratados com estatinas. Este estudo é o primeiro a mostrar uma droga RNAi sendo utilizada para influenciar parâmetros clinicamente validados (por exemplo, o colesterol3 LDL4) em seres humanos.

Fonte: The Lancet, publicação online de 3 de outubro de 2013 

NEWS.MED.BR, 2013. The Lancet: novo tipo de medicamento parece promissor para reduzir o LDL colesterol. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/505904/the-lancet-novo-tipo-de-medicamento-parece-promissor-para-reduzir-o-ldl-colesterol.htm>. Acesso em: 22 nov. 2019.

Complementos

1 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
2 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
3 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
4 LDL: Lipoproteína de baixa densidade, encarregada de transportar colesterol através do sangue. Devido à sua tendência em depositar o colesterol nas paredes arteriais e a produzir aterosclerose, tem sido denominada “mau colesterol“.
5 LDL colesterol: Do inglês low-density lipoprotein cholesterol, colesterol de baixa densidade ou colesterol ruim.
6 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
7 Mmol/L: Milimols por litro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
8 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
9 Hipercolesterolemia: Aumento dos níveis de colesterol do sangue. Está associada a uma maior predisposição ao desenvolvimento de aterosclerose.
Gostou do artigo? Compartilhe!