Gostou do artigo? Compartilhe!

JAMA: uso de metoclopramida parece seguro durante a gravidez em relação ao risco de malformações congênitas, aborto espontâneo e natimortos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A metoclopramida é uma medicação frequentemente usada para náuseas1 e vômitos2 durante a gravidez3. Acredita-se que ela seja segura, mas as informações sobre o risco de malformações4 específicas e morte fetal ainda são incompletas.

Com o objetivo de investigar a segurança do uso da metoclopramida durante a gravidez3 foi realizado um estudo de coorte5 na Dinamarca. A partir de uma coorte6 de 1.222.503 gestações, mulheres expostas e não-expostas à metoclopramida foram pareadas (1:4 ratio) com base na idade, ano civil e escores de propensão.

Os desfechos primários foram as principais malformações4 congênitas7 em geral, vinte categorias de malformações4 individuais, aborto espontâneo e natimorto.

Das 28.486 gestantes expostas à metoclopramida no primeiro trimestre, 721 tiveram uma criança com malformação8 congênita9 (25,3 [IC 95% 23,5-27,1] casos por mil nascimentos), em comparação com 3.024 em 113.698 mulheres não expostas (26,6 [IC 95%; 25,7-27,5] por mil nascimentos). Não houve associação significativa entre o uso de metoclopramida e malformações4 no geral ou para qualquer uma das 20 categorias de malformações4 individuais; por exemplo, defeitos do tubo neural10, transposição dos grandes vasos, defeitos do septo interventricular11, defeito do septo atrial, tetralogia de Fallot, coarctação da aorta12, lábio leporino13, fenda palatina, atresia14/estenose15 anorretal, defeitos de redução de membros (limite superior do IC 95% abaixo de 2,0 para 17 de 20 categorias). A metoclopramida não foi associada ao aumento do risco de aborto espontâneo e de natimortos.

Concluiu-se que o uso de metoclopramida na gravidez3 não foi associado a um risco aumentado de malformações4 congênitas7 em geral ou para qualquer uma das vinte categorias de malformação8 individual avaliada, aborto espontâneo ou natimorto. Estes dados de segurança podem ajudar na tomada de decisão quando o tratamento com a metoclopramida for necessário durante a gravidez3.

Fonte: The Journal of the American Medical Association (JAMA), volume 310, número 15, de 16 de outubro de 2013 

NEWS.MED.BR, 2013. JAMA: uso de metoclopramida parece seguro durante a gravidez em relação ao risco de malformações congênitas, aborto espontâneo e natimortos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/503379/jama-uso-de-metoclopramida-parece-seguro-durante-a-gravidez-em-relacao-ao-risco-de-malformacoes-congenitas-aborto-espontaneo-e-natimortos.htm>. Acesso em: 25 nov. 2020.

Complementos

1 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
2 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
3 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
4 Malformações: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
5 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
6 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
7 Congênitas: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
8 Malformação: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
9 Congênita: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
10 Tubo neural: Estrutura embrionária que dará origem ao cérebro e à medula espinhal. Durante a gestação humana, o tubo neural dá origem a três vesículas: romboencéfalo, mesencéfalo e prosencéfalo.
11 Septo Interventricular: Estrutura muscular que separa as câmaras inferiores direita e esquerda (VENTRÍCULOS DO CORAÇÃO) do coração. O septo interventricular consiste em uma porção membranosa muito pequena, bem abaixo da VÁLVULA AÓRTICA, e uma porção muscular, grande e espessa, consistindo em três seções, incluindo os septos de entrada, trabecular e de saída.
12 Aorta: Principal artéria do organismo. Surge diretamente do ventrículo esquerdo e através de suas ramificações conduz o sangue a todos os órgãos do corpo.
13 Lábio leporino: Alteração congênita na qual existe uma solução de continuidade no palato (céu da boca), que comunica a cavidade oral à nasal. Pode ser total (quando o palato duro, que é ósseo, está envolvido) ou parcial (quando apenas as partes moles, como lábios, gengiva, mucosas estão envolvidas).
14 Atresia: 1. Estreitamento de qualquer canal do corpo. 2. Imperfuração ou oclusão de uma abertura ou canal normal do organismo, como das vias biliares, do meato urinário, da pupila, etc.
15 Estenose: Estreitamento patológico de um conduto, canal ou orifício.
Gostou do artigo? Compartilhe!