Atalho: 6UA55QT
Gostou do artigo? Compartilhe!

BMJ: ácido linoleico pode não ser tão bom para prevenção secundária de doença cardíaca e morte, de acordo com meta-análise de dados do Sydney Diet Heart Study

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Com o objetivo de avaliar a eficácia da substituição de gorduras saturadas1 por gorduras poli-insaturadas na dieta, como pelo ácido linoleico ômega 6, para a prevenção secundária de doença cardíaca coronariana e morte, foi realizada uma meta-análise de dados recuperados do Sidney Diet Heart Study.

Foi realizada uma avaliação de dados recuperados do Sydney Diet Heart Study. A inclusão destes dados recuperados em uma atualização de meta-análise de estudos de intervenção com ácido linoleico mostrou tendências não significativas de aumento do risco de morte por doença cardíaca coronariana e por doença cardiovascular.

Os participantes eram 458 homens, com idade entre 30 e 59 anos, com um evento coronariano recente, que fizeram a substituição de gorduras saturadas1 na dieta (a partir de gorduras animais, margarinas comuns e gorduras hidrogenadas) por ácido linoleico ômega 6 (a partir de óleo de cártamo e margarina poli-insaturada com óleo de cártamo). Os controles não receberam nenhuma instrução específica sobre dieta ou alimentos. Todos os aspectos não alimentares foram avaliados para serem equivalentes em ambos os grupos.

Os resultados medidos foram a mortalidade2 por qualquer causa (resultado primário), a mortalidade2 cardiovascular e a mortalidade2 por doença cardíaca coronariana (desfechos secundários). O grupo de intervenção (n = 221) teve maiores taxas de morte do que o grupo controle (n = 237).

  • Morte por todas as causas: 17,6% versus 11,8%; p=0,05.
  • Mortalidade2 cardiovascular: 17,2% versus 11,0%; p=0,04.
  • Mortalidade2 por doenças coronarianas: 16,3% versus 10,1%; p=0,04.

Os aconselhamentos para substituir gorduras saturadas1 por gorduras poli-insaturadas são um componente chave de todas as orientações alimentares para redução de doença cardíaca. No entanto, os benefícios clínicos do ácido graxo poli-insaturado, como o ácido linoleico ômega 6, ainda não foram estabelecidos. Nesta coorte3, a substituição de gorduras saturadas1 pelo ácido linoleico aumentou as taxas de morte por todas as causas, doença cardíaca coronariana e doença cardiovascular. Uma atualização de meta-análise de estudos de intervenção com ácido linoleico não mostrou nenhuma evidência de benefício cardiovascular. Esses achados podem ter implicações importantes para o aconselhamento dietético mundial.

Fonte: British Medical Journal (BMJ), de 5 de fevereiro de 2013 

NEWS.MED.BR, 2013. BMJ: ácido linoleico pode não ser tão bom para prevenção secundária de doença cardíaca e morte, de acordo com meta-análise de dados do Sydney Diet Heart Study. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/337294/bmj-acido-linoleico-pode-nao-ser-tao-bom-para-prevencao-secundaria-de-doenca-cardiaca-e-morte-de-acordo-com-meta-analise-de-dados-do-sydney-diet-heart-study.htm>. Acesso em: 7 jul. 2020.

Complementos

1 Gorduras saturadas: Elas são encontradas principalmente em produtos de origem animal. Em temperatura ambiente, apresentam-se em estado sólido. Estão nas carnes vermelhas e brancas (principalmente gordura da carne e pele das aves e peixes), leite e seus derivados integrais (manteiga, creme de leite, iogurte, nata) e azeite de dendê.
2 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
3 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
Gostou do artigo? Compartilhe!