Gostou do artigo? Compartilhe!

Cirurgia bariátrica aumenta risco de epilepsia

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A cirurgia bariátrica1 aumentou o risco de epilepsia2, mostrou um estudo canadense retrospectivo3 publicado no jornal científico Neurology.

Durante um acompanhamento mínimo de 3 anos, os pacientes de cirurgia bariátrica1 tiveram um risco 45% maior de desenvolver epilepsia2 em comparação com pessoas que não fizeram cirurgia bariátrica1, relataram Jorge Burneo, MD, da Western University, e colegas.

AVC durante o período de acompanhamento aumentou o risco de epilepsia2 para pacientes4 de cirurgia bariátrica1.

As descobertas ecoaram pesquisas anteriores que mostraram riscos elevados de epilepsia2 e convulsões após a cirurgia de bypass gástrico na Suécia. O estudo sueco sugeriu que “a cirurgia bariátrica1 pode ser um fator de risco5 de epilepsia2 não reconhecido; no entanto, essa possível associação não foi completamente explorada”, observaram Burneo e colegas.

Complicações neurológicas tardias de procedimentos bariátricos – definidas como aquelas que aparecem 3 a 20 meses após a cirurgia – ocorrem em 5% a 16% dos pacientes, eles observaram.

“Nossas descobertas sugerem que a epilepsia2 pode estar entre essas complicações neurológicas de longo prazo; no entanto, o mecanismo ainda não está claro”, escreveram eles.

Leia sobre "Epilepsias - o que são" e "Cirurgia bariátrica1 - o que é isso".

A má absorção pode ser um fator, sugeriram os pesquisadores. “Apesar de limitadas, existem algumas pesquisas que investigam o papel das deficiências de micronutrientes6 na epilepsia”, apontaram.

“Um estudo observou níveis significativamente mais baixos de vitamina7 C, zinco e cobre entre pacientes com epilepsia2 e sem histórico de tratamento com drogas antiepilépticas em relação a controles saudáveis”, continuaram. “Outro estudo de um pequeno número de pacientes com epilepsia2 descobriu que a normalização dos níveis séricos de 25-hidroxi-vitamina7 D reduziu significativamente a frequência média de convulsões em 40%”.

Os objetivos neste novo estudo foram (1) estimar o risco de epilepsia2 após cirurgia bariátrica1 para perda de peso em relação a uma coorte8 não cirúrgica de pacientes com diagnóstico9 de obesidade10 e (2) identificar fatores de risco de epilepsia2 entre os receptores de cirurgia bariátrica1.

Foi realizado um estudo de coorte11 retrospectivo3 de base populacional usando bancos de dados administrativos de saúde12 vinculados em Ontário, Canadá. Os participantes foram acumulados entre 1º de julho de 2010 e 31 de dezembro de 2016 e acompanhados até 31 de dezembro de 2019.

Todos os residentes de Ontário com 18 anos de idade ou mais que fizeram cirurgia bariátrica1 durante o período de acumulação foram elegíveis para inclusão na coorte8 exposta. Pacientes hospitalizados com diagnóstico9 de obesidade10 e que não realizaram cirurgia bariátrica1 durante o período de competência foram elegíveis para inclusão na coorte8 não exposta. Foram excluídos pacientes com histórico de convulsões, epilepsia2, vários fatores de risco para convulsões ou epilepsia2, distúrbios psiquiátricos ou abuso/dependência de drogas ou álcool.

Na análise primária, usou-se a probabilidade inversa de ponderação do tratamento para controlar a confusão. Um modelo de risco proporcional marginal de Cox foi então usado para estimar o risco de epilepsia2 associado à cirurgia bariátrica1. Um modelo de Cox também foi usado para identificar fatores de risco de epilepsia2 entre os participantes expostos.

A amostra final incluiu 16.958 participantes expostos e 622.514 participantes não expostos. Seguindo a probabilidade inversa de ponderação do tratamento, as taxas estimadas de epilepsia2 foram de 50,1 e 34,1 por 100.000 pessoas-ano entre aqueles que fizeram e não fizeram cirurgia bariátrica1, respectivamente.

A taxa de risco para o desenvolvimento de epilepsia2 após a cirurgia bariátrica1 foi de 1,45 (IC 95% = 1,35, 1,56). Entre os participantes que receberam cirurgia bariátrica1, acidente vascular cerebral13 durante o acompanhamento aumentou o risco de epilepsia2 (HR = 14,03, IC 95% = 4,26, 46,25).

Neste estudo, descobriu-se que pacientes com histórico de cirurgia bariátrica1 apresentaram risco aumentado de desenvolver epilepsia2. Esses achados sugerem que a epilepsia2 é um risco a longo prazo associado à cirurgia bariátrica1 para perda de peso.

Veja também sobre "Tipos de Cirurgia Bariátrica1" e "Tratando a obesidade10".

 

Fontes:
Neurology, publicação em 28 de setembro de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 28 de setembro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Cirurgia bariátrica aumenta risco de epilepsia. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1427220/cirurgia-bariatrica-aumenta-risco-de-epilepsia.htm>. Acesso em: 1 dez. 2022.

Complementos

1 Cirurgia Bariátrica:
2 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
3 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
4 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
5 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
6 Micronutrientes: No grupo dos micronutrientes estão as vitaminas e os minerais. Esses nutrientes estão presentes nos alimentos em pequenas quantidades e são indispensáveis para o funcionamento adequado do nosso organismo. Exemplos: cálcio, ferro, sódio, etc.
7 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
8 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
9 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
10 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
11 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
12 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
13 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
Gostou do artigo? Compartilhe!