Gostou do artigo? Compartilhe!

Suplemento oral de um metabólito da cafeína retardou a progressão da miopia infantil

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A ingestão oral de 7-metilxantina (7-MX) foi associada à redução da progressão da miopia1 e do alongamento axial em crianças, de acordo com um estudo retrospectivo2 da Dinamarca, onde esse metabólito3 da cafeína é autorizado para o controle da miopia1.

Ao longo de uma média de 3,6 anos, crianças míopes em um centro de oftalmologia que começaram com um erro refrativo médio na linha de base de -2,43 dioptrias (D) tiveram uma progressão média da miopia1 de 1,34 D com doses variadas de 7-MX, de acordo com achados publicados no British Journal of Ophthalmology.

O tratamento com 7-MX foi associado a reduções significativas na progressão da miopia1 e no alongamento axial.

A modelagem sugeriu que uma criança de 11 anos tomando 1.000 mg de 7-MX diariamente desenvolveria -1,43 D de miopia1 em média ao longo de 6 anos em comparação com os -2,27 D experimentados por um colega não tratado. Os comprimentos axiais aumentariam em 0,84 mm versus 1,01 mm, respectivamente.

Leia sobre "Como é a miopia1" e "Usos e abusos da cafeína".

Acredita-se que o metabólito3 da cafeína funcione aumentando o conteúdo de colágeno4 escleral, o diâmetro das fibrilas de colágeno4 e a espessura da esclera5 posterior, o que pode resultar na casca externa branca do olho6 sendo mais resistente à deformação irreversível da miopia1.

No artigo, os pesquisadores relatam que a miopia1 está associada a um risco aumentado de perda permanente da visão7. O metabólito3 da cafeína 7-metilxantina (7-MX), licenciado na Dinamarca desde 2009 como tratamento para reduzir a taxa de progressão da miopia1 infantil, é a única terapia administrada por via oral disponível. O objetivo do presente estudo foi avaliar a taxa de progressão da miopia1 em crianças que tomam 7-MX.

Os dados de refração cicloplégica longitudinal e comprimento axial de 711 crianças míopes da Dinamarca tratadas com doses variadas de 7-MX oral (0 a 1200 mg por dia) foram analisados usando modelos lineares mistos.

A idade mediana no início do estudo foi de 11,1 anos (variação de 7,0 a 15,0 anos). As crianças foram acompanhadas por uma média de 3,6 anos (intervalo 0,9-9,1 anos) e a progressão média da miopia1 foi de 1,34 dioptrias (D) (intervalo -6,50 a +0,75 D).

O tratamento com 7-MX foi associado a uma taxa reduzida de progressão da miopia1 (p <0,001) e de alongamento axial (p <0,002). A modelagem sugeriu que, em média, uma criança de 11 anos tomando 1000 mg de 7-MX diariamente desenvolveria -1,43 D de miopia1 nos próximos 6 anos, em comparação com -2,27 D se não tratada. O comprimento axial nesta criança aumentaria em 0,84 mm ao longo de 6 anos ao tomar uma dose diária de 1000 mg de 7-MX, em comparação com 1,01 mm se não tratada. Não foram relatados efeitos adversos da terapia com 7-MX.

O estudo concluiu, portanto, que a ingestão oral de 7-metilxantina foi associada à redução da progressão da miopia1 e redução do alongamento axial nesta amostra de crianças míopes da Dinamarca. Ensaios clínicos8 randomizados são necessários para determinar se a associação é causal.

Veja também sobre "Distúrbios de refração dos olhos9" e "Miopia1 degenerativa10".

 

Fontes:
British Journal of Ophthalmology, publicação em 22 de agosto de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 23 de agosto de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Suplemento oral de um metabólito da cafeína retardou a progressão da miopia infantil. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1424945/suplemento-oral-de-um-metabolito-da-cafeina-retardou-a-progressao-da-miopia-infantil.htm>. Acesso em: 5 dez. 2022.

Complementos

1 Miopia: Incapacidade para ver de forma clara objetos que se encontram distantes do olho.Origina-se de uma alteração dos meios de refração do olho, alteração esta que pode ser corrigida com o uso de lentes especiais, e mais recentemente com o uso de cirurgia a laser.
2 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
3 Metabólito: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
4 Colágeno: Principal proteína fibrilar, de função estrutural, presente no tecido conjuntivo de animais.
5 Esclera: Túnica fibrosa, branca e opaca, mais externa do globo ocular, revestindo-o inteiramente com exceção do segmento revestido anteriormente pela córnea. É essencialmente avascular, porém contém aberturas para a passagem de vasos sanguíneos, linfáticos e nervos. Recebe os tendões de inserção dos músculos extraoculares e no nível da junção esclerocorneal contém o seio venoso da esclera. Sinônimos: Esclerótica
6 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
7 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
8 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
9 Olhos:
10 Degenerativa: Relativa a ou que provoca degeneração.
Gostou do artigo? Compartilhe!