Gostou do artigo? Compartilhe!

Terapia digital pode fornecer alívio dos sintomas de zumbido no ouvido

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um aplicativo de telefone celular que combina ruído branco, terapia ativa baseada em jogos e aconselhamento pode ajudar a “reconectar” o cérebro1 para aliviar os sintomas2 do zumbido no ouvido3, ou tinnitus4, sugere uma nova pesquisa.

Em um estudo controlado randomizado5, os resultados em 12 semanas mostraram que pacientes com zumbido relataram reduções clinicamente significativas nas classificações de aborrecimento, incapacidade de ignorar, desconforto e volume após o uso de um protótipo de aplicativo politerapêutico digital que se concentra no alívio, relaxamento e retreinamento focado na atenção.

Além disso, as melhorias para esses pacientes foram significativamente maiores do que para o grupo controle, que utilizaram um aplicativo de ruído branco comum.

Os pesquisadores chamaram os resultados de “promissores” para uma condição que não tem cura e há poucos tratamentos bem-sucedidos.

Saiba mais sobre "Zumbido no ouvido3 ou tinnitus4" e "Deficiência auditiva".

“O que essa terapia faz é essencialmente reconectar o cérebro1 de uma maneira que reduz a ênfase do som do zumbido a um ruído de fundo que não tem significado ou relevância para o ouvinte”, o autor principal Grant Searchfield, PhD, professor associado de audiologia6 da Universidade de Auckland, na Nova Zelândia, disse em um comunicado à imprensa.

Os resultados foram publicados na revista científica Frontiers in Neurology. O estudo controlado, randomizado5 e simples-cego testou a hipótese de que um protótipo terapêutico digital desenvolvido para fornecer aconselhamento baseado em objetivos com terapia sonora personalizada passiva e ativa baseada em jogos forneceria resultados superiores para o zumbido e usabilidade semelhante a um aplicativo popular de terapia sonora passiva em um período experimental de 12 semanas.

A terapêutica7 digital consistiu em um aplicativo para smartphone (chamado aqui de UpSilent [USL]), fones de ouvido de condução óssea Bluetooth, alto-falante de travesseiro de pescoço8 e um painel clínico baseado em nuvem para permitir a personalização de mensagens e do aplicativo. O aplicativo de controle era um aplicativo popular de terapia de som passiva de autoajuda chamado White Noise Lite (WN).

O desfecho primário foi uma mudança clinicamente significativa no Índice Funcional do Zumbido (TFI, do inglês Tinnitus4 Functional Index) entre a linha de base e 12 semanas de terapia. As medidas secundárias do zumbido foram a pontuação total do TFI e as subescalas entre as sessões, escalas de avaliação e a Escala de Melhoria do Zumbido Orientada ao Cliente (COSIT).

A usabilidade das intervenções com USL e WN foi avaliada por meio da Escala de Usabilidade do Sistema (EUS) e do Questionário de Usabilidade de Aplicativos mHealth (QUAM). Noventa e oito participantes que eram usuários de aplicativos de smartphone e tinham zumbido crônico9 moderado-grave (>6 meses, pontuação do TFI >40) foram inscritos e alocados aleatoriamente para um dos grupos de intervenção. Trinta e um participantes no grupo USL e 30 no grupo WN completaram as 12 semanas do ensaio.

As alterações médias no TFI para o grupo do USL em 6 (16,36, DP 17,96) e 12 semanas (17,83 pontos, DP 19,87) foram clinicamente significativas (>13 pontos de redução); a alteração média nas pontuações para o WN não foi clinicamente significativa (6 semanas 10,77, DP 18,53; 12 semanas 10,12 pontos, DP 21,36).

Uma proporção estatisticamente maior de participantes do grupo USL alcançou mudança significativa no TFI em 6 semanas (55%) e 12 semanas (65%) do que o grupo WN em 6 semanas (33%) e 12 semanas (43%).

As pontuações médias no TFI, nas escalas de avaliação e na COSIT favoreceram o grupo do USL, mas não foram estatisticamente diferentes do WN. As medidas de usabilidade foram semelhantes para ambos os grupos.

O grupo do aplicativo UpSilent demonstrou maior proporção de respondedores do que o grupo do aplicativo popular White Noise Lite. A usabilidade da terapêutica7 do USL foi semelhante ao aplicativo WN estabelecido. No geral, o politerapêutico digital demonstrou benefício significativo na redução do zumbido, apoiando seu maior desenvolvimento.

Leia sobre "Estresse" e "Surdez: como é".

 

Fontes:
Frontiers in Neurology, publicação em 05 de agosto de 2022.
Medscape, notícia publicada em 18 de agosto de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Terapia digital pode fornecer alívio dos sintomas de zumbido no ouvido. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1424020/terapia-digital-pode-fornecer-alivio-dos-sintomas-de-zumbido-no-ouvido.htm>. Acesso em: 2 out. 2022.

Complementos

1 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
2 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
3 Zumbido no ouvido: Pode ser descrito como um som parecido com campainhas no ouvido ou outros barulhos dentro da cabeça que são percebidos na ausência de qualquer fonte de barulho externa.
4 Tinnitus: Pode ser descrito como um som parecido com campainhas no ouvido ou outros barulhos dentro da cabeça que são percebidos na ausência de qualquer fonte de barulho externa.
5 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
6 Audiologia: É o ramo da ciência que estuda a audição e as doenças que a afetam.
7 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
8 Pescoço:
9 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.

Artigos selecionados

Gostou do artigo? Compartilhe!