Gostou do artigo? Compartilhe!

Lente de contato inteligente para glaucoma pode liberar medicamentos quando necessário

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um dispositivo de lente de contato sem fio pode ajudar a tratar a condição ocular glaucoma1, monitorando o acúmulo de pressão dentro do olho2 e fornecendo medicamentos automaticamente quando ela aumenta muito. A descoberta foi publicada na revista Nature Communications.

O glaucoma1 afeta cerca de 80 milhões de pessoas em todo o mundo, de acordo com algumas estimativas, e é causado pela drenagem3 insuficiente de líquido do olho2, o que eleva a pressão ocular e pode danificar o nervo óptico que transmite sinais4 visuais ao cérebro5.

A condição é comumente tratada com medicamentos que ajudam a drenar o excesso de líquido do olho2, administrados na forma de colírios. Mas as pessoas podem não cumprir seu cronograma de tratamento, de acordo com Xi Xie da Universidade Sun Yat-Sen em Guangzhou, China, e seus colegas.

Eles projetaram um protótipo de dispositivo de lente de contato que pode detectar a pressão ocular e liberar medicamentos para glaucoma1 quando necessário. A camada externa da lente tem seis pequenas placas6 de cobre dispostas em um anel ao redor da pupila que detectam a deformação ocular causada pelo aumento da pressão ocular.

Uma antena colocada perto do olho2 transmite os dados para um computador próximo. A camada interna da lente – em contato com a região da córnea7 do olho2 – é carregada com um medicamento redutor de pressão chamado brimonidina, que pode ser liberado quando a lente recebe um sinal8 do computador através da antena.

Leia sobre "O que é glaucoma1", "Hipertensão9 intraocular" e "Tonometria: como é realizada".

Os pesquisadores testaram suas lentes em coelhos sem glaucoma1. Eles demonstraram pela primeira vez que o dispositivo poderia monitorar a pressão ocular nos animais e transmitir os dados de forma sem fio para o computador externo. Em seguida, eles usaram o computador para transmitir sem fio um sinal8 para a lente de contato que desencadeou a liberação de brimonidina.

Ao rastrear os coelhos, eles descobriram que a pressão ocular dos animais diminuiu cerca de um terço após 30 minutos e mais de 40% após 2 horas, em média.

“A realização dessa tecnologia para uso em locais de atendimento pode revolucionar a vida de milhões de pacientes com glaucoma”, disse Ali Yetisen, do Imperial College London. “Seria uma adição maravilhosa às ferramentas do oftalmologista10.”

No entanto, mais estudos serão necessários para avaliar o quão bem o dispositivo funciona em humanos.

No artigo publicado, os pesquisadores descrevem o desenvolvimento da lente de contato teranóstica sem fio inteligente para detecção elétrica e regulação da pressão intraocular11.

Segundo eles, a engenharia de dispositivos vestíveis que podem rastrear a pressão intraocular11 sem fio e oferecer administrações de medicamentos por feedback é altamente desejável para o tratamento do glaucoma1, mas permanece desafiadora devido a problemas de tamanhos limitados, operações sem fio e acoplamento cruzado sem fio.

Neste estudo, eles apresentaram uma lente de contato teranóstica sem fio integrada para detecção elétrica in situ12 da pressão intraocular11 e administração de medicamentos anti-glaucoma1 sob demanda.

A lente de contato teranóstica sem fio utiliza um design estrutural altamente compacto, que permite integração de alto grau e separação de frequência na superfície curva e limitada da lente de contato.

O módulo de detecção de pressão intraocular11 sem fio pode detectar de forma ultrassensível as flutuações da pressão intraocular11, devido ao design exclusivo de configuração cantilever do circuito de detecção capacitivo.

O módulo de entrega de medicamento emprega um circuito de transferência de energia sem fio eficiente, para acionar a entrega de medicamento anti-glaucoma1 na câmara aquosa via iontoforese.

Os recursos minimamente invasivos, inteligentes, sem fio e teranósticos conferem à lente de contato teranóstica sem fio um sistema altamente promissor para tratamentos de glaucoma1.

Veja também sobre "Lentes de contato - o que saber sobre elas" e "Deficiência visual".

 

Fontes:
Nature Communications, publicação em 17 de maio de 2022.
New Scientist, notícia publicada em 17 de maio de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Lente de contato inteligente para glaucoma pode liberar medicamentos quando necessário. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1418430/lente-de-contato-inteligente-para-glaucoma-pode-liberar-medicamentos-quando-necessario.htm>. Acesso em: 27 set. 2022.

Complementos

1 Glaucoma: É quando há aumento da pressão intra-ocular e danos ao nervo óptico decorrentes desse aumento de pressão. Esses danos se expressam no exame de fundo de olho e por alterações no campo de visão.
2 Olho: s. m. (fr. oeil; ing. eye). Órgão da visão, constituído pelo globo ocular (V. este termo) e pelos diversos meios que este encerra. Está situado na órbita e ligado ao cérebro pelo nervo óptico. V. ocular, oftalm-. Sinônimos: Olhos
3 Drenagem: Saída ou retirada de material líquido (sangue, pus, soro), de forma espontânea ou através de um tubo colocado no interior da cavidade afetada (dreno).
4 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
5 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
6 Placas: 1. Lesões achatadas, semelhantes à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
7 Córnea: Membrana fibrosa e transparente presa à esclera, constituindo a parte anterior do olho.
8 Sinal: 1. É uma alteração percebida ou medida por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida. 2. Som ou gesto que indica algo, indício. 3. Dinheiro que se dá para garantir um contrato.
9 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
10 Oftalmologista: Médico especializado em diagnosticar e tratar as doenças que acometem os olhos. Podem prescrever óculos de grau e lentes de contato.
11 Pressão intraocular: É a medida da pressão dos olhos. É a pressão do líquido dentro do olho.
12 In situ: Mesmo que in loco , ou seja, que está em seu lugar natural ou normal (diz-se de estrutura ou órgão). Em oncologia, é o que permanece confinado ao local de origem, sem invadir os tecidos vizinhos (diz-se de tumor).
Gostou do artigo? Compartilhe!