Gostou do artigo? Compartilhe!

Dieta vegetariana na primeira infância: não foram encontradas diferenças no crescimento ou em medidas bioquímicas de nutrição

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O objetivo principal deste estudo, publicado na revista científica Pediatrics, foi examinar as relações entre dieta vegetariana e crescimento, reservas de micronutrientes1 e lipídios séricos entre crianças saudáveis. Os objetivos secundários incluíram explorar se o consumo de leite de vaca ou a idade modificavam essas relações.

Foi realizado um estudo de coorte2 longitudinal de crianças de 6 meses a 8 anos que participaram do estudo de coorte2 TARGet Kids!. A modelagem linear de efeito misto foi usada para avaliar as relações entre dieta vegetariana e z-score de IMC3 (zIMC), z-score de altura para idade, ferritina sérica, 25-hidroxivitamina D e lipídios séricos.

A modelagem de equações de estimativa generalizada foi usada para explorar as categorias de status de peso. A possível modificação do efeito por idade e consumo de leite de vaca foi examinada.

Um total de 8.907 crianças, incluindo 248 vegetarianas na linha de base, participaram. A média de idade no início do estudo foi de 2,2 anos (DP 1,5). Não houve evidência de associação entre dieta vegetariana e zIMC, z-escore de altura para idade, ferritina sérica, 25-hidroxivitamina D ou lipídios séricos.

Crianças com dieta vegetariana tiveram maiores chances de baixo peso (zIMC <-2) (odds ratio 1,87, intervalo de confiança de 95% 1,19 a 2,96; P = 0,007), mas nenhuma associação com sobrepeso4 ou obesidade5 foi encontrada.

O consumo de leite de vaca foi associado a maior colesterol6 de lipoproteína de não alta densidade (P = 0,03), colesterol6 total (P = 0,04) e colesterol6 de lipoproteína de baixa densidade (P = 0,02) entre crianças com dieta vegetariana. No entanto, crianças com e sem dieta vegetariana que consumiram as 2 xícaras recomendadas de leite de vaca por dia apresentaram lipídios séricos semelhantes.

O estudo concluiu que não foram encontradas evidências de diferenças clinicamente significativas no crescimento ou medidas bioquímicas de nutrição7 para crianças com dieta vegetariana. No entanto, a dieta vegetariana foi associada a maiores chances de baixo peso.

Leia sobre "Crescimento Infantil8", "Dieta vegana: como é", "Alimentação infantil" e "Criança fora do peso ideal - o que fazer".

 

Fonte: Pediatrics, publicação em 02 de maio de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Dieta vegetariana na primeira infância: não foram encontradas diferenças no crescimento ou em medidas bioquímicas de nutrição. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1416830/dieta-vegetariana-na-primeira-infancia-nao-foram-encontradas-diferencas-no-crescimento-ou-em-medidas-bioquimicas-de-nutricao.htm>. Acesso em: 2 jul. 2022.

Complementos

1 Micronutrientes: No grupo dos micronutrientes estão as vitaminas e os minerais. Esses nutrientes estão presentes nos alimentos em pequenas quantidades e são indispensáveis para o funcionamento adequado do nosso organismo. Exemplos: cálcio, ferro, sódio, etc.
2 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
3 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
4 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
5 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
6 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
7 Nutrição: Incorporação de vitaminas, minerais, proteínas, lipídios, carboidratos, oligoelementos, etc. indispensáveis para o desenvolvimento e manutenção de um indivíduo normal.
8 Crescimento Infantil: Aumento na estrutura do corpo, tendo em vista a multiplicação e o aumento do tamanho das células. Controla-se principalmente o peso corporal, a estatura e o perímetro cefálico, com o objetivo de saber o quanto a criança ganhou ou perdeu em determinados intervalos de tempo e tendo por base um acompanhamento a longo prazo, através de anotações em gráficos ou curvas de crescimento. O pediatra precisa conhecer e analisar vários fatores referentes à criança e a sua família, como o peso e a altura dos pais, o padrão de crescimento deles, os dados da gestação, o peso e a estatura ao nascimento e a alimentação do bebê para avaliar a situação do crescimento de determinada criança. Não é simplesmente consultar gráficos. Somente o médico da criança pode avaliar seu crescimento. Uma criança pode estar fora da “faixa mais comum de referência“ e, ainda assim, ter um crescimento normal.
Gostou do artigo? Compartilhe!