Gostou do artigo? Compartilhe!

SCAI divulga declaração atualizada de classificação de estágio de choque

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A Society for Cardiovascular Angiography and Interventions (SCAI) divulgou uma declaração de consenso atualizada para a classificação do choque1 cardiogênico.

Lançada em 31 de janeiro, a declaração fornece um modelo de 3 eixos para classificação de choque1 e representa a primeira atualização desde que a declaração original foi lançada em 2019.

O documento foi publicado no periódico próprio da sociedade, Journal of the Society for Cardiovascular Angiography & Interventions, e recebeu o endosso de várias outras organizações, incluindo o American College of Cardiology, American College of Emergency Physicians, American Heart Association, European Society of Cardiology e muito mais.

“A nova definição atualizada é mais fácil de usar, com tabelas que eliminaram variáveis relativamente desnecessárias e destacaram as mais comumente presentes em cada estágio de choque1, um modificador de parada cardíaca mais útil e um modelo de 3 eixos que contextualiza os estágios de choque1 de outras variáveis que precisam ser consideradas para o paciente à sua frente”, disse o presidente do grupo de redação Srihari S. Naidu, MD, diretor do Laboratório de Cateterismo2 Cardíaco do Westchester Medical Center e administrador da SCAI, em um comunicado da soceidade.

Leia sobre "Choque1 cardiogênico" e "Hemodinâmica3 - o que ela estuda e quando deve ser feita".

Desde o lançamento da declaração original em 2019, novos estudos foram adicionados à base de conhecimento existente relacionada ao manejo e resultados de pacientes com choque1 cardiogênico. Redigida por Naidu e uma equipe de 15 coautores, a declaração atualizada tem 11 páginas e cita 34 documentos de referência.

Com o objetivo de aprimorar o modelo de classificação, os autores incorporaram um modelo mais abrangente, alavancando dados relacionados a preditores de mortalidade4 e fatores de risco não modificáveis. Os autores também pretendiam fornecer mais granularidade aos modificadores de parada cardíaca e aos domínios constituintes da classificação, bem como permitir gradações de risco dentro de cada estágio de choque1 da SCAI.

“A parada cardíaca continua sendo um importante preditor de mortalidade4 em pacientes com choque1 cardiogênico, mas esclarecemos que o risco está em pacientes com status neurogênico incerto”, disse o vice-presidente Timothy Henry, MD, presidente da SCAI.

A introdução da declaração afirma que, desde o seu desenvolvimento e lançamento em 2019, a classificação do estágio de choque1 da Society for Cardiovascular Angiography and Interventions (SCAI) para pacientes5 adultos tem sido amplamente citada e cada vez mais incorporada, devido à sua simplicidade em todos os ambientes clínicos, estrutura de fácil compreensão e visualização e notável endosso por sociedades e organizações relevantes que gerenciam choque1 cardiogênico (CC).

Estudos de validação posteriores ao longo dos 2 anos subsequentes documentaram sua facilidade e rapidez de uso, bem como sua capacidade de discriminar significativamente o risco do paciente em todo o espectro de CC, incluindo vários fenótipos, apresentações e configurações de cuidados de saúde6.

No entanto, várias áreas de potencial refinamento foram identificadas para tornar o esquema de classificação mais aplicável em todas as configurações e pontos de tempo clínicos, uma vez que os dados dos estudos de validação forneceram informações úteis não disponíveis anteriormente que poderiam servir para refinar significativamente a classificação.

Com esse histórico, um grupo de redação de consenso de especialistas clínicos de todas as partes interessadas relevantes foi convocado novamente para reavaliar e refinar a classificação do estágio de choque1 SCAI com base na literatura existente e no feedback clínico da experiência do mundo real.

Principais pontos de resumo

  1. O estágio de choque1 SCAI é um indicador da gravidade do choque1 e compreende um componente da predição do risco de mortalidade4 em pacientes com CC, juntamente com a etiologia7/fenótipo8 e outros modificadores de risco; um modelo de 3 eixos de estratificação de risco em CC foi proposto para posicionar o estágio de choque1 SCAI no contexto.
  2. Os estudos de validação destacaram a correlação do estágio de choque1 SCAI com a mortalidade4 em todos os subgrupos clínicos, incluindo CC com e sem síndrome9 coronariana aguda (SCA), pacientes em unidade de terapia intensiva10 (UTI) cardíaca e pacientes se apresentando com parada cardíaca extra-hospitalar (PCEH).
  3. A progressão na sequência do estágio de choque1 SCAI é um processo dinâmico, incorporando novas informações conforme disponíveis, e as trajetórias dos pacientes são importantes tanto para a comunicação entre os médicos quanto para a tomada de decisões sobre o próximo nível de atendimento e terapêutica11.
  4. Foi proposto um modelo hub and spoke para a transferência de pacientes de alto risco, incluindo aqueles com deterioração do estágio de choque1 SCAI.
  5. A parada cardíaca (PC) aqui descrita refere-se àquela acompanhada de coma12, definida como a incapacidade de responder a estímulos verbais, mais comumente associada à Escala de Coma12 de Glasgow <9, onde há preocupação com lesão13 cerebral anóxica significativa.
  6. A pirâmide de choque1 SCAI e a figura associada agora refletem gradações de gravidade dentro de cada estágio e caminhos pelos quais os pacientes progridem ou se recuperam.
  7. Também é fornecida uma tabela simplificada que incorpora as variáveis mais comumente observadas e a definição revisada do modificador de PC, que incorpora as lições aprendidas com os estudos de validação e a experiência dos clínicos.
  8. O nível e os limiares de lactato14 têm sido destacados para detectar hipoperfusão, mas podem estar dissociados da hemodinâmica3 em casos como insuficiência cardíaca15 (IC) crônica. Além disso, os pacientes podem demonstrar outras manifestações de hipoperfusão de órgãos-alvo com um nível de lactato14 normal, e também existem causas importantes de um nível de lactato14 elevado além do choque1.
Veja também sobre "Parada cardíaca", "Doenças cardiovasculares16" e "Estado de coma17".

Tabela de classificação de choque1 SCAI atualizada

 

» Leia aqui a declaração na íntegra

 

Fontes:
Journal of the Society for Cardiovascular Angiography & Interventions, Vol. 1, Nº 1, em janeiro de 2022.
Practical Cardiology, notícia publicada em 01 de fevereiro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. SCAI divulga declaração atualizada de classificação de estágio de choque. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1410240/scai-divulga-declaracao-atualizada-de-classificacao-de-estagio-de-choque.htm>. Acesso em: 10 dez. 2022.

Complementos

1 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
2 Cateterismo: Exame invasivo de artérias ou estruturas tubulares (uretra, ureteres, etc.), utilizando um dispositivo interno, capaz de injetar substâncias de contraste ou realizar procedimentos corretivos.
3 Hemodinâmica: Ramo da fisiologia que estuda as leis reguladoras da circulação do sangue nos vasos sanguíneos tais como velocidade, pressão etc.
4 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
5 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
6 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
7 Etiologia: 1. Ramo do conhecimento cujo objeto é a pesquisa e a determinação das causas e origens de um determinado fenômeno. 2. Estudo das causas das doenças.
8 Fenótipo: Características apresentadas por um indivíduo sejam elas morfológicas, fisiológicas ou comportamentais. Também fazem parte do fenótipo as características microscópicas e de natureza bioquímica, que necessitam de testes especiais para a sua identificação, como, por exemplo, o tipo sanguíneo do indivíduo.
9 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
10 Terapia intensiva: Tratamento para diabetes no qual os níveis de glicose são mantidos o mais próximo do normal possível através de injeções freqüentes ou uso de bomba de insulina, planejamento das refeições, ajuste em medicamentos hipoglicemiantes e exercícios baseados nos resultados de testes de glicose além de contatos freqüentes entre o diabético e o profissional de saúde.
11 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
12 Coma: 1. Alteração do estado normal de consciência caracterizado pela falta de abertura ocular e diminuição ou ausência de resposta a estímulos externos. Pode ser reversível ou evoluir para a morte. 2. Presente do subjuntivo ou imperativo do verbo “comer.“
13 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
14 Lactato: Sal ou éster do ácido láctico ou ânion dele derivado.
15 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
16 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
17 Estado de coma: Alteração do estado normal de consciência caracterizado pela falta de abertura ocular e diminuição ou ausência de resposta a estímulos externos. Pode ser reversível ou evoluir para a morte.
Gostou do artigo? Compartilhe!