Gostou do artigo? Compartilhe!

Novo regime de quimioimunoterapia impressiona no neuroblastoma pediátrico

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A adição de um novo anticorpo1 anti-GD2 (hu14.18K322A) à quimioterapia2 de indução para crianças com neuroblastoma de alto risco recém-diagnosticado produziu resultados de sobrevida3 impressionantes e respostas precoces melhoradas em relação aos pontos de referência históricos, relataram os pesquisadores.

Em um estudo de fase II de braço único, a taxa de sobrevida3 livre de eventos (SLE) em 3 anos atingiu 73,7% entre os pacientes avaliáveis, enquanto a sobrevida3 global foi de 86,0%, de acordo com Wayne L. Furman, MD, do St. Jude Children's Research Hospital em Memphis, Tennessee.

Essas descobertas foram acompanhadas por resultados que mostraram resposta em dois terços dos pacientes após os dois primeiros ciclos de quimioimunoterapia, uma melhora significativa quando comparada com um grupo histórico de crianças tratadas apenas com quimioterapia2 idêntica, afirmaram no Journal of Clinical Oncology.

Leia sobre "Neuroblastoma", "Câncer4 infantil" e "Distinção entre tumores benignos e malignos".

Os resultados de sobrevivência5 foram “quase inacreditáveis”, disse Furman ao MedPage Today. “Venho fazendo isso há quase 40 anos e nunca vi nada parecido. As primeiras pistas foram as primeiras respostas. As varreduras MIBG dessas crianças – que é a varredura mais sensível para esse tumor6 – limparam em muitos pacientes muito cedo.”

“Mas isso não significa nada se o tumor6 ainda voltar”, acrescentou. “E, até agora, essa SLE está segurando.”

Enquanto os pesquisadores reconheceram que os dados de SLE vieram de uma pequena amostra de apenas 63 pacientes avaliáveis, eles disseram que se comparam favoravelmente com estudos recentes, que demonstraram taxas de SLE de 3 anos variando de 32% a 55,6% nesta população.

No estudo, os pesquisadores avaliaram se a combinação de um anticorpo1 monoclonal anti-disialogangliosídeo humanizado (hu14.18K322A) ao longo da terapia melhora a resposta precoce e os resultados em crianças com neuroblastoma de alto risco recém-diagnosticado.

Foi conduzido um ensaio clínico prospectivo7, de braço único, de três estágios, de fase II. Seis ciclos de quimioterapia2 de indução foram coadministrados com hu14.18K322A, fator estimulador de colônias de granulócitos8 macrófagos9 (GM-CSF) e interleucina-2 de baixa dosagem (IL-2). O regime de consolidação incluiu bussulfano e melfalano.

Quando disponível, um ciclo adicional de células10 assassinas naturais derivadas dos pais com hu14.18K322A foi administrado durante a consolidação (n = 31). A radioterapia11 foi administrada no final da consolidação. O tratamento de pós-consolidação incluiu hu14.18K322A, GM-CSF, IL-2 e isotretinoína.

A resposta precoce foi avaliada após os primeiros dois ciclos de terapia de indução. Resposta do final da indução, sobrevida3 livre de eventos (SLE) e sobrevida3 geral (SG) foram avaliadas.

Sessenta e quatro pacientes receberam hu14.18K322A com quimioterapia2 de indução. Este regime foi bem tolerado, com narcóticos em infusão contínua. Respostas parciais (RPs) ou melhores após os dois primeiros ciclos de quimioimunoterapia ocorreram em 42 de 63 pacientes avaliáveis ​​(66,7%; IC 95%, 55,0 a 78,3).

O volume do tumor6 primário diminuiu em uma mediana de 75% (variação, 100% [desaparecimento completo] -5% de crescimento). Os níveis séricos de pico medianos de hu14.18K322A no ciclo 1 se correlacionaram com a resposta inicial à terapia (P = 0,0154, teste t unilateral).

Sessenta de 62 pacientes (97%) tiveram uma resposta parcial ou melhor ao final da indução. Nenhum paciente apresentou doença progressiva durante a indução. A SLE de 3 anos foi de 73,7% (IC 95%, 60,0 a 83,4), e a SG foi de 86,0% (IC 95%, 73,8 a 92,8), respectivamente.

O estudo concluiu que adicionar hu14.18K322A à quimioterapia2 de indução melhorou as respostas objetivas iniciais, reduziu significativamente os volumes do tumor6 na maioria dos pacientes, melhorou as taxas de resposta ao final da indução e produziu uma sobrevida3 livre de eventos de 3 anos encorajadora.

Esses resultados, se validados em um estudo maior, podem mudar a prática atual.

Veja também sobre "Quimioterapia2", "Imunoterapia" e "Radioterapia11".

 

Fontes:
Journal of Clinical Oncology, publicação em 06 de dezembro de 2021.
MedPage Today, notícia publicada em 06 de dezembro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Novo regime de quimioimunoterapia impressiona no neuroblastoma pediátrico. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1407080/novo-regime-de-quimioimunoterapia-impressiona-no-neuroblastoma-pediatrico.htm>. Acesso em: 23 jan. 2022.

Complementos

1 Anticorpo: Proteína circulante liberada pelos linfócitos em reação à presença no organismo de uma substância estranha (antígeno).
2 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
3 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
4 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
5 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
6 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
7 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
8 Granulócitos: Leucócitos que apresentam muitos grânulos no citoplasma. São divididos em três grupos, conforme as características (neutrofílicas, eosinofílicas e basofílicas) de coloração destes grânulos. São granulócitos maduros os NEUTRÓFILOS, EOSINÓFILOS e BASÓFILOS.
9 Macrófagos: É uma célula grande, derivada do monócito do sangue. Ela tem a função de englobar e destruir, por fagocitose, corpos estranhos e volumosos.
10 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
11 Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.
Gostou do artigo? Compartilhe!