Gostou do artigo? Compartilhe!

Uso de estimulantes foi associado a um aumento de 40% nos eventos cardiovasculares entre idosos em 30 dias após o início do uso

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O uso de estimulantes prescritos está associado a um risco aumentado de eventos cardiovasculares (CV) entre adultos com 66 anos ou mais?

O uso de estimulantes continua a aumentar entre os idosos para uma variedade de indicações. Uma associação entre o uso de estimulantes e o aumento do risco de eventos cardiovasculares (CV) foi estabelecida entre crianças e adultos jovens, mas poucos estudos exploraram o risco de eventos CV entre pacientes mais velhos, um grupo com risco basal aumentado.

O objetivo deste estudo, publicado no JAMA Network Open, foi avaliar a associação entre o uso de estimulantes e o risco de eventos CV em idosos.

Leia sobre "Doenças cardiovasculares1" e "Usos e abusos da cafeína".

Este estudo de coorte2 pareado por escore de propensão, com 4 não usuários por 1 usuário, foi conduzido de 1º de julho de 2017 a 27 de junho de 2019, usando dados de bancos de dados de saúde3 de base populacional de Ontário, Canadá, de 1º de janeiro de 2002 a 31 de dezembro de 2016. Os indivíduos incluídos eram pacientes ambulatoriais com 66 anos ou mais.

A exposição do estudo foi a iniciação de um estimulante prescrito.

O desfecho primário foi um evento CV, definido como um composto de visita ao departamento de emergência4 ou hospitalização por infarto do miocárdio5, acidente vascular cerebral6 ou ataque isquêmico7 transitório (AIT) ou arritmia8 ventricular. O risco de evento CV foi avaliado em 30 dias, 180 dias e 365 dias após o início de estimulantes a partir de modelos de risco proporcional de Cox. Uma análise secundária avaliou cada componente do resultado primário separadamente.

Entre 6.457 idosos que iniciaram um estimulante prescrito (ou seja, o grupo exposto) e 24.853 idosos que não iniciaram esse tratamento (ou seja, o grupo não exposto), a distribuição das características basais do paciente foi bem equilibrada após a correspondência (sexo: 3.173 [49,1%] homens vs 12.112 [48,7%] homens; diferença padronizada, 0,01; idade mediana [IQR]: 74 [69-80] anos vs 74 [69-80] anos; diferença padronizada, 0,01).

Dentro desta coorte9, houve 932 eventos CV durante o acompanhamento de 365 dias (5,11 eventos por 100 pessoas-ano entre indivíduos que iniciaram estimulantes).

Na análise primária, a iniciação do estimulante foi associada a um risco aumentado de eventos CV em 30 dias (razão de risco [HR], 1,4; IC de 95%, 1,1-1,8), mas não em 180 dias (HR, 1,2; IC de 95%, 0,9-1,6) ou 365 dias (HR, 1,0; IC de 95%, 0,6 a 1,8).

Na análise secundária, a iniciação do estimulante foi associada com risco aumentado de arritmias10 ventriculares (HR, 3,0; IC de 95%, 1,1-8,7) e acidente vascular cerebral6 ou AIT (HR, 1,6; IC de 95%, 1,1-2,1) em 30 dias.

Este estudo de coorte2 descobriu que o uso de estimulantes foi associado a um aumento de 40% nos eventos cardiovasculares entre idosos em 30 dias após o início do uso. O risco atenuou ao longo do tempo, sem associação com risco aumentado em 180 dias ou 365 dias após o início.

Esses achados sugerem que considerações de segurança devem ser incluídas quando estimulantes são prescritos para idosos.

Veja também sobre "Arritmia8 cardíaca", "Acidente Vascular Cerebral6" e "Sete passos para um coração11 saudável".

 

Fonte: JAMA Network Open, publicação em 25 de outubro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Uso de estimulantes foi associado a um aumento de 40% nos eventos cardiovasculares entre idosos em 30 dias após o início do uso. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1404860/uso-de-estimulantes-foi-associado-a-um-aumento-de-40-nos-eventos-cardiovasculares-entre-idosos-em-30-dias-apos-o-inicio-do-uso.htm>. Acesso em: 27 nov. 2021.

Complementos

1 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
2 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
5 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
6 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
7 Isquêmico: Relativo à ou provocado pela isquemia, que é a diminuição ou suspensão da irrigação sanguínea, numa parte do organismo, ocasionada por obstrução arterial ou por vasoconstrição.
8 Arritmia: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
9 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
10 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
11 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
Gostou do artigo? Compartilhe!