Gostou do artigo? Compartilhe!

Em diabéticos, a iniciação de terapia com estatinas foi associada à progressão do diabetes

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A terapia com estatinas foi associada ao aumento da resistência à insulina1; no entanto, suas implicações clínicas para o controle do diabetes2 entre pacientes diabéticos são desconhecidas.

O objetivo deste estudo, publicado no JAMA Internal Medicine, foi avaliar a progressão do diabetes2 após o início do uso de estatinas em pacientes com diabetes2.

Este foi um estudo retrospectivo3 de coorte4 pareada usando designs de novos usuários e comparadores ativos para avaliar associações entre o início das estatinas e a progressão do diabetes2 em uma coorte4 nacional de pacientes coberta pelo US Department of Veterans Affairs nos anos fiscais de 2003-2015.

Leia sobre "Estatinas: prós e contras" e "Hipersensibilidade ao açúcar5, intolerância ao açúcar5 e resistência à insulina1".

Os pacientes incluídos tinham 30 anos ou mais; foram diagnosticados com diabetes2 durante o período do estudo; e eram usuários regulares do sistema de saúde6 Veterans Affairs, com registros de informações demográficas, encontros clínicos, sinais vitais7, dados laboratoriais e uso de medicamentos.

A intervenção do estudo foi o início do tratamento com estatinas (usuários de estatinas) ou com bloqueadores H2 ou inibidores da bomba de prótons (comparadores ativos).

O resultado composto da progressão do diabetes2 compreendeu o seguinte: nova iniciação de insulina8, aumento no número de classes de medicamentos para redução da glicose9, incidência10 de 5 ou mais medições de glicose9 no sangue11 de 200 mg/dL12 ou mais, ou um novo diagnóstico13 de cetoacidose ou diabetes2 não controlada.

Dos 705.774 pacientes elegíveis, combinou-se 83.022 pares de usuários de estatina e comparadores ativos; a coorte4 pareada tinha uma idade média (DP) de 60,1 (11,6) anos; 78.712 (94,9%) eram homens; 1.715 (2,1%) eram índios americanos / das Ilhas do Pacífico / nativos do Alasca, 570 (0,8%) eram asiáticos, 17.890 (21,5%) eram negros e 56.633 (68,2%) eram brancos.

O resultado da progressão do diabetes2 ocorreu em 55,9% dos usuários de estatina vs 48,0% dos comparadores ativos (odds ratio, 1,37; IC 95%, 1,35-1,40; P <0,001).

Cada componente individual do resultado composto foi significativamente maior entre os usuários de estatina. A análise secundária demonstrou uma relação dose-resposta com uma maior intensidade de redução do colesterol14 de lipoproteína de baixa densidade associada a uma maior progressão do diabetes2.

Este estudo retrospectivo3 de coorte4 combinada descobriu que o uso de estatina estava associado à progressão do diabetes2, incluindo maior probabilidade de início do tratamento com insulina8, hiperglicemia15 significativa, complicações glicêmicas agudas e um número aumentado de prescrições para classes de medicamentos para redução da glicose9.

A relação risco-benefício do uso de estatinas em pacientes com diabetes2 deve levar em consideração seus efeitos metabólicos.

Veja também sobre "Opções de tratamentos para o diabetes2", "Complicações do diabetes16" e "Colesterol14 Alto".

 

Fonte: JAMA Internal Medicine, publicação em 04 de outubro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Em diabéticos, a iniciação de terapia com estatinas foi associada à progressão do diabetes. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1403880/em-diabeticos-a-iniciacao-de-terapia-com-estatinas-foi-associada-a-progressao-do-diabetes.htm>. Acesso em: 27 nov. 2021.

Complementos

1 Resistência à insulina: Inabilidade do corpo para responder e usar a insulina produzida. A resistência à insulina pode estar relacionada à obesidade, hipertensão e altos níveis de colesterol no sangue.
2 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
3 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
4 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
5 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
6 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
7 Sinais vitais: Conjunto de variáveis fisiológicas que são pressão arterial, freqüência cardíaca, freqüência respiratória e temperatura corporal.
8 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
9 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
10 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
11 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
12 Mg/dL: Miligramas por decilitro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
13 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
14 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
15 Hiperglicemia: Excesso de glicose no sangue. Hiperglicemia de jejum é o nível de glicose acima dos níveis considerados normais após jejum de 8 horas. Hiperglicemia pós-prandial acima de níveis considerados normais após 1 ou 2 horas após alimentação.
16 Complicações do diabetes: São os efeitos prejudiciais do diabetes no organismo, tais como: danos aos olhos, coração, vasos sangüíneos, sistema nervoso, dentes e gengivas, pés, pele e rins. Os estudos mostram que aqueles que mantêm os níveis de glicose do sangue, a pressão arterial e o colesterol próximos aos níveis normais podem ajudar a impedir ou postergar estes problemas.
Gostou do artigo? Compartilhe!