Gostou do artigo? Compartilhe!

Tratamento medicamentoso com um antibiótico seletivo para a doença de Lyme pode levar à sua erradicação

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A descoberta de que uma substância química é mortal para a bactéria1 que causa a doença de Lyme, mas inofensiva para os animais, pode permitir que a doença seja erradicada na natureza.

“A doença de Lyme está bem posicionada para ser erradicada”, diz Kim Lewis, da Northeastern University em Boston. “Estamos nos preparando, o primeiro teste de campo será no próximo verão.”

A doença de Lyme é causada por uma bactéria1 chamada Borrelia burgdorferi, que se esconde em ratos selvagens. Carrapatos que se alimentam de camundongos são infectados e podem infectar outros animais, incluindo pessoas.

A doença é um problema crescente na América do Norte, Europa e Ásia. Inicialmente, causa uma erupção2 cutânea3 característica e uma doença semelhante à gripe4. Se não for tratada, pode causar problemas graves a longo prazo, como a artrite5 de Lyme.

Atualmente, a doença é tratada com antibióticos, como a doxiciclina, que matam uma ampla gama de bactérias. No entanto, isso perturba o microbioma6 intestinal, causando sintomas7 como diarreia8, e também pode levar a uma maior resistência aos antibióticos.

Agora, em um estudo publicado na revista científica Cell, a equipe de Lewis descobriu que um composto chamado higromicina A é completamente inofensivo para os animais e tem pouco efeito na maioria das bactérias, mas é extremamente mortal para as bactérias espiroquetas como a B. burgdorferi.

Saiba mais sobre "Doença de Lyme", "Doenças transmitidas por carrapatos" e "O que são bactérias".

Bactérias espiroquetas têm um formato de saca-rolhas que permite que elas penetrem nos tecidos. Elas também causam doenças como a sífilis9, diz Lewis. “Elas são patógenos muito desagradáveis.”

Em testes em animais, a equipe não observou nenhum efeito prejudicial da higromicina, independentemente da dose. “É extraordinariamente segura”, diz Lewis.

Uma empresa chamada FlightPath está agora entrando com um pedido nos Estados Unidos para a aprovação inicial necessária antes que o produto químico possa ser testado em pessoas.

A higromicina também pode ser potencialmente usada como um tratamento para a sífilis9, particularmente porque essa infecção10 bacteriana está desenvolvendo resistência aos tratamentos padrão.

Além do mais, a equipe de Lewis demonstrou que alimentar ratos com iscas misturadas com higromicina pode eliminar infecções11 por B. burgdorferi. Em teoria, soltar essas iscas poderia erradicar a doença de Lyme em áreas inteiras ou mesmo em países inteiros.

Um teste de campo feito há uma década com iscas de doxiciclina foi bem-sucedido, diz Lewis. Mas o uso generalizado do produto químico para esse propósito é indesejável porque pode levar a muitos micróbios desenvolvendo resistência aos antibióticos.

Em contraste, os estudos de Lewis sugerem que é extremamente difícil para a B. burgdorferi desenvolver resistência à higromicina. A substância química se assemelha a nutrientes essenciais que as espiroquetas não podem produzir e absorver por meio de um transportador específico; portanto, as mutações que bloqueiam a absorção da higromicina também privariam as espiroquetas desses nutrientes.

Lewis diz que sua equipe não é a primeira a descobrir o valor da higromicina. Ela foi estudada como um tratamento potencial para uma doença suína na década de 1980, mas foi abandonada.

Vacinas contra a doença de Lyme também estão sendo desenvolvidas, mas erradicar a doença seria uma opção ainda melhor.

No artigo publicado, os pesquisadores destacam os seguintes pontos:

  • Uma triagem seletiva contra B. burgdorferi levou à redescoberta da higromicina A.
  • O mecanismo de seletividade é intrigante porque a higromicina A tem como alvo o ribossomo.
  • A higromicina A é contrabandeada para dentro das espiroquetas pelo transportador conservado BmpDEFG.
  • A higromicina A é eficaz em um modelo de camundongo sem perturbar o microbioma6.

Resumo

A doença de Lyme está em alta. Causada por uma espiroqueta12, Borreliella burgdorferi, ela afeta cerca de 500.000 pessoas apenas nos Estados Unidos. Os antibióticos usados ​​atualmente para tratar a doença de Lyme são de amplo espectro, danificam o microbioma6 e são selecionados para resistência em bactérias não-alvo.

Procurou-se, portanto, identificar um composto que atue seletivamente contra B. burgdorferi.

Uma triagem de microrganismos do solo revelou um composto altamente seletivo contra espiroquetas, incluindo B. burgdorferi. Inesperadamente, este composto foi determinado como sendo higromicina A, um conhecido antimicrobiano produzido por Streptomyces hygroscopicus.

A higromicina A tem como alvo os ribossomos e é absorvida pela B. burgdorferi, explicando sua seletividade.

A higromicina A eliminou a infecção10 por B. burgdorferi em camundongos, incluindo animais que ingeriram o composto em uma isca, e foi menos prejudicial ao microbioma6 fecal do que os antibióticos clinicamente relevantes.

Este antibiótico seletivo tem a promessa de fornecer um melhor tratamento para a doença de Lyme e erradicá-la no meio ambiente.

Leia sobre "Usos e abusos dos antibióticos" e "A resistência aos antibióticos e as superbactérias".

 

Fontes:
Cell, publicação em 06 de outubro de 2021.
New Scientist, notícia publicada em 06 de outubro de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Tratamento medicamentoso com um antibiótico seletivo para a doença de Lyme pode levar à sua erradicação. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1403725/tratamento-medicamentoso-com-um-antibiotico-seletivo-para-a-doenca-de-lyme-pode-levar-a-sua-erradicacao.htm>. Acesso em: 8 dez. 2021.

Complementos

1 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
2 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
3 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
4 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
5 Artrite: Inflamação de uma articulação, caracterizada por dor, aumento da temperatura, dificuldade de movimentação, inchaço e vermelhidão da área afetada.
6 Microbioma: Comunidade ecológica de microrganismos comensais, simbióticos e patogênicos que compartilham nosso espaço corporal. Microbioma humano é o conjunto de microrganismos que reside no corpo do Homo sapiens, mantendo uma relação simbiótica com o hospedeiro. O conceito vai além do termo microbiota, incluindo também a relação entre as células microbianas e as células e sistemas humanos, por meio de seus genomas, transcriptomas, proteomas e metabolomas.
7 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
8 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
9 Sífilis: Doença transmitida pelo contato sexual, causada por uma bactéria de forma espiralada chamada Treponema pallidum. Produz diferentes sintomas de acordo com a etapa da doença. Primeiro surge uma úlcera na zona de contato com inflamação dos gânglios linfáticos regionais. Após um período a lesão inicial cura-se espontaneamente e aparecem lesões secundárias (rash cutâneo, goma sifilítica, etc.). Em suas fases tardias pode causar transtorno neurológico sério e irreversível, que felizmente após o advento do tratamento com antibióticos tem se tornado de ocorrência rara. Pode ser causa de infertilidade e abortos espontâneos repetidos.
10 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
11 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
12 Espiroqueta: Designação comum às bactérias do gênero Spirochaeta, da família das espiroquetáceas, formadas por bastonetes flexíveis e espiralados, encontradas tanto em água doce como salgada.
Gostou do artigo? Compartilhe!