Gostou do artigo? Compartilhe!

Remissão do diabetes tipo 2 é possível, de acordo com relatório de consenso publicado pelas principais associações de diabetes

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A melhora dos níveis de glicose1 para a faixa normal pode ocorrer em algumas pessoas que vivem com diabetes2, espontaneamente ou após intervenções médicas e, em alguns casos, pode persistir após a suspensão da farmacoterapia para redução da glicose1. Essa melhora sustentada pode agora estar ocorrendo com mais frequência devido a novas formas de tratamento.

No entanto, a terminologia para descrever este processo e as medidas objetivas para defini-lo não estão bem estabelecidas, e os riscos de longo prazo versus benefícios de sua realização não são bem compreendidos.

Para atualizar as discussões anteriores sobre este assunto, um grupo internacional de especialistas foi convocado pela American Diabetes2 Association para propor nomenclatura e princípios para coleta e análise de dados, com o objetivo de estabelecer uma base de informações para apoiar futuras orientações clínicas.

Este grupo propôs “remissão” como o termo descritivo mais apropriado e HbA1c3 <6,5% (48 mmol/mol) medida pelo menos 3 meses após a interrupção da farmacoterapia para redução da glicose1 como o critério diagnóstico4 usual.

O grupo também fez sugestões para a observação ativa de indivíduos em remissão e discutiu outras questões e necessidades não atendidas a respeito de preditores e resultados da remissão.

Leia sobre "Diabetes Mellitus5", "Como medir os níveis de glicose1 no sangue6" e "Opções de tratamentos para o diabetes2".

O Relatório de Consenso foi publicado em conjunto no The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, publicado pela Oxford University Press em nome da Endocrine Society; no Diabetologia, publicado pela Springer-Verlag, GmbH, em nome da European Association for the Study of Diabetes2; no Diabetic Medicine, publicado pela Wiley em nome da Diabetes2 UK; e no Diabetes2 Care, publicado pela American Diabetes2 Association.

A conclusão do relatório afirma que um retorno aos níveis normais ou quase normais de glicose1 em pacientes com diabetes mellitus5 tipo 2 (DM2) típica pode, às vezes, ser obtido usando as formas atuais e emergentes de intervenções médicas ou de estilo de vida ou cirurgia metabólica.

A frequência de melhora metabólica sustentada neste cenário, sua provável duração e seu efeito nos resultados médicos subsequentes permanecem obscuros.

Para facilitar as decisões clínicas, a coleta de dados e a pesquisa sobre os resultados, é necessária uma terminologia mais clara que descreva essa melhoria. Com base nas discussões, foi proposto o seguinte:

  1. O termo usado para descrever uma melhora metabólica sustentada no DM2 para níveis quase normais deve ser remissão do diabetes2.
  2. A remissão deve ser definida como um retorno da HbA1c3 para <6,5% (<48 mmol/mol) que ocorre espontaneamente ou após uma intervenção e que persiste por pelo menos 3 meses na ausência de farmacoterapia para redução da glicose1 usual.
  3. Quando a HbA1c3 é determinada como um marcador não confiável de controle glicêmico crônico7, glicemia8 plasmática em jejum (GPJ) <126 mg/dL9 (<7,0 mmol/L10) ou HbA1c3 estimada (eA1C) <6,5% calculada a partir de valores de monitoramento contínuo de glicose1 (MCG) podem ser usados ​​como critérios alternativos.
  4. O teste de HbA1c3 para documentar uma remissão deve ser realizado imediatamente antes de uma intervenção e não antes de 3 meses após o início da intervenção e retirada de qualquer farmacoterapia para redução da glicose1.
  5. Os testes subsequentes para determinar a manutenção a longo prazo da remissão devem ser feitos pelo menos uma vez por ano, junto com os testes rotineiramente recomendados para complicações potenciais do diabetes2.
  6. Pesquisas baseadas na terminologia e nas definições descritas na presente declaração são necessárias para determinar a frequência, duração e efeitos nos resultados médicos de curto e longo prazo de remissões de DM2 usando as intervenções disponíveis.

Um relatório de consenso de um determinado tópico11 contém um exame abrangente e é de autoria de um painel de especialistas (ou seja, painel de consenso) e representa a análise, avaliação e opinião coletiva do painel. A necessidade de um relatório de consenso surge quando médicos, cientistas, reguladores e/ou formuladores de políticas desejam orientação e/ou clareza sobre uma questão médica ou científica relacionada ao diabetes2 para a qual as evidências são contraditórias, emergentes ou incompletas. Os relatórios de consenso também podem destacar lacunas nas evidências e propor áreas de pesquisas futuras para abordar essas lacunas.

Veja também sobre "Comportamento da glicose1 no sangue6", "Hemoglobina glicosilada12" e "Complicações do diabetes13 mellitus".

 

Fonte: The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, publicação em 30 de agosto de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Remissão do diabetes tipo 2 é possível, de acordo com relatório de consenso publicado pelas principais associações de diabetes. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1401780/remissao-do-diabetes-tipo-2-e-possivel-de-acordo-com-relatorio-de-consenso-publicado-pelas-principais-associacoes-de-diabetes.htm>. Acesso em: 23 out. 2021.

Complementos

1 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
2 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
3 HbA1C: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
4 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
5 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
6 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
7 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
8 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
9 Mg/dL: Miligramas por decilitro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
10 Mmol/L: Milimols por litro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
11 Tópico: Referente a uma área delimitada. De ação limitada à mesma. Diz-se dos medicamentos de uso local, como pomadas, loções, pós, soluções, etc.
12 Hemoglobina glicosilada: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
13 Complicações do diabetes: São os efeitos prejudiciais do diabetes no organismo, tais como: danos aos olhos, coração, vasos sangüíneos, sistema nervoso, dentes e gengivas, pés, pele e rins. Os estudos mostram que aqueles que mantêm os níveis de glicose do sangue, a pressão arterial e o colesterol próximos aos níveis normais podem ajudar a impedir ou postergar estes problemas.
Gostou do artigo? Compartilhe!