Gostou do artigo? Compartilhe!

Doxiciclina por 7 dias foi superior à azitromicina em dose única para o tratamento da Chlamydia trachomatis retal assintomática

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A clamídia retal é uma infecção1 bacteriana sexualmente transmissível comum entre homens que fazem sexo com homens. Os dados de ensaios clínicos2 randomizados e controlados são necessários para orientar o tratamento.

Neste estudo duplo-cego3 realizado em cinco clínicas de saúde4 sexual na Austrália, e publicado pelo The New England Journal of Medicine, os pesquisadores designaram aleatoriamente homens que fazem sexo com homens e que tinham clamídia retal assintomática para receber doxiciclina (100 mg duas vezes ao dia por 7 dias) ou azitromicina (dose única de 1 g).

A clamídia assintomática foi selecionada como o foco do ensaio porque mais de 85% dos homens com infecção1 retal por clamídia são assintomáticos e as diretrizes clínicas recomendam um curso de tratamento mais longo para a infecção1 sintomática5.

O resultado primário foi um teste de amplificação de ácido nucleico negativo para clamídia retal (cura microbiológica6) em 4 semanas.

De agosto de 2016 a agosto de 2019, foram inscritos 625 homens (314 no grupo da doxiciclina e 311 no grupo da azitromicina). Os dados do desfecho primário estavam disponíveis para 290 homens (92,4%) no grupo doxiciclina e 297 (95,5%) no grupo azitromicina.

Na população com intenção de tratar modificada, uma cura microbiológica6 ocorreu em 281 de 290 homens (96,9%; intervalo de confiança [IC] de 95%, 94,9 a 98,9) no grupo de doxiciclina e em 227 de 297 (76,4%; IC 95%, 73,8 a 79,1) no grupo azitromicina, para uma diferença de risco ajustada de 19,9 pontos percentuais (IC 95%, 14,6 a 25,3; P <0,001).

Os eventos adversos que incluíram náusea7, diarreia8 e vômito9 foram relatados em 98 homens (33,8%) no grupo de doxiciclina e em 134 (45,1%) no grupo de azitromicina (diferença de risco, -11,3 pontos percentuais; IC 95%, -19,5 a -3,2).

O estudo concluiu que um curso de 7 dias de doxiciclina foi superior à azitromicina em dose única no tratamento da infecção1 retal por clamídia entre homens que fazem sexo com homens.

Leia sobre "Doenças sexualmente transmissíveis", "Uretrites gonocócicas e não gonocócicas", "Variações sexuais: o sexo oral e o sexo anal" e "Doenças do pênis10".

 

Fonte: The New England Journal of Medicine, publicação em 24 de junho de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Doxiciclina por 7 dias foi superior à azitromicina em dose única para o tratamento da Chlamydia trachomatis retal assintomática. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1397620/doxiciclina-por-7-dias-foi-superior-a-azitromicina-em-dose-unica-para-o-tratamento-da-chlamydia-trachomatis-retal-assintomatica.htm>. Acesso em: 4 ago. 2021.

Complementos

1 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
3 Estudo duplo-cego: Denominamos um estudo clínico “duplo cego” quando tanto voluntários quanto pesquisadores desconhecem a qual grupo de tratamento do estudo os voluntários foram designados. Denominamos um estudo clínico de “simples cego” quando apenas os voluntários desconhecem o grupo ao qual pertencem no estudo.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Sintomática: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
6 Microbiológica: Referente à microbiologia, ou seja, à especialidade biomédica que estuda os microrganismos patogênicos, responsáveis pelas doenças infecciosas, englobando a bacteriologia (bactérias), virologia (vírus) e micologia (fungos).
7 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
8 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
9 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
10 Pênis: Órgão reprodutor externo masculino. É composto por uma massa de tecido erétil encerrada em três compartimentos cilíndricos fibrosos. Dois destes compartimentos, os corpos cavernosos, ficam lado a lado ao longo da parte superior do órgão. O terceiro compartimento (na parte inferior), o corpo esponjoso, abriga a uretra.
Gostou do artigo? Compartilhe!