Gostou do artigo? Compartilhe!

Defeitos em espermatozóides, adquiridos por exposição a toxinas do ambiente, podem ser passados para filhos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pesquisa da Universidade de Idaho, apresentada no encontro da Sociedade Americana para o Avanço da Ciência, em Boston, nos Estados Unidos, afirma que danos causados a espermatozóides1 pela exposição a toxinas2 presentes no meio ambiente permanecem na linha reprodutiva da família e podem ser passados a futuras gerações.


Os cientistas injetaram um pesticida chamado vinclozolin - conhecido por prejudicar os hormônios - em embriões de ratos. Esta substância provocou alterações genéticas no espermatozóide3 dos machos, inclusive uma série de mudanças associadas à forma humana de câncer4 de próstata5. Os ratos expostos ao vinclozolin apresentaram sinais6 de danos e crescimento exagerado da próstata5, infertilidade7 e problemas renais.


Matthew Anway, coordenador da pesquisa, afirma que esses defeitos nos espermatozóides1 permanecem na linha reprodutiva da família, afetando até quatro gerações.


A quantidade de pesticida usada no estudo foi maior do que qualquer humano poderia ser exposto. No entanto, a importância da pesquisa, segundo Matthew, é demonstrar que um filho homem pode herdar os problemas dos genes do pai, uma vez que os genes alterados permanecem na linha reprodutiva.


Pais que usam bebidas alcóolicas em excesso ou fumam podem não só estar estar se prejudicando, mas também prejudicando seus filhos. O álcool causa defeitos em espermatozóides1 e a nicotina do tabaco afeta não só o sangue8, mas também o esperma9.


Fonte: American Association for Advancement of Science

NEWS.MED.BR, 2008. Defeitos em espermatozóides, adquiridos por exposição a toxinas do ambiente, podem ser passados para filhos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/13921/defeitos-em-espermatozoides-adquiridos-por-exposicao-a-toxinas-do-ambiente-podem-ser-passados-para-filhos.htm>. Acesso em: 15 set. 2019.

Complementos

1 Espermatozóides: Células reprodutivas masculinas.
2 Toxinas: Substâncias tóxicas, especialmente uma proteína, produzidas durante o metabolismo e o crescimento de certos microrganismos, animais e plantas, capazes de provocar a formação de anticorpos ou antitoxinas.
3 Espermatozóide: Célula reprodutiva masculina.
4 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
5 Próstata: Glândula masculina, responsável por produzir o líquido e as proteínas que acompanham os espermatozóides no sêmen. Tem forma de amêndoa e localiza-se na base da bexiga, circundando a saída da uretra.
6 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
7 Infertilidade: Capacidade diminuída ou ausente de gerar uma prole. O termo não implica a completa inabilidade para ter filhos e não deve ser confundido com esterilidade. Os clínicos introduziram elementos físicos e temporais na definição. Infertilidade é, portanto, freqüentemente diagnosticada quando, após um ano de relações sexuais não protegidas, não ocorre a concepção.
8 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
9 Esperma: Esperma ou sêmen. Líquido denso, gelatinoso, branco acinzentado e opaco, que contém espermatozoides e que serve para conduzi-los até o óvulo. O esperma é o líquido da ejaculação. Ele é composto de plasma seminal e espermatozoides. Este plasma contém nutrientes que alimentam e protegem os espermatozoides.
Gostou do artigo? Compartilhe!