Gostou do artigo? Compartilhe!

Intervenção no estilo de vida reduziu o risco de diabetes tipo 2 em pessoas com glicemia de jejum prejudicada e/ou hiperglicemia não diabética

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Quase metade da população de adultos mais velhos tem diabetes1 ou uma categoria glicêmica intermediária de alto risco, mas ainda não há evidências de ensaios para intervenções eficazes de prevenção do diabetes tipo 22 na maioria das categorias glicêmicas de alto risco atuais.

O objetivo desse estudo, publicado pelo JAMA Internal Medicine, foi determinar se uma intervenção de estilo de vida baseada em grupo (com ou sem voluntários treinados com diabetes tipo 22) reduziu o risco de progressão para diabetes tipo 22 em populações com uma categoria glicêmica de alto risco.

Leia sobre "Diabetes Mellitus3", "Prevenção do diabetes1 e suas complicações", "Alimentação saudável" e "Atividade física".

O Norfolk Diabetes1 Prevention Study foi um ensaio clínico paralelo, randomizado4, baseado em grupo de 3 braços, conduzido com até 46 meses de acompanhamento de agosto de 2011 a janeiro de 2019 em 135 clínicas de atenção primária e 8 locais de intervenção no leste da Inglaterra.

Foram identificadas 141.973 pessoas com risco aumentado de diabetes tipo 22, rastreou-se 12.778 (9,0%) e foram randomizadas aquelas com uma categoria glicêmica de alto risco, que era ou um nível elevado de glicose5 plasmática em jejum sozinho (≥110 e <126 mg/dL6 [para converter em milimoles por litro, multiplicar por 0,0555]) ou um nível elevado de hemoglobina glicada7 (≥6,0% a <6,5%; hiperglicemia8 não diabética) com um nível elevado de glicose5 plasmática em jejum (≥100 a <110 mg/dL6).

As intervenções consistiram de um braço de controle recebendo cuidados usuais (CON), um braço de intervenção de estilo de vida baseado em teoria de 6 núcleos e até 15 sessões de manutenção (INT), ou a mesma intervenção com o apoio de mentores de prevenção de diabetes1, voluntários treinados com diabetes tipo 22 (INT-MPD).

Os principais resultados e medidas foram a incidência9 de diabetes tipo 22 entre os braços.

Neste estudo, 1.028 participantes foram randomizados (INT, 424 [41,2%] [166 mulheres (39,2%)]; INT-MPD, 426 [41,4%] [147 mulheres (34,5%)]; CON, 178 [17,3%] [70 mulheres (39,3%)]) entre 1 de janeiro de 2011 e 24 de fevereiro de 2017. A idade média (DP) foi de 65,3 (10,0) anos, índice de massa corporal10 médio (DP) 31,2 (5) (calculado como peso em quilogramas dividido pela altura em metros ao quadrado) e seguimento médio (DP) de 24,7 (13,4) meses.

Um total de 156 participantes progrediu para diabetes tipo 22, que compreendia 39 de 171 no grupo CON (22,8%), 55 de 403 recebendo INT (13,7%) e 62 de 414 recebendo INT-MPD (15,0%).

Não houve diferença significativa entre os braços de intervenção no desfecho primário (odds ratio [OR], 1,14; IC de 95%, 0,77-1,7; P = 0,51), mas cada braço de intervenção teve chance significativamente menor de diabetes tipo 22 (INT: OR, 0,54; IC 95%, 0,34-0,85; P = 0,01; INT-MPD: OR, 0,61; IC 95%, 0,39-0,96; P = 0,033; combinado: OR, 0,57; IC 95%, 0,38-0,87; P = 0,01).

O tamanho do efeito foi semelhante em todos os grupos glicêmicos, de idade e de privação social, e os custos de intervenção por participante foram baixos, em US$153 (£122).

A intervenção no estilo de vida do estudo Norfolk Diabetes1 Prevention reduziu o risco de 2 anos de diabetes tipo 22 nas atuais categorias glicêmicas de alto risco em 40% a 47%. Para cada 11 participantes tratados, um diagnóstico11 de diabetes1 foi evitado. Melhorar a intervenção com mentores de prevenção de diabetes1 não reduziu ainda mais o risco de diabetes1.

Esses resultados traduzíveis são relevantes para os esforços atuais de prevenção do diabetes1.

Veja também sobre "O que afeta o comportamento da glicemia12", "Glicomia de jejum", "Hemoglobina glicosilada13" e "Como medir a glicose5 no sangue14".

 

Fonte: JAMA Internal Medicine, publicação em 02 de novembro de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Intervenção no estilo de vida reduziu o risco de diabetes tipo 2 em pessoas com glicemia de jejum prejudicada e/ou hiperglicemia não diabética. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1382038/intervencao-no-estilo-de-vida-reduziu-o-risco-de-diabetes-tipo-2-em-pessoas-com-glicemia-de-jejum-prejudicada-e-ou-hiperglicemia-nao-diabetica.htm>. Acesso em: 30 nov. 2020.

Complementos

1 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
2 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
3 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
4 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
5 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
6 Mg/dL: Miligramas por decilitro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
7 Hemoglobina glicada: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
8 Hiperglicemia: Excesso de glicose no sangue. Hiperglicemia de jejum é o nível de glicose acima dos níveis considerados normais após jejum de 8 horas. Hiperglicemia pós-prandial acima de níveis considerados normais após 1 ou 2 horas após alimentação.
9 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
10 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
11 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
12 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
13 Hemoglobina glicosilada: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
14 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
Gostou do artigo? Compartilhe!