Gostou do artigo? Compartilhe!

Reconhecimento facial requer lembrança ou recuperação de detalhes contextuais relevantes

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A capacidade de reconhecer rostos é uma habilidade neurocognitiva complexa, com importantes implicações sociais. Um distúrbio que prejudica essa capacidade, que, segundo algumas estimativas, afeta mais de 2% da população, pode levar ao isolamento e à ansiedade e prejudicar as relações pessoais e profissionais.

A visão1 tradicional desse distúrbio da cegueira facial – a prosopagnosia na linguagem científica – tem sustentado que ele surge de déficits na percepção visual. Sob essa visão1, os indivíduos com cegueira facial são incapazes de distinguir visualmente as características dos rostos apresentados lado a lado e incapazes de determinar se os rostos são iguais ou não.

Agora, um novo estudo liderado por pesquisadores da Harvard Medical School e do VA Boston Healthcare System mostra que a cegueira facial pode surgir de déficits além da percepção visual e parece envolver falhas na recuperação de várias pistas contextuais da memória.

Os resultados, publicados em 5 de julho antes da impressão na revista Cortex, sugerem que a visão1 tradicional da cegueira facial como um distúrbio perceptivo puramente visual pode ser redutiva, disseram os pesquisadores. Além disso, eles revelam que o reconhecimento facial bem-sucedido requer lembrança ou a recuperação de detalhes contextuais relevantes sobre uma pessoa, como seu nome ou profissão.

...

Linhas convergentes de pesquisa sugerem que muitos prosopagnósicos de desenvolvimento (PDs) apresentam comprometimentos além da percepção facial, mas atualmente não existe uma estrutura para caracterizar esses mecanismos prejudicados. Um déficit extra-perceptivo potencial é que os PDs codificam / recuperam faces de maneira distinta dos controles que não suportam suficientemente a individuação.

Para testar essa possibilidade, 30 PDs e 30 controles correspondentes executaram uma tarefa de reconhecimento de rosto antigo / novo, fornecendo classificações de confiança, às quais uma análise ROC baseada em modelo foi aplicada.

Os PDs tiveram recordações significativamente reduzidas em comparação aos controles, o que foi causado por menos respostas de 'alvo de alta confiança', mas familiaridade intacta. A capacidade de recordação e de percepção da face2 previu exclusivamente os sintomas3 objetivos e subjetivos da prosopagnosia, explicando juntos 51% e 56% da variação, respectivamente.

Esses resultados sugerem que um déficit específico na lembrança de face2 nos PDs pode representar um aspecto central da dificuldade em identificar com confiança um indivíduo por seu rosto.

Leia também sobre "Perda de memória", "Como melhorar a memória" e "Como exercitar o cérebro4 todos os dias".

 

Fontes:
Cortex, publicação em 05 de julho de 2020.
Harvard Medical School, notícia publicada em 13 de julho de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Reconhecimento facial requer lembrança ou recuperação de detalhes contextuais relevantes. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1374333/reconhecimento-facial-requer-lembranca-ou-recuperacao-de-detalhes-contextuais-relevantes.htm>. Acesso em: 20 out. 2020.

Complementos

1 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
2 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
3 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
Gostou do artigo? Compartilhe!