Gostou do artigo? Compartilhe!

Associações entre o uso de telas e as habilidades de linguagem infantil

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Há um debate público e científico considerável sobre se o uso de telas ajuda ou dificulta o desenvolvimento na primeira infância, particularmente o desenvolvimento das habilidades de linguagem.

O objetivo desse estudo, publicado pelo JAMA Pediatrics, foi examinar por meta-análises as associações entre quantidade (duração do tempo de uso de telas e televisão em segundo plano), qualidade (programação educacional e co-visualização) e início do uso de telas e habilidades de linguagem das crianças.

Saiba mais sobre "Orientação da Sociedade Brasileira de Pediatria sobre uso de telas" e "Evolução da linguagem em crianças".

Pesquisas foram realizadas no MEDLINE, Embase e PsycINFO em março de 2019. A estratégia de pesquisa incluiu um limite de data de publicação de 1960 a março de 2019.

Os critérios de inclusão foram uma medida do uso de telas; uma medida de habilidades linguísticas; e dados estatísticos que podem ser transformados em um tamanho de efeito. Os critérios de exclusão foram estudos qualitativos; idade da criança acima de 12 anos; e avaliação da linguagem pré-verbal.

As seguintes variáveis ​​foram extraídas: tamanho do efeito, idade e sexo da criança, tipo de medida do uso de telas, ano de publicação do estudo e design do estudo. Todos os estudos foram codificados de forma independente por 2 codificadores e conduzidos de acordo com as diretrizes de itens de relatório preferenciais para revisões sistemáticas e meta-análises.

Com base em critérios de estudo a priori, a quantidade de uso de telas incluiu a duração do tempo de uso de telas e a televisão em segundo plano, a qualidade do uso da tela incluiu co-visualização e exposição a programas educacionais, e o início do uso de telas foi definido como a idade em que as crianças começaram a ver as telas. O desfecho na linguagem infantil incluiu avaliações da linguagem receptiva e/ou expressiva.

Os participantes totalizaram 18.905 de 42 estudos incluídos. Os tamanhos dos efeitos foram medidos como correlações (r). Maior quantidade de uso de telas (horas por uso) foi associada a habilidades de linguagem mais baixas (tempo de tela [n = 38; r = -0,14; IC 95%, -0,18 a -0,10]; televisão em segundo plano [n = 5; r = - 0,19; IC 95%, -0,33 a -0,05]), enquanto melhor qualidade do uso de telas (programas educacionais [n = 13; r = 0,13; IC 95% 0,02-0,24]; co-visualização [n = 12; r = 0,16; IC 95%, 0,07-0,24]) foi associada a habilidades de linguagem infantil mais fortes. A idade mais avançada no início do uso de telas também foi associada a habilidades de linguagem infantil mais fortes [n = 4; r = 0,17; IC 95%, 0,07-0,27].

As descobertas desta meta-análise apoiam as recomendações pediátricas para limitar a duração da exposição às telas das crianças, selecionar programação de alta qualidade e assistir junto com a criança quando possível.

Leia sobre "Mídias digitais são parte do cenário atual do desenvolvimento de criaças e adolescentes" e "Quando uma criança começa a falar".

 

Fonte: JAMA Pediatrics, publicação em 23 de março de 2020.

 

NEWS.MED.BR, 2020. Associações entre o uso de telas e as habilidades de linguagem infantil. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1373273/associacoes-entre-o-uso-de-telas-e-as-habilidades-de-linguagem-infantil.htm>. Acesso em: 20 out. 2020.
Gostou do artigo? Compartilhe!