Gostou do artigo? Compartilhe!

Tratamento com anti-interleucina-1 em pacientes com artrite reumatoide e diabetes tipo 2 pode ser uma terapêutica direcionada a essas patologias, publicado no PLOS Medicine

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A contribuição inflamatória para o diabetes mellitus1 tipo 2 (DM2) sugeriu novos alvos terapêuticos usando medicamentos biológicos projetados para a artrite reumatoide2 (AR). Com base nisso, objetivou-se investigar se a inibição da interleucina-1 (IL-1) com Anakinra, um antagonista3 do receptor humano de IL-1 recombinante, poderia melhorar os parâmetros glicêmicos e inflamatórios em participantes com AR e DM2 em comparação com inibidores do fator de necrose4 tumoral (TNFi).

Saiba mais sobre "Artrite reumatoide2" e "Diabetes mellitus1".

Este estudo publicado pelo PLOS Medicine, projetado como um ensaio clínico randomizado5, controlado e multicêntrico, envolveu participantes, acompanhados por 6 meses, com artrite reumatoide2 e diabetes6 tipo 2, em 12 unidades reumatológicas italianas entre 2013 e 2016. Os participantes foram randomizados para Anakinra ou para TNFi (ou seja, adalimumabe, certolizumabe pegol, etanercept, infliximabe ou golimumabe), e o desfecho primário foi a alteração na porcentagem de hemoglobina glicada7 (HbA1c%).

No total, 41 participantes com AR e DM2 foram randomizados e 39 participantes elegíveis foram tratados (idade 62,72 ± 9,97 anos; 74,4% do sexo feminino). A maioria dos participantes apresentou doença soropositiva para AR (fator reumatoide e/ou anticorpo8 peptídeo citrulinado anticíclico [ACPA] 70,2%) com doença ativa (Disease Activity Score-28 [DAS28]: 5,54 ± 1,03; proteína C reativa 11,84 ± 9,67 mg/L, respectivamente). Todos os participantes apresentaram DM2 (HbA1c%: 7,77 ± 0,70, glicemia9 plasmática em jejum: 139,13 ± 42,17 mg).

Quando todos os participantes inscritos alcançaram 6 meses de acompanhamento, a importante diferença bruta no desfecho principal, confirmada por uma análise interina e não planejada, mostrando os efeitos significativos do Anakinra, que não foram observados no outro grupo, levou à suspensão do estudo por benefício antecipado.

Os participantes do grupo Anakinra tiveram uma redução significativa de HbA1c%, em um modelo misto linear não ajustado, após 3 meses (β: −0,85, p<0,001, IC 95% −1,28 a −0,42) e 6 meses (β: −1,05, p<0,001, IC 95% -1,50 a -0,59).

Resultados semelhantes foram observados ajustando o modelo para fatores de confusão clínicos relevantes para AR e DM2 (sexo masculino, idade, positividade para ACPA, uso de corticosteroides, duração da AR, duração de DM2, uso de antidiabético oral10, índice de massa corporal11 [IMC12]) após 3 meses (β: -1,04, p <0,001, IC 95% -1,52 a -0,55) e 6 meses (β: -1,24, p <0,001, IC 95% -1,75 a -0,72).

Os participantes do grupo TNFi tiveram uma leve diminuição não significativa de HbA1c%. Assumindo que o limiar de sucesso seja HbA1c% ≤ 7, considerou-se uma redução absoluta de risco (RRA) = 0,42 (taxa de eventos experimentais = 0,54, taxa de eventos de controle = 0,12); portanto, estimou-se, arredondando para cima, um número necessário para tratar (NNT) = 3.

No que diz respeito à AR, foi observada uma redução progressiva da atividade da doença nos dois grupos. Não foram observados eventos adversos graves, episódios hipoglicêmicos ou mortes. As lesões13 de urticária14 no local da injeção15 levaram à descontinuação em 4 (18%) participantes tratados com Anakinra. Além disso, observou-se infecções16 não graves, incluindo influenza17, nasofaringite, infecção18 do trato respiratório superior, infecção18 do trato urinário19 e diarreia20 em ambos os grupos.

O estudo tem algumas limitações, incluindo design de rótulo aberto e análise interina de anúncios previamente não planejada, além de tamanho pequeno, falta de algumas avaliações de laboratório e uso contínuo de outros medicamentos. No entanto, concluiu-se nesta análise que há um aparente benefício da inibição da IL-1 nos participantes do estudo com AR e DM2, atingindo os alvos terapêuticos de ambas as doenças. Isto sugere que a inibição da IL-1 pode ser considerada um tratamento direcionado para pacientes21 com essas patologias.

Veja sobre "Hemoglobina glicosilada22" e "Glicemia9 média estimada".

 

Fonte: PLOS Medicine, publicado em 12 de setembro de 2019.

 

NEWS.MED.BR, 2019. Tratamento com anti-interleucina-1 em pacientes com artrite reumatoide e diabetes tipo 2 pode ser uma terapêutica direcionada a essas patologias, publicado no PLOS Medicine. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1346688/tratamento-com-anti-interleucina-1-em-pacientes-com-artrite-reumatoide-e-diabetes-tipo-2-pode-ser-uma-terapeutica-direcionada-a-essas-patologias-publicado-no-plos-medicine.htm>. Acesso em: 17 out. 2019.

Complementos

1 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
2 Artrite reumatóide: Doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada por poliartrite periférica, simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.
3 Antagonista: 1. Opositor. 2. Adversário. 3. Em anatomia geral, que ou o que, numa mesma região anatômica ou função fisiológica, trabalha em sentido contrário (diz-se de músculo). 4. Em medicina, que realiza movimento contrário ou oposto a outro (diz-se de músculo). 5. Em farmácia, que ou o que tende a anular a ação de outro agente (diz-se de agente, medicamento etc.). Agem como bloqueadores de receptores. 6. Em odontologia, que se articula em oposição (diz-se de ou qualquer dente em relação ao da maxila oposta).
4 Necrose: Conjunto de processos irreversíveis através dos quais se produz a degeneração celular seguida de morte da célula.
5 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
6 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
7 Hemoglobina glicada: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
8 Anticorpo: Proteína circulante liberada pelos linfócitos em reação à presença no organismo de uma substância estranha (antígeno).
9 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
10 Antidiabético oral: Qualquer medicamento que, administrado por via oral, contribui para manter a glicose sangüínea dentro dos limites normais. Ele pode ser um hipoglicemiante, se for capaz de diminuir níveis de glicose previamente elevados, ou um anti-hiperglicemiante, se agir impedindo a elevação da glicemia após uma refeição.
11 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
12 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
13 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
14 Urticária: Reação alérgica manifestada na pele como elevações pruriginosas, acompanhadas de vermelhidão da mesma. Pode afetar uma parte ou a totalidade da pele. Em geral é autolimitada e cede em pouco tempo, podendo apresentar períodos de melhora e piora ao longo de vários dias.
15 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
16 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
17 Influenza: Doença infecciosa, aguda, de origem viral que acomete o trato respiratório, ocorrendo em epidemias ou pandemias e frequentemente se complicando pela associação com outras infecções bacterianas.
18 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
19 Trato Urinário:
20 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
21 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
22 Hemoglobina glicosilada: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
Gostou do artigo? Compartilhe!