Gostou do artigo? Compartilhe!

Slings para mulheres com incontinência urinária de esforço: revisão sistemática e metanálise em rede de ensaios clínicos randomizados

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O objetivo deste estudo, publicado pelo BMJ, foi comparar a eficácia e segurança de intervenções cirúrgicas para mulheres com incontinência urinária1 de esforço, através de uma revisão sistemática e metanálise de rede.

Saiba mais sobre "Incontinência urinária1".

Os critérios de elegibilidade para a seleção de estudos incluíram ensaios clínicos2 randomizados que avaliaram intervenções cirúrgicas para o tratamento da incontinência urinária1 de esforço em mulheres. Foram identificados ensaios controlados e randomizados relevantes, de revisões Cochrane e Cochrane Incontinence Specialized Register (pesquisado em maio de 2017), que contêm estudos identificados a partir do Cochrane Central Register of Controlled Trials (CENTRAL), Medline, Medline In-Process, Medline Epub Ahead of Print, CINAHL, ClinicalTrials.gov e WHO ICTRP.

As listas de referência de artigos relevantes também foram pesquisadas. Os desfechos primários foram “cura” e “melhora dos sintomas” aos 12 meses, analisados por meio de metanálises de rede, com os resultados apresentados como a superfície sob a curva cumulativa de ranking (SUCRA). Os eventos adversos foram analisados usando metanálise pareada. O risco de viés foi avaliado usando o risco Cochrane de ferramenta de viés. A qualidade da evidência para a metanálise da rede foi avaliada usando a abordagem GRADE.

Cento e setenta e cinco ensaios clínicos2 randomizados que avaliaram um total de 21.598 mulheres foram incluídos. A maioria dos estudos apresentava risco alto ou pouco claro em todos os domínios de risco de viés. As metanálises de rede foram baseadas em dados de 105 estudos que relataram cura e 120 estudos que relataram melhora dos sintomas3 de incontinência4.

Os resultados mostraram que as intervenções com maiores taxas de cura foram o sling tradicional, sling miduretral retropúbico (MUS), colpossuspensão aberta e MUS transobturatório; com classificações de 89,4%, 89,1%, 76,7% e 64,1%, respectivamente.

Comparado com o MUS retropúbico, o odds ratio de cura para o sling tradicional foi de 1,06 (intervalo de confiança de 95%, 0,62 a 1,85), para colpossuspensão aberta foi de 0,85 (0,54 a 1,33) e para MUS transobstruratório foi de 0,74 (0,59 a 0,92). As mulheres também foram mais propensas a experimentar uma melhora em seus sintomas3 de incontinência4 após receber MUS retropúbico ou MUS transobturatório em comparação com outros procedimentos cirúrgicos. Em particular, comparado com MUS retropúbico, o odds ratio de melhora para o MUS transobturatório foi de 0,76 (intervalo de confiança de 95%, 0,59 a 0,98), para sling tradicional foi de 0,69 (0,39 a 1,26) e para colpossuspensão aberta foi de 0,65 (0,41 a 1,02).

A qualidade das evidências foi moderada para MUS retropúbico versus MUS transobturatório e baixo ou muito baixo para MUS retropúbico versus as outras duas intervenções. Os dados sobre eventos adversos estavam disponíveis principalmente para procedimentos com malha, indicando uma taxa mais alta de cirurgia repetida e dor na virilha, mas uma menor taxa de dor suprapúbica, complicações vasculares5, perfuração da bexiga6 ou uretra7 e dificuldades miccionais após o MUS transobturatório em comparação com o MUS retropúbico. Os dados sobre eventos adversos para procedimentos não MUS foram escassos e mostraram amplos intervalos de confiança. Dados de longo prazo eram limitados.

Os autores concluíram que o MUS retropúbico, MUS transobturatório, sling tradicional e colpossuspensão aberta são mais eficazes que outros procedimentos para incontinência urinária1 de esforço a curto e médio prazos. Os dados sobre a eficácia a longo prazo e os eventos adversos são, no entanto, limitados, especialmente em torno dos perfis de eventos adversos comparativos dos procedimentos de MUS e não MUS. Uma melhor compreensão das complicações após a cirurgia para a incontinência urinária1 de esforço é imperativa.

Leia sobre "Perda involuntária8 de urina9 em mulheres" e "Bexiga6 hiperativa".

 

Fonte: BMJ, em 5 de junho de 2019.

 

NEWS.MED.BR, 2019. Slings para mulheres com incontinência urinária de esforço: revisão sistemática e metanálise em rede de ensaios clínicos randomizados. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1339303/slings-para-mulheres-com-incontinencia-urinaria-de-esforco-revisao-sistematica-e-metanalise-em-rede-de-ensaios-clinicos-randomizados.htm>. Acesso em: 10 dez. 2019.

Complementos

1 Incontinência urinária: Perda do controle da bexiga que provoca a passagem involuntária de urina através da uretra. Existem diversas causas e tipos de incontinência e muitas opções terapêuticas. Estas vão desde simples exercícios de fisioterapia até complicadas cirurgias. As mulheres são mais freqüentemente acometidas por este problema.
2 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
3 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Incontinência: Perda do controle da bexiga ou do intestino, perda acidental de urina ou fezes.
5 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
6 Bexiga: Órgão cavitário, situado na cavidade pélvica, no qual é armazenada a urina, que é produzida pelos rins. É uma víscera oca caracterizada por sua distensibilidade. Tem a forma de pêra quando está vazia e a forma de bola quando está cheia.
7 Uretra: É um órgão túbulo-muscular que serve para eliminação da urina.
8 Involuntária: 1.    Que se realiza sem intervenção da vontade ou que foge ao controle desta, automática, inconsciente, espontânea. 2.    Que se encontra em uma dada situação sem o desejar, forçada, obrigada.
9 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
Gostou do artigo? Compartilhe!