Gostou do artigo? Compartilhe!

Metformina na prevenção do diabetes: identificação dos subgrupos que mais se beneficiaram no Diabetes Prevention Program e no Diabetes Prevention Program Outcomes Study

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Em trabalho publicado pelo Diabetes1 Care foram examinados os efeitos da metformina2 na prevenção do diabetes1 e os subgrupos que mais se beneficiaram ao longo de 15 anos no Diabetes1 Prevention Program (DPP) e no Diabetes1 Prevention Program Outcomes Study (DPPOS).

Durante o DPP (1996-2001), adultos com alto risco de desenvolver diabetes1 foram aleatoriamente designados para receber placebo3 mascarado (n=1.082) ou metformina2 850 mg duas vezes ao dia (n=1.073). Os participantes originalmente designados para a metformina2 continuaram a receber metformina2, desmascarada, no DPPOS (2002-até os dias atuais).

A determinação do desenvolvimento de diabetes1 foi baseada nos níveis de glicose4 em jejum ou 2 horas após um teste oral de tolerância à glicose4 ou na HbA1c5. Redução na incidência6 de diabetes1 com metformina2 foi comparada com placebo3 em subgrupos por razão de risco (HR) e diferenças de taxas (RDs).

Saiba mais sobre "Diabetes1", "Glicemia de jejum7", "Teste de tolerância à glicose4" e "Hemoglobina glicosilada8".

Durante 15 anos de acompanhamento pós-randomização, a metformina2 reduziu a incidência6 (por HR) de diabetes1 em comparação ao placebo3 em 17% ou 36% com base nos níveis de glicemia de jejum7 ou HbA1c5, respectivamente.

O efeito da metformina2 no desenvolvimento de diabetes1 definido pela glicemia de jejum7 foi maior para mulheres com história de diabetes mellitus9 gestacional (DMG) anterior (HR 0,59; RD -4,57 casos/100 pessoas-ano) em comparação com mulheres sem DMG (HR 0,94; RD −0,38 casos/100 pessoas-ano [interação P=0,03 para HR, P=0,01 para RD]).

A metformina2 também teve maiores efeitos, pela HR e RD, em níveis basais mais elevados de glicemia de jejum7. Com o desenvolvimento de diabetes1 baseado na HbA1c5, a metformina2 foi mais eficaz em indivíduos com HbA1c5 basal mais elevada por RD, com metformina2 RD −1,03 casos/100 pessoas-ano com HbA1c5 basal <6.0% (42 mmol/mol) e −3.88 casos/100 pessoas-anos com 6,0-6,4% (P=0,0001).

A metformina2 reduz o desenvolvimento de diabetes1 em 15 anos. Os subconjuntos que mais se beneficiaram foram indivíduos com glicemia de jejum7 basal alta ou HbA1c5 alta e mulheres com história prévia de diabetes mellitus9 gestacional.

Leia também sobre "Diabetes1 gestacional", "Prevenção do Diabetes1 e suas complicações", "Comportamento da glicemia10" e "Medição da glicose4 no sangue11".

 

Fonte: Diabetes1 Care, em abril de 2019.

 

NEWS.MED.BR, 2019. Metformina na prevenção do diabetes: identificação dos subgrupos que mais se beneficiaram no Diabetes Prevention Program e no Diabetes Prevention Program Outcomes Study. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1336468/metformina-na-prevencao-do-diabetes-identificacao-dos-subgrupos-que-mais-se-beneficiaram-no-diabetes-prevention-program-e-no-diabetes-prevention-program-outcomes-study.htm>. Acesso em: 24 jun. 2019.

Complementos

1 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
2 Metformina: Medicamento para uso oral no tratamento do diabetes tipo 2. Reduz a glicemia por reduzir a quantidade de glicose produzida pelo fígado e ajudando o corpo a responder melhor à insulina produzida pelo pâncreas. Pertence à classe das biguanidas.
3 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
4 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
5 HbA1C: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
6 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
7 Glicemia de jejum: Teste que checa os níveis de glicose após um período de jejum de 8 a 12 horas (frequentemente dura uma noite). Este teste é usado para diagnosticar o pré-diabetes e o diabetes. Também pode ser usado para monitorar pessoas com diabetes.
8 Hemoglobina glicosilada: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
9 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
10 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
11 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
Gostou do artigo? Compartilhe!