Gostou do artigo? Compartilhe!

Padrões alimentares vegetarianos melhoram o controle glicêmico e o peso corporal em diabéticos: revisão sistemática e metanálise publicada pelo Clinical Nutrition

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Para atualizar as diretrizes de prática clínica para terapia nutricional, da Associação Europeia para o Estudo do Diabetes1 (EASD), realizou-se uma revisão sistemática e metanálise de ensaios clínicos2 randomizados para resumir as evidências do efeito dos padrões alimentares vegetarianos no controle glicêmico e em outros fatores de risco cardiometabólicos em indivíduos com diabetes1.

Saiba mais sobre "Comportamento da glicemia3", "Diabetes mellitus4" e "Dieta vegana".

As bases de dados MEDLINE, EMBASE e Cochrane foram pesquisadas até 26 de fevereiro de 2018 para ensaios clínicos2 randomizados e controlados, com duração ≥3 semanas, avaliando o efeito dos padrões alimentares vegetarianos em indivíduos com diabetes1. O desfecho primário foi a hemoglobina glicosilada5 (HbA1c6). Os desfechos secundários incluíram outros marcadores de controle glicêmico, lipídios no sangue7, peso corporal / adiposidade e pressão arterial8.

Dois revisores independentes extraíram os dados e avaliaram o risco de viés. Os dados foram agrupados pelo método de variância inversa genérica e expressos como diferenças de média (MD) com intervalos de confiança (ICs) de 95%. A heterogeneidade foi avaliada (estatística Cochran Q) e quantificada (estatística I2). A certeza geral da evidência foi avaliada usando a abordagem Grading of Recommendations Assessment, Development, and Evaluation (GRADE).

Nove ensaios (n=664 participantes) preencheram os critérios de elegibilidade. Padrões dietéticos vegetarianos reduziram significativamente a HbA1c6, glicemia3 em jejum, LDL9-C, não-HDL10-C, peso corporal, índice de massa corporal11 (IMC12) e circunferência da cintura. Não houve efeito significativo sobre a insulina13 em jejum, o HDL10-C, triglicerídeos ou pressão arterial8. A certeza geral da evidência foi moderada, mas foi baixa para insulina13 em jejum, triglicérides14 e circunferência da cintura.

Concluiu-se que os padrões alimentares vegetarianos melhoram o controle glicêmico, o LDL9-C, o não-HDL10-C e o peso corporal / adiposidade em indivíduos com diabetes1, apoiando sua inclusão no controle da doença. Mais pesquisas são necessárias para melhorar a confiança nessas estimativas.

Leia sobre "Hemoglobina glicosilada5", "Colesterol15 alto", "Pressão arterial8", "Glicemia de jejum16", "Índice de massa corporal11" e "Colesterol15 no organismo".

 

Fonte: Clinical Nutrition, publicação online de 13 de junho de 2018

 

NEWS.MED.BR, 2018. Padrões alimentares vegetarianos melhoram o controle glicêmico e o peso corporal em diabéticos: revisão sistemática e metanálise publicada pelo Clinical Nutrition. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1322013/padroes-alimentares-vegetarianos-melhoram-o-controle-glicemico-e-o-peso-corporal-em-diabeticos-revisao-sistematica-e-metanalise-publicada-pelo-clinical-nutrition.htm>. Acesso em: 11 dez. 2018.

Complementos

1 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
2 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
3 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
4 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
5 Hemoglobina glicosilada: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
6 HbA1C: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
7 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
8 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
9 LDL: Lipoproteína de baixa densidade, encarregada de transportar colesterol através do sangue. Devido à sua tendência em depositar o colesterol nas paredes arteriais e a produzir aterosclerose, tem sido denominada “mau colesterol“.
10 HDL: Abreviatura utilizada para denominar um tipo de proteína encarregada de transportar o colesterol sanguíneo, que se relaciona com menor risco cardiovascular. Também é conhecido como “Bom Colesterol”. Seus valores normais são de 35-50mg/dl.
11 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
12 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
13 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
14 Triglicérides: A principal maneira de armazenar os lipídeos no tecido adiposo é sob a forma de triglicérides. São também os tipos de lipídeos mais abundantes na alimentação. Podem ser definidos como compostos formados pela união de três ácidos graxos com glicerol. Os triglicérides sólidos em temperatura ambiente são conhecidos como gorduras, enquanto os líquidos são os óleos. As gorduras geralmente possuem uma alta proporção de ácidos graxos saturados de cadeia longa, já os óleos normalmente contêm mais ácidos graxos insaturados de cadeia curta.
15 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
16 Glicemia de jejum: Teste que checa os níveis de glicose após um período de jejum de 8 a 12 horas (frequentemente dura uma noite). Este teste é usado para diagnosticar o pré-diabetes e o diabetes. Também pode ser usado para monitorar pessoas com diabetes.
Gostou do artigo? Compartilhe!