Gostou do artigo? Compartilhe!

NEJM: Carbetocina estável ao calor versus Ocitocina para prevenir a hemorragia no pós-parto

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A hemorragia1 pós-parto é a causa mais comum de morte materna. A ocitocina2 é a terapia padrão para a prevenção da hemorragia1 pós-parto, mas requer o armazenamento a frio, que não está disponível em muitos países. Em um grande ensaio publicado pelo The New England Journal of Medicine (NEJM), pesquisadores vinculados à World Health Organization (WHO) e ao MSD for Mothers and Ferring Pharmaceuticals compararam uma nova formulação de carbetocina estável ao calor com a ocitocina2.

Saiba mais sobre "Hemorragia1 pós-parto".

Foram incluídas mulheres de 23 locais em 10 países em um estudo randomizado3, duplo-cego, de não inferioridade comparando injeções intramusculares de carbetocina termoestável (na dose de 100 μg) com a ocitocina2 (dose de 10 UI) administrada imediatamente após o parto vaginal. Ambas as drogas foram mantidas em armazenamento refrigerado (2 a 8° C) para manter o duplo-cego. Houve dois desfechos primários: a proporção de mulheres com perda de sangue4 de pelo menos 500 ml ou o uso de agentes uterotônicos adicionais, e a proporção de mulheres com perda de sangue4 de pelo menos 1000 ml. As margens de não inferioridade para os riscos relativos desses desfechos foram 1,16 e 1,23, respectivamente.

Um total de 29.645 mulheres foram submetidas à randomização. A frequência de perda sanguínea de pelo menos 500 ml ou o uso de agentes uterotônicos adicionais foi de 14,5% no grupo carbetocina e de 14,4% no grupo ocitocina2 (risco relativo, 1,01; intervalo de confiança de 95% [IC] de 0,95 a 1,06), um achado consistente com a não inferioridade. A frequência de perda sanguínea de pelo menos 1000 ml foi de 1,51% no grupo carbetocina e de 1,45% no grupo ocitocina2 (risco relativo 1,04; IC 95% de 0,87 a 1,25), com o intervalo de confiança cruzando a margem de não inferioridade. O uso de agentes uterotônicos adicionais, intervenções para interromper o sangramento e efeitos adversos não diferiram significativamente entre os dois grupos.

A carbetocina termoestável não foi inferior à ocitocina2 para prevenir a perda de sangue4 de pelo menos 500 ml ou o uso de agentes uterotônicos adicionais. A não inferioridade não foi demonstrada para o desfecho de perda sanguínea de pelo menos 1000 ml; baixas taxas de eventos para esse resultado reduziram o poder do estudo.

Leia sobre "Parto vaginal", "Cesárea", "Trabalho de parto" e "Quantas cesarianas uma mulher pode fazer com segurança".

 

Fonte: The New England Journal of Medicine (NEJM), em 27 de junho de 2018

 

NEWS.MED.BR, 2018. NEJM: Carbetocina estável ao calor versus Ocitocina para prevenir a hemorragia no pós-parto. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1321038/nejm-carbetocina-estavel-ao-calor-versus-ocitocina-para-prevenir-a-hemorragia-no-pos-parto.htm>. Acesso em: 20 out. 2019.

Complementos

1 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
2 Ocitocina: Hormônio produzido pelo hipotálamo e armazenado na hipófise posterior (neuro-hipófise). Tem a função de promover as contrações uterinas durante o parto e a ejeção do leite durante a amamentação.
3 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
4 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
Gostou do artigo? Compartilhe!