Gostou do artigo? Compartilhe!

Doença física crônica na infância influencia saúde emocional do adulto: uma revisão sistemática e meta-análise publicada pelo The Journal of Child Psychology and Psychiatry

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Coordenado por Darya Gaysina, da School of Psychology, University of Sussex, um estudo publicado pelo The Journal of Child Psychology and Psychiatry alerta para a importância da prevenção e intervenção dirigidas a problemas mentais em crianças com doenças físicas crônicas, com o objetivo de se evitar ansiedade e depressão na idade adulta.

Saiba mais sobre "Depressão" e "Transtorno de ansiedade generalizada".

A doença física crônica na infância está associada a uma maior vulnerabilidade para problemas emocionais (depressão e ansiedade) na infância. No entanto, pouco se sabe sobre os efeitos ao longo da vida da doença física crônica na infância sobre a saúde1 mental. O estudo teve como objetivo revisar sistematicamente as evidências de associações entre oito doenças físicas crônicas com início na infância (artrite2, asma3, câncer4, insuficiência renal5 crônica, cardiopatia congênita6, fibrose cística7, diabetes8 tipo 1 e epilepsia9) e problemas emocionais de adultos, tais como ansiedade e depressão.

Para isso foi realizada uma pesquisa nos banco de dados MEDLINE, PsycARTICLES, PsycINFO e ScienceDirect e metanálises de efeitos aleatórios para sintetizar evidências de estudos elegíveis. No total, 37 estudos foram elegíveis para a revisão sistemática (n = 45.733), e destes 34 foram incluídos nas meta-análises (n = 45.358). Houve associação geral entre doença física crônica na infância e depressão de adultos (OR = 1,31, IC 95% [1,12, 1,54]) e ansiedade (OR = 1,47; IC 95% [1,13, 1,92]). Metanálises separadas para asma3 na infância, diabetes tipo 110 e câncer4 também foram realizadas, com o câncer4 sendo significativamente associado à depressão em adultos (OR = 1,19, IC 95% [1,00, 1,42]).

Concluiu-se que os efeitos da doença física crônica na infância sobre o risco de problemas emocionais persistem além da infância e da adolescência. As estratégias de prevenção e intervenção de saúde1 mental dirigidas a crianças com doenças físicas crônicas podem ter benefícios a longo prazo e precisam ser melhor estudadas.

Leia mais sobre "Depressão em crianças" e "Resiliência".

 

Fonte: The Journal of Child Psychology and Psychiatry, publicação online, em 27 de abril de 2017

 

NEWS.MED.BR, 2017. Doença física crônica na infância influencia saúde emocional do adulto: uma revisão sistemática e meta-análise publicada pelo The Journal of Child Psychology and Psychiatry. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1298073/doenca-fisica-cronica-na-infancia-influencia-saude-emocional-do-adulto-uma-revisao-sistematica-e-meta-analise-publicada-pelo-the-journal-of-child-psychology-and-psychiatry.htm>. Acesso em: 23 abr. 2021.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Artrite: Inflamação de uma articulação, caracterizada por dor, aumento da temperatura, dificuldade de movimentação, inchaço e vermelhidão da área afetada.
3 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
4 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
5 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
6 Congênita: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
7 Fibrose cística: Doença genética autossômica recessiva que promove alteração de glândulas exócrinas do organismo. Caracterizada por infecções crônicas das vias aéreas, que leva ao desenvolvimento de bronquiectasias, insuficiência pancreática exócrina, disfunções intestinais, anormalidades das glândulas sudoríparas e disfunção genitourinária.
8 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
9 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
10 Diabetes tipo 1: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada por deficiência na produção de insulina. Ocorre quando o próprio sistema imune do organismo produz anticorpos contra as células-beta produtoras de insulina, destruindo-as. O diabetes tipo 1 se desenvolve principalmente em crianças e jovens, mas pode ocorrer em adultos. Há tendência em apresentar cetoacidose diabética.
Gostou do artigo? Compartilhe!