Gostou do artigo? Compartilhe!

Capacidade aeróbica baixa associada a maiores taxas de mortalidade em homens de meia idade

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A capacidade aeróbica baixa tem sido associada ao aumento da mortalidade1 em estudos de curto prazo. O objetivo deste estudo foi avaliar o poder preditivo da capacidade aeróbica para a mortalidade1, em homens de meia-idade, durante 45 anos de acompanhamento.

O desenho do estudo foi prospectivo2, de coorte3, de base populacional. A amostra representativa foi de Gotemburgo, na Suécia, formada por homens nascidos em 1913 e que foram seguidos até 50-99 anos de idade, com exames médicos periódicos e dados do National Hospital Discharge Cause of Death Registers. Aos 54 anos de idade, 792 homens realizaram um teste ergométrico de esforço, com 656 (83%) alcançando o máximo de aproveitamento no exercício.

Saiba mais sobre o Teste ergométrico de esforço.

Na análise de regressão de Cox, um baixo pico previsto de consumo máximo de oxigênio (Fórmula VO2 Max4), tabagismo, colesterol5 sérico elevado e pressão arterial6 média alta em repouso foram significativamente associados à mortalidade1. Na análise multivariada, encontrou-se associação entre os tercis previstos na Fórmula e a mortalidade1, independentemente de fatores de risco estabelecidos. As razões de risco (HRs) foram:

  • HR de 0,79 (IC 95% 0,71-0,89; p<0,0001) para os picos previstos de VO2 Max4.
  • HR de 1,01 (1,002-1,02; p<0,01) para a pressão sanguínea arterial média.
  • HR de 1,13 (1,04-1,22; p<0,005) para o colesterol5.
  • HR de 1,58 (1,34-1,85; p<0,0001) para o fumo.
Veja nossos artigos sobre "Tabagismo", "Colesterol5 alto" e "Hipertensão arterial7".

O impacto variável dos tercis previstos na Fórmula VO2 Max4 (15,3) sobre a mortalidade1 foi secundário apenas para o fumo (31,4).

Concluiu-se que, nesta amostra representativa da população de homens de meia idade, a baixa capacidade aeróbica foi associada a maiores taxas de mortalidade1, independente de fatores de risco tradicionais, incluindo o tabagismo, pressão arterial6 média e colesterol5 sérico, durante mais de 40 anos de acompanhamento.

Veja também: "Sete passos para um coração8 saudável", "Gerencie seu tratamento: você é o principal interessado em manter sua boa saúde9", "Dor no peito10", "Infarto do Miocárdio11" e "Acidente Vascular Cerebral12".

 

Fonte: European Journal of Preventive Cardiology, de 26 de julho de 2016

 

NEWS.MED.BR, 2016. Capacidade aeróbica baixa associada a maiores taxas de mortalidade em homens de meia idade. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1272373/capacidade-aerobica-baixa-associada-a-maiores-taxas-de-mortalidade-em-homens-de-meia-idade.htm>. Acesso em: 18 out. 2019.

Complementos

1 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
2 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
3 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
4 VO2 máx: O VO2 máx é o volume máximo de oxigênio que o corpo consegue “aproveitar“ do ar que está dentro dos pulmões, levar para os tecidos através do sistema cardiovascular e usar na produção de energia, em uma unidade de tempo. Este valor pode ser obtido indiretamente (através de diferentes testes) ou diretamente (pelo teste ergoespirométrico).
5 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
6 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
7 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
8 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
9 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
10 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
11 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
12 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
Gostou do artigo? Compartilhe!