Gostou do artigo? Compartilhe!

Peptídeo β-amiloide pode ter papel prejudicial, mas também protetor na doença de Alzheimer

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O peptídeo β-amiloide (Ap) é uma proteína chave na patologia1 da doença de Alzheimer2 (DA). Já foi relatado anteriormente evidências in vitro sugerindo que o Ap é um peptídeo antimicrobiano. No presente trabalho, publicado pela revista Science Translational Medicine, foram apresentados dados in vivo que mostram que a expressão Ap protege contra infecções3 fúngicas4 e bacterianas em ratos, nematódeos e modelos de cultura de células5 da DA.

Os cientistas mostraram que a formação de placas6 que causam a disfunção sináptica na doença de Alzheimer2 é feita pela oligomerização do peptídeo beta-amiloide, um comportamento tradicionalmente visto como patológico, mas que pode ser necessário para que aconteça a atividade antimicrobiana do peptídeo. De acordo com o modelo apresentado, a infecção7 bacteriana dos cérebros de ratinhos transgênicos 5XFAD por Salmonella typhimurium resultou em semeadura rápida e deposição acelerada de placas6 β-amiloides, que se localizaram próximas às bactérias invasoras.

As novas descobertas levantam a possibilidade intrigante de que o peptídeo β-amiloide possa desempenhar um papel protetor na imunidade8 inata e nos estímulos inflamatórios estéreis ou infecciosos que podem conduzir à amiloidose9, o que sugere um duplo papel prejudicial/protetor do peptídeo β-amiloide, tal como foi descrito para outros peptídeos antimicrobianos.

 

Fonte: Science Translational Medicine, volume 8, número 340, de 25 de maio de 2016

NEWS.MED.BR, 2016. Peptídeo β-amiloide pode ter papel prejudicial, mas também protetor na doença de Alzheimer. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1163719/peptideo-beta-amiloide-pode-ter-papel-prejudicial-mas-tambem-protetor-na-doenca-de-alzheimer.htm>. Acesso em: 20 out. 2019.

Complementos

1 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
2 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
3 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
4 Fúngicas: Relativas à ou produzidas por fungo.
5 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
6 Placas: 1. Lesões achatadas, semelhantes à pápula, mas com diâmetro superior a um centímetro. 2. Folha de material resistente (metal, vidro, plástico etc.), mais ou menos espessa. 3. Objeto com formato de tabuleta, geralmente de bronze, mármore ou granito, com inscrição comemorativa ou indicativa. 4. Chapa que serve de suporte a um aparelho de iluminação que se fixa em uma superfície vertical ou sobre uma peça de mobiliário, etc. 5. Placa de metal que, colocada na dianteira e na traseira de um veículo automotor, registra o número de licenciamento do veículo. 6. Chapa que, emitida pela administração pública, representa sinal oficial de concessão de certas licenças e autorizações. 7. Lâmina metálica, polida, usualmente como forma em processos de gravura. 8. Área ou zona que difere do resto de uma superfície, ordinariamente pela cor. 9. Mancha mais ou menos espessa na pele, como resultado de doença, escoriação, etc. 10. Em anatomia geral, estrutura ou órgão chato e em forma de placa, como uma escama ou lamela. 11. Em informática, suporte plano, retangular, de fibra de vidro, em que se gravam chips e outros componentes eletrônicos do computador. 12. Em odontologia, camada aderente de bactérias que se forma nos dentes.
7 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
8 Imunidade: Capacidade que um indivíduo tem de defender-se perante uma agressão bacteriana, viral ou perante qualquer tecido anormal (tumores, enxertos, etc.).
9 Amiloidose: Amiloidose constitui um grupo de doenças nas quais certas proteínas, que normalmente seriam solúveis, se depositam extracelularmente nos tecidos na forma de fibrilas insolúveis.
Gostou do artigo? Compartilhe!