Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudos mostram que uma maior ingestão de fibras de cereais e magnésio reduz risco de desenvolver diabetes tipo 2

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia
 

Maior ingestão de fibras de cereais e magnésio foi associada a um risco reduzido de desenvolver diabetes mellitus1 tipo 2, de acordo com estudo publicado no Archives of Internal Medicine. As conclusões são de um estudo realizado pelo Dr. Matthias B. Schulze e colaboradores do German Institute of Human Nutrition, em Potsdam - Alemanha.

 

Participaram do estudo 25.000 adultos com idade entre 35 e 65 anos, acompanhados quanto à incidência2 de diabetes3 de 1994 a 2005. A ingestão de fibras de cereais e magnésio foi medida por um questionário de avaliação da frequência de consumo desses alimentos.

 

Durante os anos de seguimento, foram observados 844 casos novos de diabetes tipo 24. Comparados com as pessoas que consumiam pequena quantidade de fibras de cereais, aqueles que consumiam quantidades maiores tinham 28% de redução de risco de desenvolver diabetes3. Fibras de frutas e de vegetais não foram significativamente associadas a um risco menor de desenvolver diabetes3. No estudo também não foi observada uma associação significativa da ingestão de magnésio e redução do risco de desenvolver diabetes3.

 

Na segunda parte do estudo, foi realizada uma meta-análise que incluiu 9 estudos com ingestão de fibras de cereais e 8 com ingestão de magnésio, a qual mostrou 33% de redução de risco para diabetes3 com uma maior ingestão de fibras de cereais. Outra vez, as fibras de frutas e de vegetais não produziram efeito semelhante às fibras de cereais. Em contraste com as conclusões da primeira parte do estudo, a meta-análise mostrou uma redução de 23% de risco de diabetes3 com uma maior ingestão de magnésio.

 

Os pesquisadores concluíram que os achados desta avaliação sugerem fortemente que uma maior ingestão de fibras de cereais e magnésio pode reduzir o risco de desenvolver diabetes3, o que é muito importante para a prevenção de diabetes mellitus1 tipo 2.

 

Fonte: Archives of Internal Medicine

NEWS.MED.BR, 2007. Estudos mostram que uma maior ingestão de fibras de cereais e magnésio reduz risco de desenvolver diabetes tipo 2. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/11266/estudos-mostram-que-uma-maior-ingestao-de-fibras-de-cereais-e-magnesio-reduz-risco-de-desenvolver-diabetes-tipo-2.htm>. Acesso em: 25 nov. 2020.

Complementos

1 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
2 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
3 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
4 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
Gostou do artigo? Compartilhe!