Gostou do artigo? Compartilhe!

Milho: grão concentra luteína e zeaxantina, substâncias relacionadas à proteção contra catarata e degeneração macular

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma recente pesquisa da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) revelou que o milho e seus derivados também são importantes para proteger contra doenças degenerativas1 oculares, além de alimentos como a cenoura, rica em betacaroteno. O estudo foi realizado na Faculdade de Engenharia de Alimentos com milho cozido e in natura, e com derivados como farinha, fubá, farinha pré-cozida, polenta frita e cozida, curau e pamonha.

 

De acordo com a engenheira Giovanna Pisanelli Rodrigues de Oliveira, autora da pesquisa, entre os mais de cem alimentos já analisados no Brasil, o milho é o único que concentra em quantidades significativas as substâncias luteína2 e zeaxantina, carotenóides relacionados à proteção contra a catarata3 e a degeneração macular4 associada à idade. Quanto maior a ingestão de alimentos ricos nesses carotenóides, menor a probabilidade de desenvolver tais doenças porque o acúmulo desses carotenóides acontece seletivamente na região central da retina5.

 

A luteína2 é encontrada em abundância nas folhas verdes e a zeaxantina na fruta pequi e em algumas variedades de abóboras.

 

O milho é uma das únicas fontes de ambos carotenóides. Dentre os produtos analisados (milho in natura, milho cozido, milho enlatado, polentas frita e cozida, curau e pamonha) por cromatografia líquida de alta eficiência, o milho enlatado apresentou, em geral, os maiores teores de carotenóides (0,56 a 4,12 mg/g de luteína2, 7,10 a 22,90 mg/g de zeaxantina, 0,60 a 4,90 mg/g de betacriptoxantina e 0,13 a 3,45 mg/g de betacaroteno). O milho in natura e o milho cozido, diferentemente dos outros produtos analisados, não apresentaram como carotenóide majoritário a zeaxantina e sim a luteína2 (3,37 a 5,29 _g/g e 2,79 a 5,47 para milho in natura e cozido, respectivamente).

 

Os teores de carotenóides das polentas frita e cozida, curau e pamonha foram muito baixos. As farinhas e cereais matinais a base de milho, também analisados, apresentaram, em geral, a zeaxantina como carotenóide majoritário, seguido pela luteína2. Os pró-vitamínicos betacaroteno e betacriptoxantina apareceram em pequenas concentrações. Os teores de luteína2 e zeaxantina (mg/g) variaram, respectivamente, de 1,52 a 6,54 e de 2,93 a 15,01 para farinhas derivadas de milho, e de 1,83 a 4,88 e de 7,54 a 16,24 para cereais matinais. Houve variação significativa entre marcas do mesmo produto, mas pequenas variações entre lotes da mesma marca.

 

Fonte: Base Alimentarium

NEWS.MED.BR, 2007. Milho: grão concentra luteína e zeaxantina, substâncias relacionadas à proteção contra catarata e degeneração macular. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/10469/milho-grao-concentra-luteina-e-zeaxantina-substancias-relacionadas-a-protecao-contra-catarata-e-degeneracao-macular.htm>. Acesso em: 5 dez. 2022.

Complementos

1 Degenerativas: Relativas a ou que provocam degeneração.
2 Luteína: Mesmo que xantofila. Pigmento amarelo encontrado em grande variedade de organismos; lipocromo. Originalmente isolado da gema do ovo, ocorre em inúmeras espécies vegetais e em penas de aves.
3 Catarata: Opacificação das lentes dos olhos (opacificação do cristalino).
4 Degeneração macular: A degeneração macular destrói gradualmente a visão central, afetando a mácula, parte do olho que permite enxergar detalhes finos necessários para realizar tarefas diárias tais como ler e dirigir. Existem duas formas - úmida e seca. Na forma úmida, há crescimento anormal de vasos sanguíneos no fundo do olho, podendo extravasar fluidos que prejudicam a visão central. Na forma seca, que é a mais comum e menos grave, há acúmulo de resíduos do metabolismo celular da retina, aliado a graus variáveis de atrofia do tecido retiniano, causando uma perda visual central, de progressão lenta, podendo dificultar a realização de algumas atividades como ler e escrever ou a identificação de traços de fisionomia.
5 Retina: Parte do olho responsável pela formação de imagens. É como uma tela onde se projetam as imagens: retém as imagens e as traduz para o cérebro através de impulsos elétricos enviados pelo nervo óptico. Possui duas partes: a retina periférica e a mácula.
Gostou do artigo? Compartilhe!