Gostou do artigo? Compartilhe!

Cirurgia poupadora de adrenal é melhor do que a cirurgia clássica para pessoas com NEM2 e feocromocitoma, apresentado no European Congress of Endocrinology 2015

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A cirurgia poupadora de adrenal permite que metade dos pacientes com neoplasia1 endócrina múltipla tipo 2 (NEM2) e feocromocitoma2 bilateral ganhem 10 anos sem insuficiência3 adrenal e ainda mantenham uma taxa de recorrência4 do tumor5 semelhante às taxas de pacientes que se submetem à adrenalectomia6 clássica (cirurgia radical). O estudo foi apresentado no European Congress of Endocrinology (ECE) 2015 pelo Dr. Frederic Castinetti, da Aix-Marseille University, em Marselha, França.

Com o tratamento precoce do carcinoma7 medular da tireoide8, a neoplasia1 endócrina múltipla tipo 2 tornou-se um exemplo de doença crônica com acompanhamento prolongado da possibilidade de diagnóstico9 do feocromocitoma2 e sua adequada gestão. Em qualquer doença genética em que feocromocitoma2 possa acontecer bilateralmente, a cirurgia tem sido baseada na adrenalectomia6 bilateral (mesmo na presença de um único feocromocitoma2) e em uma vida longa para o tratamento da insuficiência3 adrenal, como consequência.

Progressos têm sido feitos, escolhendo a adrenalectomia6 unilateral em casos de feocromocitoma2 unilateral, o que agora faz sentido. A cirurgia conservadora da adrenal é provavelmente mais um passo na tentativa de melhorar a qualidade de vida global desses pacientes. É uma opção valiosa bem descrita em pacientes com feocromocitoma2 e doença de Von Hippel Lindau. Determinar o interesse em tal abordagem terapêutica10 implica em levar em conta o risco de recorrência4 do tumor5, em comparação com o ganho em termos de preservação da função adrenal.

Além disso, assumir este risco de recorrência4 implica em caracterizar o potencial de malignidade do feocromocitoma2 hereditário, considerando que tecido11 hiperplásico medular permanecerá no organismo após a cirurgia conservadora. Os dados sobre pacientes com NEM2 são escassos na literatura, geralmente com base em um número reduzido de pacientes ou um curto período de acompanhamento, e isso pode explicar porque esta abordagem ainda não é considerada como padrão-ouro (quando tecnicamente possível).

Com base em um grande agrupamento de dados internacionais coletados, incluindo informações sobre 1.210 pacientes com neoplasia1 endócrina múltipla tipo 2, sendo mais de 500 com feocromocitoma2, determinou-se o resultado alcançado em pacientes que fizeram cirurgia conservadora da adrenal em comparação com a adrenalectomia6 clássica (cirurgia radical). Os resultados enfatizam a baixa taxa de insuficiência3 adrenal e um risco relativamente baixo de recidiva12 após um seguimento médio de 10 anos após a cirurgia poupadora da adrenal. Curiosamente, a taxa de recorrência4 foi comparável em doentes com adrenalectomia6 clássica, e, como esperado, a taxa de insuficiência3 adrenal foi muito superior com a abordagem clássica. A cirurgia conservadora da adrenal é, portanto, claramente uma opção terapêutica10 valiosa, desde que um acompanhamento prolongado e regular possa ser mantido.

Fonte: European Congress of Endocrinology, de 18 de maio de 2015

NEWS.MED.BR, 2015. Cirurgia poupadora de adrenal é melhor do que a cirurgia clássica para pessoas com NEM2 e feocromocitoma, apresentado no European Congress of Endocrinology 2015. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/758697/cirurgia-poupadora-de-adrenal-e-melhor-do-que-a-cirurgia-classica-para-pessoas-com-nem2-e-feocromocitoma-apresentado-no-european-congress-of-endocrinology-2015.htm>. Acesso em: 29 nov. 2020.

Complementos

1 Neoplasia: Termo que denomina um conjunto de doenças caracterizadas pelo crescimento anormal e em certas situações pela invasão de órgãos à distância (metástases). As neoplasias mais frequentes são as de mama, cólon, pele e pulmões.
2 Feocromocitoma: São tumores originários das células cromafins do eixo simpático-adrenomedular, caracterizados pela autonomia na produção de catecolaminas, mais freqüentemente adrenalina e/ou noradrenalina. A hipertensão arterial é a manifestação clínica mais comum, acometendo mais de 90% dos pacientes, geralmente resistente ao tratamento anti-hipertensivo convencional, mas podendo responder a bloqueadores alfa-adrenérgicos, bloqueadores dos canais de cálcio e nitroprussiato de sódio. A tríade clássica do feocromocitoma, associado à hipertensão arterial, é composta por cefaléia, sudorese intensa e palpitações.
3 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
4 Recorrência: 1. Retorno, repetição. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
5 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
6 Adrenalectomia: Ressecção cirúrgica de uma ou de ambas as glândulas adrenais, também conhecidas como suprarrenais.
7 Carcinoma: Tumor maligno ou câncer, derivado do tecido epitelial.
8 Tireoide: Glândula endócrina altamente vascularizada, constituída por dois lobos (um em cada lado da TRAQUÉIA) unidos por um feixe de tecido delgado. Secreta os HORMÔNIOS TIREOIDIANOS (produzidos pelas células foliculares) e CALCITONINA (produzida pelas células para-foliculares), que regulam o metabolismo e o nível de CÁLCIO no sangue, respectivamente.
9 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
10 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
11 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
12 Recidiva: 1. Em medicina, é o reaparecimento de uma doença ou de um sintoma, após período de cura mais ou menos longo; recorrência. 2. Em direito penal, significa recaída na mesma falta, no mesmo crime; reincidência.
Gostou do artigo? Compartilhe!