Gostou do artigo? Compartilhe!

Pesquisa publicada pelo periódico Pediatrics: os pais realmente conhecem os riscos potenciais de malignidade envolvidos no uso da tomografia computadorizada de crânio em crianças?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Estudo, publicado pelo periódico Pediatrics, avaliou o conhecimento dos pais em relação aos riscos potenciais de câncer1 após exposição de uma criança à tomografia computadorizada2 da cabeça3.

O uso da tomografia computadorizada2 (TC) em crianças está aumentando em ambientes que atendem emergências médicas sem uma compreensão de conhecimento dos pais em relação aos potenciais riscos futuros de câncer1. O objetivo principal do presente estudo foi o de determinar a proporção de pais que estavam cientes do potencial de aumento do risco de malignidade na vida futura de uma criança após exposição à radiação envolvida na tomografia computadorizada2 de crânio4. Foram avaliadas também a disposição de prosseguir com a recomendação médica de utilização de uma TC de crânio4, após a divulgação do risco, e a preferência dos pais a serem ou não informados sobre os riscos potenciais antes do procedimento.

Este foi um estudo transversal e prospectivo5 de pais cujos filhos se apresentaram com um ferimento na cabeça3 a um serviço de urgência6/emergência7 de atendimento pediátrico terciário. Os resultados mostraram que dos 742 inscritos, 454 pais (61,2%) eram do sexo feminino e 594 (80,0%) estavam na faixa etária entre 31 e 50 anos. É importante ressaltar que 357 (46,8%) estavam cientes do potencial para um aumento do risco de malignidade na vida futura após a TC. Antes da provisão da estimativa de risco, a proporção de pais "muito disposto/dispostos" a prosseguir com a TC de crânio4 foi de 90,4%; após a divulgação, a vontade diminuiu para 69,6% (P<0,0001) e 42 (5,6%) se recusaram a fazer a TC. Quanto à preferência por serem ou não informados dos riscos, 673 (90,3%) desejavam ser informados sobre os riscos potenciais de malignidade antes que o exame fosse realizado.

Cerca de metade dos pais participantes estavam cientes do potencial aumento do risco de malignidade na vida futura da criança associado à tomografia computadorizada2 de cabeça3. A vontade de prosseguir com a TC foi reduzida após a divulgação de risco, mas isso era uma barreira importante para uma pequena minoria de pais. A maioria dos pais queria ser informada sobre os riscos potenciais de malignidade antes de prosseguir com a imagem.

Fonte: Pediatrics, publicação online de 8 de julho de 2013 

NEWS.MED.BR, 2013. Pesquisa publicada pelo periódico Pediatrics: os pais realmente conhecem os riscos potenciais de malignidade envolvidos no uso da tomografia computadorizada de crânio em crianças?. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/365679/pesquisa-publicada-pelo-periodico-pediatrics-os-pais-realmente-conhecem-os-riscos-potenciais-de-malignidade-envolvidos-no-uso-da-tomografia-computadorizada-de-cranio-em-criancas.htm>. Acesso em: 20 out. 2019.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
3 Cabeça:
4 Crânio: O ESQUELETO da CABEÇA; compreende também os OSSOS FACIAIS e os que recobrem o CÉREBRO. Sinônimos: Calvaria; Calota Craniana
5 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
6 Urgência: 1. Necessidade que requer solução imediata; pressa. 2. Situação crítica ou muito grave que tem prioridade sobre outras; emergência.
7 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
Gostou do artigo? Compartilhe!