Atalho: 6BCM729
Gostou do artigo? Compartilhe!

Nature: consumo de açúcar deve ser controlado como cigarro e álcool

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Três cientistas da Universidade da Califórnia (EUA), em artigo publicado na revista Nature, recomendam o controle do consumo de açúcar1 pela população, da mesma forma que é feito o controle sobre o consumo de álcool e cigarro. Os pesquisadores alegam que o açúcar1 está alimentando uma epidemia global de obesidade2 e contribuindo para 35 milhões de mortes todos os anos.

Segundo as Nações Unidas, as doenças infecciosas no mundo já foram superadas pelas doenças não-transmissíveis como diabetes mellitus3, câncer4 e doenças do coração5.

Robert Lustig, Laura Schmidt e Claire Brindis afirmam que os efeitos danosos do açúcar1 são semelhantes aos promovidos pelo álcool e que, por isso, seu consumo também deveria ser regulamentado pelas autoridades de saúde6.

O consumo mundial de açúcar1 triplicou nos últimos 50 anos, após a adoção de dietas ocidentais que incluem alimentos de baixo custo e altamente processados. De acordo com os autores do artigo, o cenário chegou a tal ponto que os países deveriam regulamentar a taxação de produtos industrializados açucarados, limitar a venda de tais produtos em escolas e definir uma idade mínima para a compra de refrigerantes.
No entanto, diferente do álcool ou do cigarro, que são produtos consumíveis não essenciais, o açúcar1 está presente em diversos alimentos, o que dificulta a sua regulação.

A obesidade2 não é o principal problema do consumo excessivo de açúcar1. Cerca de 20% das pessoas obesas têm metabolismo7 normal e terão uma expectativa de vida8 também normal e aproximadamente 40% das pessoas com pesos considerados normais irão desenvolver doenças no coração5 e no fígado9, diabetes mellitus3 e hipertensão arterial10, de acordo com os cientistas. Além disso, a disfunção metabólica é mais prevalente do que a obesidade2.

Comparativo entre os danos provocados pela exposição crônica ao álcool e ao açúcar1:

Exposição crônica ao álcool Exposição crônica ao açúcar1
Desordens hematológicas
Anormalidades eletrolíticas
Hipertensão arterial10 Hipertensão arterial10 (ácido úrico)
Dilatação cardíaca
Cardiomiopatia

Infarto do miocárdio11 (dislipidemia e resistência à insulina12)

Dislipidemia Dislipidemia (lipogênese)
Pancreatite13

Pancreatite13 (hipertrigliceridemia)

Obesidade2 (resistência à insulina12) Obesidade2 (resistência à insulina12)
Desnutrição14 Desnutrição14 (obesidade2)
Disfunção hepática15 (esteatohepatite16 alcoólica) Disfunção hepática15 (esteatohepatite16 alcoólica)
Síndrome17 fetal alcoólica
Vício

Habituação e até viciação

Fonte: Nature, de 02 de fevereiro de 2012

NEWS.MED.BR, 2012. Nature: consumo de açúcar deve ser controlado como cigarro e álcool. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/259455/nature-consumo-de-acucar-deve-ser-controlado-como-cigarro-e-alcool.htm>. Acesso em: 16 out. 2019.

Complementos

1 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
2 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
3 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
4 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
5 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
6 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
7 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
8 Expectativa de vida: A expectativa de vida ao nascer é o número de anos que se calcula que um recém-nascido pode viver caso as taxas de mortalidade registradas da população residente, no ano de seu nascimento, permaneçam as mesmas ao longo de sua vida.
9 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
10 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
11 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
12 Resistência à insulina: Inabilidade do corpo para responder e usar a insulina produzida. A resistência à insulina pode estar relacionada à obesidade, hipertensão e altos níveis de colesterol no sangue.
13 Pancreatite: Inflamação do pâncreas. A pancreatite aguda pode ser produzida por cálculos biliares, alcoolismo, drogas, etc. Pode ser uma doença grave e fatal. Os primeiros sintomas consistem em dor abdominal, vômitos e distensão abdominal.
14 Desnutrição: Estado carencial produzido por ingestão insuficiente de calorias, proteínas ou ambos. Manifesta-se por distúrbios do desenvolvimento (na infância), atrofia de tecidos músculo-esqueléticos e caquexia.
15 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
16 Esteatohepatite: Esteatohepatite é o acúmulo de gorduras com inflamação do fígado.
17 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
Gostou do artigo? Compartilhe!

Complementos

09/02/2012 - Complemento feito por Walter
Re: Nature: consumo de açúcar deve ser controlado como cigarro e álcool
William Dufty já escrevia há mais de cinquenta anos sobre os perigos do açúcar , só que a grande mídia não se importava , agora virou problema de saúde pública.
Isso sem falar em excesso de sódio etc.

08/02/2012 - Complemento feito por OSORIO
Re: Nature: consumo de açúcar deve ser controlado como cigarro e álcool
FALTOU MENCIONAR TAMBEM O SÓDIO, QUEM EXESSO TAMBEM TRAS CONSEQUENCIAS MUITO GRAVES, COMO HIPERTENSÃO POR EXEMPLO. O GOVERNO TEM QUE TOMAR MEDIDAS ENERGICAS, NO SENTIDO DE CONTROLAR A ADIÇÃO DE SÓDIO, NO ENLATADOS PRINCIPALMENTE

06/02/2012 - Complemento feito por MARCOS
Re: Nature: consumo de açúcar deve ser controlado como cigarro e álcool
O consumo excessivo de açucar, acaba se dando, principalmente, por hábitos como consumo de refrigerantes, que acabou se incorporando a nossos hábitos alimentares, bem como em alimentos processados, como doces e compotas enlatadas.

Os doces e compotas enlatadas, em substituição a doces feitos de maneira mais " caseira", trazem também o consumo de outras substâncias que podem ser deletérias a saúde como aditivos, conservantes, acidulantes entre outras substâncias associadas a doenças graves até mesmo com fatores carcinogênicos.

Devemos então usar o bom senso e substituir os refrigerantes por sucos naturais, de preferência usando o açúcar da própria fruta, hábito que estamos perdendo a usar o açùcar refinado em excesso, podendo até perder o paladar natural para o doce das frutas.

O uso moderado de açúcar refinado, e alimentos doces processados com ele, podem diminuir a probabilidade de desenvolver doenças como a resistência insulínica, que é um sintoma da síndrome metabólica que se não controlada a tempo pode levar ao desenvolvimento do diabetes tipo II, então usar açúcar de forma moderada é uma boa forma de prevenir doenças potencialmente graves!!!!

  • Entrar
  • Assinar